Superman aparece no Gamoniteiru e vence etapa rainha da Vuelta!

O colombiano Miguel Angel Lopez (Movistar) venceu a décima oitava etapa da La Vuelta, a rainha desta edição, uma ligação de 162.6km entre Salas e o Alto d’El Gamoniteiru, com um ataque a 3km da chegada! O segundo lugar foi para o esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma) a 14s e o terceiro para o espanhol Enric Mas (Movistar), a 20s.

A jornada rainha da La Vuelta a España prometia emoção e espetáculo, com alguns acertos à classificação geral a serem esperados. O dia começou com vários ataques, na tentativa de se formar a fuga do dia, e vários ciclistas acabaram por conseguir escapar ao pelotão, em momentos distintos, para compor assim uma fuga de 32 elementos!

Num primeiro momento, James Piccoli (Israel Start-Up Nation), Pelayo Sanchez (Burgos – BH), Harm Vanhoucke (Lotto Soudal) e Bert-Jan Lindeman (Qhubeka NextHash) foram os primeiros a escapar, mas rapidamente receberam companhia de 28 outros vindos do pelotão. Koen Bouwman (Jumbo – Visma), Mikael Cherel e Stan Dewulf (AG2R Citroen Team), Floris de Ties e Edward Planckaert (Alpecin – Fenix), Gorka Izagirre (Astana – Premier Tech), Patrick Gamper (Bora – Hansgrohe), Carlos Canal e Ander Okamika (Burgos – BH), Aritz Baguez (Caja Rural – Seguros RGA), Jose Herrada (Cofidis), Mauri Vansevenant (Deceuninck – Quick Step), Jens Keukeleire (EF Education – Nippo), Gotzon Martin e Luis Angel Mate (Euskaltel – Euskadi), Olivier le Gac (Groupama – FDJ), Salvatore Puccio (Ineos Grenadiers), Rein Taaramae (Intermarche – Wanty – Gobert), Steff Cras (Lotto Soudal), Imanol Erviti (Movistar), Damien Howson e Nick Schultz (Team BikeExchange), Thymen Arensman e Michael Storer (Team DSM), Fabio Aru (Qhubeka NextHash), Gianluca Brambilla e Antonio Nibali (Trek – Segafredo) e Rafal Majka (UAE Team Emirates) foram os restantes aventureiros, e sem a Jumbo interessada em perseguir, a fuga poderia mesmo vingar.

A corrida teria duas batalhas distintas, com a fuga a lutar pela classificação da montanha e mais atrás a jogar-se a geral, com a Bahrain Victorious a assumir o controlo do pelotão. Majka e Storer eram certamente quem se iria jogar pela montanha, já que estavam ainda nos 5 primeiros e separados por apenas 5pts. No pelotão, e sem ninguém na fuga, era a Bahrain que tentava controlar para levar Jack Haig ainda a um top3 final na classificação geral.

O pelotão na fase inicial da etapa.

O ritmo da Bahrain não era muito alto na fase inicial, para não queimar desde logo várias unidades, e a diferença chegou aos 5min logo na primeira contagem de montanha do dia, a primeira categoria do Puertu de San Llaurienzu, ainda com apenas 44km percorridos.

Um pouco antes de metade da subida de quase 10km, Piccoli atacou, mas nunca ganhou mais do que 10s para os principais adversários da fuga e foi alcançado já perto do topo, com a Team DSM a levar Michael Storer para passar na frente e o neerlandês Thymen Arensman na segunda posição, para defender a classificação dos trepadores. Rafal Majka foi terceiro, mas o polaco não gastou muitas forças em busca de pontos, já que o que queria mesmo era vencer a etapa. No pelotão, Mark Padun (Bahrain Victorious) impunha um ritmo que deixava já vários ciclistas em dificuldades, mas não o suficiente para eliminar Jan Tratnik ou Yukiya Arashiro, que iriam ser necessários após a subida. A diferença entre fuga e pelotão estabelecia-se nos 5:00.

Foi o japonês da Bahrain, Arashiro, quem assumiu a descida e a fase plana no vale antes do começo da segunda subida do dia, com a vantagem a cair abaixo dos 4:00 pela primeira vez em algum tempo. Keukeleire venceu o sprint intermédio à entrada da subida para o Altu de la Cobertoria, e o ritmo acelerou logo nas primeiras rampas, com a fuga a partir-se e a selecionarem-se os elementos escapados. No pelotão, Mark Padun voltava a assumir o comando, com um ritmo alto o suficiente para que Jan Tratnik não passasse por dificuldades, mas para eliminar mais alguns elementos do pelotão.

A menos de 2km do topo da Cobertoria, já com cerca de 70km para o final, Storer atacou, sem resposta dos adversários e isolou-se subida fora, ganhando progressivamente vantagem para o grupo perseguidor e para o pelotão. Pelayo Sanchez ainda o tentou seguir, mas não teve pernas, e já em descida acabaria por ser absorvido pelo grupo perseguidor. O grupo cruzaria o alto a 30s, com o pelotão já a 4:30, mas a vantagem do australiano aumentaria, já que foi dos poucos a arriscar numa descida com a estrada um pouco molhada e com algum nevoeiro, e entrou no vale para as duas subidas finais com o grupo intermédio já a 2:00, e o pelotão a 5:30.

Com o terreno plano, as locomotivas foram chamadas ao pelotão, Jan Tratnik assumiu o comando em trabalho para a Bahrain Victorious e a Movistar colocou Nelson Oliveira a ajudar. Escusado será dizer que o pelotão começou a voar e a reduzir terreno, e ainda mais se dissermos que alguns elementos da fuga foram alcançados, e Imanol Erviti juntou-se também ao trabalho. Em 25km a diferença caía em mais de 3:00, tal era o ritmo das locomotivas, e a chance dos principais favoritos discutirem a etapa voltava a aparecer no horizonte.

Rapidamente se voltava a chegar a uma nova subida, com o Altu la Segá o del Cordal, a única segunda categoria do dia a aparecer aos ciclistas, com o pelotão a alcançar os escapados logo nas primeiras rampas. Apesar disso, alguns homens ainda tentaram manter-se na frente, com Fabio Aru a acelerar e a levar Thymen Arensman na sua roda numa primeira fase e Gianluca Brambilla a fazer a ponte com maior dificuldade. Na cauda do pelotão, Nelson Oliveira e Imanol Erviti perdiam já terreno após um grandíssimo trabalho durante quase 30km!

Na subida, a UAE assumia a dianteira, alcançando Aru e companhia, com Rui Oliveira ainda disponível na frente do pelotão para ajudar David de la Cruz, em mais uma grande exibição do sprinter português! Rafal Majka era quem colocava o ritmo, apesar de ter feito parte da fuga do dia. Majka não conseguiu durar a subida toda, e acabou por convidar a Bahrain a assumir o ritmo de novo, com a equipa de Jack Haig a fazê-lo, ainda que com pouca vontade. A Euskaltel – Euskadi acelerou com Mikel Bizkarra, e Romain Bardet rapidamente seguiu o espanhol, na tentativa de ainda obter alguns pontos de montanha, e amortizar a vantagem que o seu colega de equipa havia conseguido ao longo do dia.

Storer voltou a passar na frente da contagem, e uma técnica descida começou, com o pelotão a ser agora comandado pela Ineos Grendiers. Bardet seguia em posição intermédia, mas era alcançado já no início da subida para o Gamoniteiru.

A mais difícil e mais esperada subida desta La Vuelta começava com Jose Joaquin Rojas ao comando, colocando um ritmo forte, mas que era tranquilo para uma boa parte do pelotão, com a Bahrain logo atrás do espanhol, pronta para acelerar a qualquer momento. Storer tinha 2:20 de vantagem e ainda tinha a vitória de etapa no horizonte, que a acontecer seria a sua terceira nesta edição da corrida.

Rojas concluiu o seu trabalho com o pelotão a 13km da chegada e a Bahrain assumiu o trabalho com Damiano Caruso a colocar um ritmo mais forte. A AG2R rapidamente atacou a corrida, com Geoffrey Bouchard a tentar agitar o pelotão. O ritmo de Caruso não permitiu que Bouchard ganhasse muita vantagem, com o francês a seguir cerca de 30m à frente do pelotão. Bouchard manteve-se durante um largo tempo assim, e foi já com cerca de 11km para a meta que David de la Cruz (UAE Team Emirates) atacou, para rapidamente chegara ao ciclista francês, com Caruso a manter os dois ciclistas bem no horizonte.

Rapidamente David de la Cruz se libertou de Bouchard e foi retirando tempo a Storer, enquanto o pelotão parecia não querer subir muito mais depressa do que o estava a fazer. O australiano acreditava cada vez mais na vitória, mas no espaço de 1km, David de la Cruz tinha lhe retirado 30s, o que deixava antever que os restantes candidatos também o poderiam fazer.

De la Cruz aproximava-se bastante de Storer, mas com 9.5km para o fim, no pelotão, o italiano aumentava claramente o ritmo, metia uma mudança a mais e alcançava o ainda intermédio Bouchard. A 9km, de la Cruz estava já a 1:10 de Storer. Em dificuldades na cauda do pelotão ficava o 9º da geral, o austríaco Felix Grossschartner (Bora – Hansgrohe), que agora teria de limitar as perdas para se manter entre os 10 melhores da classificação geral.

Storer parecia começar a quebrar já nos últimos 8km, tendo de la Cruz a apenas 30s, e o grupo dos favoritos a 1:35, com a Intermarche – Wanty – Gobert a acelerar e a colocar Jan Hirt ao trabalho com Louis Mentjes na roda. A mexida tinha o condão de fazer Guillaume Martin (Cofidis) descolar e o próprio Wout Poels (Bahrain Victorious) abria para o lado sem chegar a ser útil a Jack Haig. Damian Caruso também pagava o esforço e descolava, assim como Romain Bardet (Team DSM).

A 7.3km do fim, Storer percebia que de la Cruz iria chegar e poupava as pernas para que o espanhol o alcançasse, na tentativa de ainda poder discutir a vitória de etapa. O ritmo do pelotão era de tal forma elevado, e até os gregários de Primoz Roglic estavam mal colocados, com o grupo a reduzir-se cada vez mais. Bardet parecia em dificuldades, mas ainda se aguentava, num grupo que já só tinha com ele Hirt, Mentjes, Jack Haig e Gino Mader (Bahrain Victorious), Enric Mas e Miguel Angel Lopez (Movistar), Adam Yates e Egan Bernal (Ineos Grenadiers), Primoz Roglic, Sepp Kuss e Seven Kruijswijk (Jumbo – Visma).

O duo na frente da corrida entrava nos últimos 6km com cerca de 35s de vantagem, mas o super ritmo de Hirt estava a colocar a dupla em xeque. A 5.5km do fim, Storer descolava de vez, com De la Cruz a ficar sozinho, e a ter 35s de vantagem para um grupo ainda comandado por Hirt. O ritmo do checo era enorme, mas as suas forças estavam a chegar ao fim. Ainda assim, o checo apanhou Storer e estava a subida mais do que lançada!

Foi já sobre a barreira dos últimos 5km que Egan Bernal voltou a atacar, e uma vez mais Primoz Roglic voltou a seguir na sua roda! Miguel Angel Lopez desta vez não os deixou fugir, e, a ritmo, Enric Mas também encostou com Sepp Kuss. Quem passava por dificuldades era mesmo Jack Haig, com Gino Mader a assumir o ritmo para o australiano e Adam Yates na sua roda, não conseguindo seguir também com Bernal.

Com 4km para o fim, de la Cruz já só tinha 25s de vantagem e Sepp Kuss assumia o grupo com os favoritos, colocando um ritmo que não era muito elevado. Miguel Angel Lopez rapidamente atacou e ganhou uns metros, o que obrigou Kuss a ir no seu encalço, mas o norte-americano não foi ao choque. Lopez abriu espaço e roubava segundos com grande facilidade a de la Cruz, em busca da vitória de etapa.

O ritmo de Kuss era tranquilo e permitiu que o grupo de Haig voltasse a encostar, mas na frente era Miguel Angel Lopez a chegar a de la Cruz e a passar direto pelo espanhol da UAE Emirates. Adam Yates estava mesmo em dificuldades e cedia uns metros para o grupo com os principais candidatos.

A pouco mais de 2km para o fim, era Roglic a atacar, com Enric Mas na sua roda e Egan Bernal logo atrás, em mais uma grande movimentação do líder da classificação geral que ainda procurava chegar à vitória de etapa. De la Cruz era alcançado já dentro do km final, mas Gino Mader, a ritmo, voltava a trazer Jack Haig para a frente. Antes que o australiano chegasse, Egan Bernal voltou a atacar e a fazer a diferença cair, com Primoz Roglic a seguir na sua roda e Enric Mas na roda do lider da geral.

Estavámos já a 1.5km do fim, com Lopez a ter 25s de vantagem sobre Mas, Roglic e Bernal, com o espanhol a poder poupar-se, já que não iria perseguir o colega de equipa. Egan Bernal voltava a mexer, com Roglic na sua roda e Mas a apertar o dente para seguir o duo. Miguel Angel Lopez entrava no último km com 23s de vantagem e parecia que a vitória já não ia fugir para o colombiano!

Foi debaixo de nevoeiro que o Superman triunfou e alcançou o seu primeiro grande triunfo pelas cores da Movistar, com Roglic a fechar logo atrás, ganhando ainda segundos a Mas, que foi terceiro, e Bernal, que foi quarto. Jack Haig perderia 58s para Lopez e via as suas hipótese de fechar no pódio da geral cada vez mais longe.

Com o segundo lugar, Primoz Roglic mantém a liderança da geral, com Egan Bernal, quarto no dia de hoje, a ser o melhor jovem. Fábio Jakobsen (Deceuninck – Quick Step) lidera a classificação por pontos e Michael Storer líder a classificação da montanha.

O último km

Classificações Completas

Classificações do Passatempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock