Portugal sonhou com a tripla, mas foi Malmberg a vencer o Omnium!

Qualificações Omnium

A manhã do segundo dia do Trofeu Internacional Município de Anadia começou com a qualificação para o Omnium em Elites Femininas, numa corrida por pontos com 40 voltas a 2 mangas que qualificava 12 ciclistas em cada uma. Os Países Baixos destacaram-se na primeira manga, com Lonneke Uneken a assegurar a qualificação logo nos primeiros sprints e Daniek Hengeveld a vencer a manga. A Norueguesa Anita Stenberg assegurou a passagem à fase final também muito cedo, enquanto a Espanha se destacou na fase final com 3 ciclistas ao ataque a garantirem também a qualificação. A Portuguesa Joana Pereira não terminou a primeira manga.

A segunda manga começou com uma fase inicial de estudo mútuo das ciclistas, mas foi a britânica Pfeiffer Georgi a quebrar o gelo e a vencer o primeiro sprint, conseguindo espevitar o pelotão, com Marie Le Net e outras três ciclistas a conseguirem dobrar o pelotão em cerca de 5 voltas e a garantir 20 pontos. No quarto sprint, Beatriz Roxo foi buscar 2 preciosos pontos, colocando se em posição virtual de apuramento. A espanhola Tânia Calvo venceu o sprint final, com Beatriz Roxo a chegar no pelotão e a garantir um lugar que lhe daria o apuramento para a final, mas que numa correção acabou por ver retirada à corredora portuguesa a possibilidade de competir no Omnium!

Seguiram-se os juniores masculinos, também com a qualificação para o Omnium numa Corrida por Pontos com 40 voltas a 2 mangas. Na primeira manga, espanhol Yago Aguirre venceu o primeiro sprint com um ataque de longe, sem que os portugueses conseguissem marcar pontos. O segundo sprint foi ganho pelo espanhol Siro Pallares, sem que os portugueses voltassem a marcar pontos. Vários ciclistas aproveitavam para darem voltas a um pelotão passivo, com as cores lusitanas a garantirem os primeiros pontos apenas no terceiro sprint com Daniel Jorge (Póvoa Cycling Academy / CDC Navais) a ir buscar 1 ponto. No último sprint, Rui Carneiro garantiu 2 pontos, e também o apuramento.

Na segunda manga, foi a Eslovénia quem começou mais forte, vencendo o primeiro sprint, mas várias foram também as voltas de avanço que sucederam de seguida. Os portugueses conquistaram pontos no segundo sprint, com Pedro Pinto a ser terceiro, e a marcar depois os 20 pontos, dobrando o pelotão e ainda vencendo o terceiro sprint, totalmente dominado pelos portugueses, com João Simões, Miguel Agra e Gabriel Baptista a pontuarem! Um novo trio conseguiu fazer a dobragem com João Martins, Gabriel Baptista e Eneko Arocena a garantirem o apuramento e os portugueses voltaram a levar a melhor no último sprint.

A qualificação para os Elites Masculinos foi o prato que se seguiu com a primeira ronda a ter Francisco Marques da LA Alumínios e Ivo Oliveira com as cores nacionais numa corrida de 60 voltas! O primeiro sprint foi ganho pelo grego Christos Volikakis, com Ivo Oliveira ainda resguardado e Francisco a já ter tentado ganhar a volta, mas sem sucesso. No segundo sprint, os portugueses voltaram a não ficar nos pontos, mas Ivo Oliveira estava já atento às movimentações na dianteira do pelotão. O austríaco Daniel Auer foi o primeiro a conquistar uma volta ao pelotão. Ivo Oliveira e o norueguês Robin Skivild foram os seguintes a acelerar em busca da volta, com o pelotão passivo a não esboçar reação imediata. Ivo Oliveira venceu o terceiro sprint e fez a dobragem logo de seguida, garantindo praticamente o apuramento. A corrida partiu um pouco com o ataque do francês Thomas Boudat que lhe garantiu o quarto sprint e depois a volta. As 20 voltas finais foram muito agitadas, com Francisco Marques a vencer o último sprint e a garantir 10 pontos, que lhe deram o desejado apuramento.

A segunda manga contou com João Matias (Tavfer – Mortágua – Ovos Matinados), Cesar Martingil (Portugal), Rodrigo Caixas (LA Alumínios), Duarte Mixão (GDM – Alenquer) e André Silva (Almodovar – Delta Cafés). O primeiro sprint foi ganho pelo estadunidense Colby Lange de forma bastante autoritária. O britânico William Roberts levou a melhor no segundo sprint, numa fase em que a corrida se partia com diversas acelerações. Rodrigo Caixas e Cesar Martingil tentaram disputar o terceiro sprint, com Caixas a conquistar 1 pontinho. Martingil tentou atacar logo de seguida, com João Matias a sair pouco depois na roda do Campeão Francês, que tentou responder ao ataque, mas o elevado ritmo acabou por fazer o pelotão partir de novo. Um quinteto formou-se na dianteira no início da segunda metade da corrida, com João Matias incluído, e a dobragem acabou por acontecer, com João Matias incluído a conquistar 20 pontos! Um segundo grupo com Cesar Martingil tentava ainda efetuar a dobragem, com o português a conseguir os 5 pontos do quinto sprint. O pelotão alcançaria o grupo pouco depois e manteria o ritmo alto para o sprint final. André Silva e Cesar Martingil ainda alcançaram quatro e dois pontos no sprint final, não conseguindo assim garantir o apuramento.

Na terceira manga, contamos com a presença de Diogo Narciso, Rui Oliveira e Daniel Dias, e foi desde logo Diogo Narciso quem atacou logo no início das 60 voltas, em busca de garantir bem cedo os 20 pontos de avanço, mas acabou por ser alcançado ainda antes do primeiro sprint. O ritmo aumentou depois do segundo sprint, com um ataque a acontecer e Rui Oliveira a lançar se na perseguição em busca da volta de avanço com um ritmo fortíssimo! O pelotão abrandou a perseguição, mas não permitiu de imediato que o português completasse a volta com o neerlandês Yoeri Havik e o britânico Kyle Gordon, com o português a vencer o terceiro sprint. O quarto sprint contou ainda com o trio na frente, sendo Kyle Gordon a passar na frente desta vez, com a volta ainda não completada. O pelotão abrandou uma vez mais, e o quinto sprint ter sido ganho por Yoeri Havik, mas o trio abrandou, parecendo não querer despender mais energias em busca da volta. Yoeri Havik deixou se ficar, sabendo que teria o apuramento garantido, com Kyle Gordon a vencer o sprint final e Rui Oliveira a ser segundo, garantido também o apuramento!

Pódio do Omnium Feminino com Pfeiffer Georgi – Anita Stenberg – Marie Le Net (da esquerda para a direita)

Omnium Elite Feminino

Scratch

O Scratch Feminino começou com um ritmo tranquilo, sem qualquer presença portuguesa após a deteção de um erro na tabela classificativa que ditou a eliminação de Beatriz Roxo na qualificação matinal. Não houve interesse do pelotão em esboçar qualquer ataque, com o pelotão a guardar as suas forças para a fase final do Scratch. Foi a 6 voltas do final que surgiu o primeiro ataque da neerlandesa Daniek Hengeveld, mas a marcação pronta das britânicas impediu o sucesso da movimentação. O pelotão seguiu agrupado para as duas voltas finais, com um sprint massivo a aproximar se, e a ver a norueguesa Anita Stenberg a vencer de forma confortável, com a ser segunda e Pfeiffer Georgi a ser terceira.

Tempo Race

A Tempo Race começou com um ritmo bastante elevado, alongando de imediato o pelotão e vendo Anita Stenberg a conquistar o ponto inaugural. Lonneke Uneken venceu quatro sprints consecutivos, do quinto ao oitavo, marcando quatro importantes pontos, mas foi lofo de seguida a francesa Jade Labastugue a replicar a iniciativa, mas a conquistar cinco sprints consecutivos antes de ser absorvida pelo pelotão. Seguiram se vários sprints sendo ganhos por ciclistas distintas, com Uneken, Labastugue e Stenberg a colocarem se na disputa pela vitória.

Eliminação

A tarde abriu com a corrida de eliminação feminina, que começou com a surpreendente perda da francesa Jade Labastugue, ela que já havia terminado bastante mal a parte matinal. Daniek Hengeveld foi a quarta eliminada, de forma também algo surpreendente. Tania Calvo foi a primeira a cair do top5 da classificação geral, quando a líder do Omnium, Anita Stenberg, seguia na parte de trás, eliminando várias das adversárias progressivamente. Lonneke Uneken acabaria por fechar na nona posição, após uma prova quase sempre com uma excelente colocação. As três primeiras da geral chegaram à disputa pelos três primeiros lugares, e acabou por ser Stenberg a primeira eliminada, mantendo-se ainda assim na primeira posição do Omnium. A vitória sorriu com facilidade a Georgi, com Le Net a ser segunda.

Corrida por Pontos

A corrida por pontos encerrou a jornada vespertina, com um ataque a acontecer logo no tiro de partida, com a austríaca Ekaterina Schweinberger a ter se lançado em busca dos 20 pontos e a vencer o primeiro sprint numa fase em que já estava em quebra, esperando pelo pelotão. Anita Stenberg era segunda e conquistava três importantes pontos. No segundo sprint, Stenberg conquistava dois pontos e Le Net um, com o top3 a distanciar-se cada vez mais na luta pela vitória final. Lonneke Uneken e Tania Calvo tentaram alcançar a volta de avanço, mas Stenberg voltou a ir buscar mais um pontinho e a aumentar a sua vantagem. Ao trio na dianteira juntavam-se mais duas ciclistas, que já estavam um pouco longe na geral. O pelotão não conseguia fechar o espaço, mas também não deixava as ciclistas darem a volta de avanço, com Uneken a vencer o quinto sprint. A junção viria a acontecer depois de muito esforço, com Uneken a colocar-se na segunda posição com 111 pontos e Tania Calvo a colocar-se em quinta com 100 pontos a par de Sophie Lewis.

Stenberg venceu o quinto sprint, com Le Net a ser segunda e Georgi terceira, numa luta pelo pódio que ficava cada vez mais apertada! Pfeiffer Georgi venceu o sexto sprint, lançando-se num ataque em busca da volta, mas sem sucesso! Os ataques sucederam-se, com Marie Le Net a tentar também atacar o pelotão e alcançar a volta de avanço, mas também não conseguiu! Georgi venceu também o penúltimo sprint e colocou-se a apenas seis pontos de Stenberg, quando Le Net tentava atacar uma vez mais! Uneken reagiu para não perder a posição de pódio, mas a vantagem era demasiado grande! Le Net venceu o sprint final, garantiu a terceira posição, com Stenberg a ser quarta e a vencer o Omnium com 130 pontos!

Pódio do Omnium Junior com Justus Willemsen – Zak Erzen – Urko Vidal (da esquerda para a direita)

Omnium Junior Masculino

Scratch

A corrida começou também de forma calma, mas os ataques abriram logo após as primeiras cinco voltas com o espanhol Siro Pallares a ser o primeiro a tentar mexer na corrida, mas a ser marcado de imediato, conseguindo ainda assim esticar o pelotão. Foi o seu compatriota Yago Aguirre que atacou de seguida e viu o pelotão não ter capacidade para lhe responder, conquistando rapidamente uma volta de avanço! Pedro Pinto tentou sair no encalce do espanhol e fazer a perseguição, mas não conseguiu chegar ao espanhol que pouco depois já havia dado a volta e foi absorvido. A volta não foi, ainda assim, fácil, já que o pelotão havia acelerado quando o espanhol estava perto de fechar.

Outros ciclistas foram tentando sair, mas o pelotão impediu-os de ganharem a volta e voltou a reagrupar-se, acalmando de novo o ritmo para o sprint final. O Campeão Neerlandês, Justus Willemsen acabou por levar a melhor e concluiu na segunda posição, com Aguirre a conquistar a vitória com a volta de avanço obtida. João Martins foi o melhor português na 7ª posição.

Tempo Race

A Tempo Race masculina nos juniores viu também um começo rápido com Justus Willemsen a conquistar o ponto inaugural, com o espanhol Alejandro Merenciano a responder de seguida e a isolar-se, somando, imagine-se(!), 12 pontos consecutivos! Miguel Baptista (Bairrada) tentou responder, quando já 6 pontos estavam conquistados, mas apenas serviu para despoletar o ritmo, com Alvaro Navas a acelerar e de que maneira, dando um murro na mesa para conquistar o 14º sprint, e também o 15º e o 16º. Os espanhois continuaram na dianteira, com Jose Segura a conquistar dois pontos seguidos. Willemsen tentou responder e conquistou três pontos seguidos para se colocar com quatro e o esloveno Zak Erzen conquistou os últimos quatro, para assegurar a segunda posição no final da prova.

Eliminação

Na segunda corrida da tarde, foram Pedro Pinto e Rui Carneiro da equipa de Roriz a passarem menos bem e a serem os dois primeiros eliminados. Seguiu-se a eliminação de Gabriel Baptista, quando seguia um ciclista escapado, com 30m de vantagem sobre o pelotão. Miguel Baptista foi eliminado pouco depois, com o fugitivo a ser alcançado na volta seguinte. Siro Pallares acabou por ser o primeiro candidato eliminado, ainda sem que estivessem nos últimos 10. Com 11 ciclistas em pista, o vencedor do Scratch estava já eliminados, e foi o líder da geral, Justus Willemsen a ficar surpreendentemente na décima posição. Quem se destacava era o português João Martins, que eliminava constantemente adversários, fechando numa excelente sexta posição! O vencedor da tempo race, Alejandro Merenciano ficou na terceira posição, com a vitória a sorrir ao esloveno Zak Erzen.

Corrida por Pontos

Zak Erzen chegou à corrida por pontos dos juniores com uma grande vantagem, e podia esperar ser muito atacado na luta pela vitória final. Mathieu Dupe venceu o primeiro sprint com Gabriel Baptista a conquistar 1 ponto na quarta posição. O ritmo começou a aumentar depois do primeiro sprint e era Justus Willemsen quem tentava dar a volta, com Erzen a marcar o Campeão Neerlandês. O esloveno venceu o segundo sprint e colocou-se com 17 pontos de vantagem para os adversários. Aaron Merenciano conquistou uma volta de avanço e colocou-se na luta pelas posições de pódio. Francisco Silvestre venceu o terceiro sprint com João Martins na segunda posição. Justus Willemsen voltou a tentar sair, mas com Erzen na sua roda não consegui e foi o espanhol Jose Segura a atacar e a conseguir vencer o quarto sprint. Erzen foi quarto e garantiu mais um ponto.

Uma queda deu-se logo na entrada da segunda metade, com Gabriel Baptista e Aaron Merenciano a irem ao chão. O português acabou por precisar de assistência da equipa médica e acabou por não regressar à pista. Urko Vidal atacou na companhia de dois compatriotas e venceu o quinto sprint, reentrando na luta pelo pódio para depois ganhar 20 pontos da volta de avanço e subir à segunda posição, a apenas três pontos de Erzen, que para se defender era segundo no sexto sprint e aumentava a vantagem para seis pontos, com Willemsen a ser primeiro e a colocar-se na terceira posição, superando Alvaro Navas. Jose Segura tentava dar a volta com João Martins que vencia o penúltimo sprint e abdicava da movimentação, com Segura a não desistir em busca da volta. Erzen comandava para que Segura não pudesse fechar, mas o espanhol não desistia. Alcançado a duas voltas do fim, o sprint final acabou pro dar dez pontos a Willemsen, que garantia a segunda posição final, a apenas cinco pontos de Erzen que não conseguia pontuar. Vidal era terceiro a seis pontos.

Omnium Elite Masculino

Scratch

Tal como nas restantes categorias, a prova de Scratch também começou com um ritmo lento, com o pelotão a marcar-se demasiado numa fase inicial em busca de perceber quais as intenções dos principais candidatos. Ivo Oliveira tentou atacar com Yoeri Havik a 15 voltas do final, mas foi rapidamente marcado, pelo que não conseguiu ganhar vantagem em busca do triunfo. A 10 voltas do final, Thomas Boudat ganhou vantagem com o neerlandês Philip Heijnen e o pelotão foi obrigado a perseguir com os gémeos em evidência. Havik e Matias Malmberg ganharam alguma vantagem a 5 voltas do fim, mas a junção do pelotão veio a acontecer a 2 voltas do final, com um sprint massivo a ser o destino da corrida. O britânico William Roberts acabou por levar a melhor, com Ivo Oliveira a ser o melhor português na quarta posição e Rui Oliveira a ser sexto.

Tempo Race

A Tempo Race masculina começou também com um ritmo forte, ainda antes de começarem os sprints pontuados. Kyle Gordon venceu o primeiro ponto, mas o pelotão seguia muito alongado e foi apenas Louis Pijourlet que conseguiu abrir espaço e conquistar seis pontos consecutivos. Ivo Oliveira tentou perseguir, mas não havia grande entendimento no pelotão. Yoeri Havik foi quem quebrou a tendência, antes de Oliver Wood conquistar o sprint seguinte. Ivo Oliveira foi o primeiro português a pontuar, ao 13º sprint, e o gémeo Rui não quis ficar atrás, conquistando os dois pontos seguintes com uma forte aceleração. João Matias conquistou o ponto seguinte, mas uma queda sucedeu, com Rui Oliveira a ir ao chão e a demorar a recompor-se. Um trio com Philip Heijnen, William Perrett e Valerie Thiebaud acabou por conquistar vários sprints e deu uma volta ao pelotão para se colocar na frente da prova. Thomas Boudat, Matias Malmberg, Oliver Wood e Robin Skivild conquistaram os sprints finais, com Ivo e Rui Oliveira a ficarem ambos com dois pontos, na sexta posição da prova. João Matias venceria o sprint no pelotão, levando a melhor na disputa entre os ciclistas com apenas um ponto.

Eliminação

A eliminação masculina começou com uma surpresa e o Campeão Francês, Louis Pijourlet, a ser o segundo eliminado. Seguiu-se a ele nova surpresa com Kyle Gordon a não resistir. De forma prematura, William Perrett foi o quinto eliminado e a disputa pelo Omnium ganhou uma outra emoção! Thomas Boudat mostrou não estar ainda em forma e não foi além da 13ª posição. Colby Lange foi quem se seguiu, com os portugueses a lutarem para não serem eliminados, resultando na eliminação de Yoeri Havik na 11ª posição. O trio dos gémeos e de Matias entrou nos oito melhores, mas foi Matias a ficar na oitava posição. Os gémeos cegariam aos seis melhores, com Oliver Wood a rebentar e a obrigar Rui Oliveira, que seguia na sua roda, a gastar mais forças para voltar a apanhar o grupo. Matias Malmberg fecharia em quinto, e os gémeos entrariam na luta pela vitória. Ivo Oliveira deixar-se-ia ficar com o ataque do irmão Rui, que sem resposta de mais ninguém conquistaria a vitória nesta corrida de eliminação. Com o terceiro posto, Ivo Oliveira subia à liderança da classificação geral.

Corrida por Pontos

A última corrida da noite prometia para as cores portuguesas, mas acabou por ser um final amargo para os ciclistas nacionais. Ivo Oliveira entrava na liderança, com Rui Oliveira a apenas dois pontos e Matias Malmberg a seis pontos. William Roberts venceu o primeiro sprint, e os ataques começaram também a suceder. Rui e Ivo Oliveira iam marcando os principais adversários. Ivo Oliveira era segundo no terceiro sprint e ficava com cinco pontos de vantagem para o irmão. Vários eram os ciclistas que iam buscando alguns pontos e que se aproximavam da dianteira com a disputa a ficar cada vez mais apertada, ainda que nenhum ciclista conseguisse dar a volta de avanço. No quinto sprint, Rui Oliveira era segundo e ficava de novo a dois pontos da liderança, com Philip Heijnen já a apenas dois pontos do terceiro lugar.

A corrida partiu no início da segunda metade, com os portugueses divididos em vários grupos e Yoeri Havik a tentar dar a volta de avanço com quatro sprints pela frente. Malmberg fazia três pontos, ficando mais próximo dos primeiros com Rui Oliveira a ser quarto e a ficar a apenas um ponto do irmão. Valerie Thiebaud e João Matias ganhavam alguma vantagem e procuravam ganhar a volta, com Pijourlet, Yanne Dorenbos e Kyle Gordon a juntarem-se e a lutarem pela conquista da volta de avanço ao pelotão. Thomas Boudat acabaria por atacar e rapidamente chegar ao quinteto, ajudando a lutar pela volta de avanço. A dobragem aconteceu com pouco mais de cinco voltas para o fim, com Matias a chegar aos 91 pontos! Oliver Wood foi o vencedor do último sprint, com Malmberg a fechar na segunda posição e Ivo Oliveira a não conseguir pontuar. Deu-se uma igualdade pontual, com o dinamarquês a ter vantagem pela melhor posição no sprint final e Ivo a ser segundo. Rui Oliveira fecharia em terceiro, a apenas um ponto da vitória e Matias em quarto a seis pontos.

Pódio 500m com Ekaterina Gnidenko – Serafima Grishina – Laurine van Riessen (da esquerda para a direita)

500m Feminino

Entre as duas primeiras corridas do Omnium disputou-se a prova de 500m para as senhoras, com a russa Ekaterina Gnidenko a ser a segunda a partir e a marcar um tempo de 35.677s, que a colocou na primeira posição! Só a neerlandesa Laurine van Rissen se aproximou numa fase inicial, com 35.824s, mas a sua compatriota Serafima Grishina acabaria por batê-la, com a marca de 35.534s.

Pódio do Km Masculino com Alejandro Martinez – Jose Moreno – Dmitry Nesterov (da esquerda para a direita)

1Km Masculino

A prova masculina do Km seguiu-se à Eliminação do Omnium, com o britânico Steffan Lloyd a marcar o primeiro tempo de referência em 1:03:422. O britânico seria batido pelo espanhol Jose Moreno, com 1:02:954, com muitos dos adversários a não conseguirem baixar sequer dos 1:06. O russo Dmitry Nesterov colocou-se na segunda posição, com 1:03:272 e faltavam apenas 3 ciclistas na luta pela vitória. O olímpico Jens Spies fechava na quarta posição, com 1:04:544, mas rapidamente era ultrapassado pelo espanhol Ekain Jimenez, com 1:04:262. Foi por muito pouco, por apenas 1 milésimo de segundo que tudo se decidiu, com Alejandro Martinez a ser o segundo classificado com 1:02:955!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock