Ruth Winder conquista Brabantse Pijl em photofinish polémico!

A norte-americana Ruth Winder (Trek – Segafredo) venceu a 6ª edição da clássica feminina De Brabantse Pijl, corrida belga de 127.3km com partida em Lennik e chegada em Overijse, batendo ao sprint a holandesa Demi Vollering (Team SD Worx) e a italiana Elisa Balsamo (Valcar – Travel & Service), num photofinish no mínimo polémico, que dividiu as opiniões dos espectadores.

Tal como tem sido habitual, a de Brabantse Pijl começou com um ritmo bastante elevado e diversas ciclistas a tentarem sair do pelotão, mas sem sucesso. A belga Jesse Vandebulcke (Lotto Soudal) foi uma das que esteve adiantada, já depois de quase 30km percorridos, e abriu rapidamente uma vantagem que esteve durante algum tempo entre os 20 e os 25s, mas a Team TIBCO – Silicon Valley Bank não lhe deu margem para continuar escapada e o pelotão alcançou-a com pouco menos de 80km por percorrer.

O Hertstraat, a 60km do final, acabou por fazer as primeiras diferenças, eliminando algumas das ciclistas que estavam desde logo na cauda do pelotão, e ameaçando provocar alguns cortes, mas o pelotão voltou a juntar-se pouco depois numa fase plana. O Moskesstraat logo de seguida acabou por fazer também diferenças, mas serviu basicamente para alongar o pelotão com a Movistar e a Canyon a acelerarem na descida, mas sem sucesso na tentativa de se isolarem.

Na colina seguinte, o Holstheide, foi a SD Worx a assumir a frente com Niamh Fisher Black que rapidamente destruiu meio pelotão e fez a primeira grande selecão de ciclistas com pouco mais de 50km para a chegada. A 42km do final, na subida ao Hagaard, foi a holandesa Sabrina Stultiens (Liv Racing) a atacar com uma grande aceleração que poucas ciclistas conseguiram seguir! Demi Vollering (Team SD Worx), Leah Thomas (Movistar), Lucinda Brand (Trek – Segafredo), Joscelin Lowden (Drops – Le COl s/b Tempur) e Maelle Grossetete (FDJ Nouvelle – Aquitaine Futuroscope) não largaram a roda da ciclista da Liv, e pouco depois Annemiek van Vleuten (Movistar) acabou por fazer a ponta na companhia de Ashleigh Moolman Pasio (Team SD Worx), Emilia Fahlin (FDJ Nouvelle – Aquitaine Futuroscope), Coryn Rivera (Team DSM) e Georgia Williams (Team BikeExchange).

Na passagem pelo Hertstraat, Elisa Balsamo (Valcar – Travel & Service) fez a ponte para a frente com Ruth Winder (Trek – Segafredo), mas nos kms planos seguintes a junção com o pelotão acabou por acontecer a 35km da chegada. A 33km da chegada, em nova ascensão ao Moskesstraat o ritmo de Chantal van den Broek-Blaak (Team SD Worx) era já elevado, mas Elisa Balsamo despoletou um novo ataque na companhia de Leah Thomas enquanto todas tentavam marcar Annemiek van Vleuten. Tayler Wiles (Trek – Segafredo) conseguiu fazer a ponte para o duo na fase plana com Alena Amialiusk (Canyon // SRAM Racing) e Niamh Fisher Black. A vantagem acabou por não durar, com o pelotão a chegar à frente a 30km da chegada.

A 22km do final, na penúltima passagem pela meta, nova aceleração com Elisa Balsamo e Demi Vollering envolvidas, e o pelotão a deixá-las ganhar uma vantagem interessante. Juliette Labous (Team DSM), Ruth Winder, Leah Thomas e Joscelin Lowden eram a companhia do duo que mais tempo passou na ofensiva, e a vantagem cresceu rapidamente para perto dos 30s. Na última passagem pelo Hertstraat, a 16km do final, novas acelerações ocorreram no pelotão, com Janneke Ensing (Team BikeExchange) à cabeça, mas sem que nenhuma ciclistas conseguisse escapar.

A última subida ao Moskesstraat não fez diferenças na frente, enquanto no pelotão o ataque de Emilia Fahlin levou com ela apenas Vleuten, Brand e Pasio. Só a ciclista sueca é que trabalhava, já que todas as outras tinham colegas de equipa na frente, o que não ajudou a que o espaço se fosse fechando. Na frente, era praticamente só Demi Vollering quem trabalhava, com as adversárias a quererem claramente desgastar a ciclista mais forte do grupo. O pelotão coordenou-se para alcançar o quarteto, mas pouco mais que isso, já que nenhuma equipa quis pegar na corrida para chegar à frente. A Tibco que trabalhou todo o dia acabou por falhar a mexida decisiva, e depois disso também não quis perseguir a frente em busca da vitória, ainda com 3 ciclistas da sua equipa no pelotão.

A AR Monex acabou por assumir a perseguição, mas já era tarde e não tinha chance de lutar pela vitória, com a FDJ e a BikeExchange a darem uma ajuda. Na frente, Demi Vollering assumiu a frente do grupo na colina final, e foi Lowden quem tentou atacar já nos últimos 500m, mas Vollering e Balsamo agarraram-se muito bem à roda da britânica. Balsamo acabou por ficar na frente com Lowden a abrir, e a italiana não conseguiu sprintar, com a decisão a ficar entre Winder e Vollering. Winder ganhou vantagem, mas Vollering saiu da roda de Balsamo, ganhou velocidade e parecia ter ganho, num photofinish que saberíamos que seria apertado com Winder. Porém, depois de uma primeira análise dar Vollering como vencedora, e as imagens parecerem comprovar isso mesmo, o photofinish mostrou uma vitória de Winder por 4 milésimos de segundo, algo que gerou dúvida em todos os espectadores, mas foi mesmo a campeã norte-americana que foi dada como vencedora. No sprint do pelotão, Pasio passou na frente e fechou na 7ª posição.

Tata Martins (Drops – Le Col s/b Tempur) não terminou a corrida.

O photofinish polémico

Classificações

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock