Padun faz a dobradinha na consagração de Porte!

O ucraniano Mark Padun (Bahrain Victorious) conquistou a oitava e última etapa do Criterium du Dauphiné, uma ligação de 147km entre La Lechere-les-Bains e Les Gets, após mais uma escapada de sucesso, que lhe valeu a segunda vitória na prova e logo em dias consecutivos! O segundo lugar foi para o dinamarquês Jonas Vingegaard (Jumbo – Visma), e o terceiro para o austríaco Patrick Konrad (Bora – Hansgrohe), ambos a 1:36 do vencedor.

A última jornada do Critérium du Dauphiné prometia uma aguerrida batalha na luta pela conquista da classificação geral em mais um dia montanhoso, e assim foi! A manhã começou logo com uma curta subida de quarta categoria, e os ataques começaram logo a surgir, assim como as quedas na descida, que originaram um corte no pelotão e assim a fuga do dia. Valentin Madouas (Groupama – FDJ), Guillaume Martin (Cofidis), Jonas Vingegaard (Jumbo – Visma), Jorge Arcas e Imanol Erviti (Movistar), Patrick Konrad e Nils Politt (Bora – Hansgrohe), Dorian Godon (AG2R Citroen Team), Warren Barguil (Arkea – Samsic), Harry Sweeny (Lotto Soudal), Mark Padun (Bahrain Victorious), Julien Bernard e Kenny Elissonde (Trek – Segafredo), Pierre Rolland e Franck Bonnamour (B&B Hotels p/b KTM) e Sander Armee (Qhubeka Assos) foram os ciclistas que ganharam vantagem ao pelotão, e na sua perseguição seguia um quarteto com Michael Valgren (ED Education – Nippo), Martijn Tusveld (Team DSM), Jan Bakelants (Intermarche – Wanty – Gobert) e Quentin Pacher (B(B Hotels p/b KTM), a 40s de diferença.

Mark Padun passou na frente na primeira contagem de segunda categoria do dia, numa altura em que Fabio Jakobsen (Deceuninck – Quick Step) abandonava a corrida. Valgren, Tusveld e Bakelants fizeram a junção ao grupo da frente com 99km para a meta, numa fase em eu que o pelotão rolava já a mais de 5min. Padun somou mais pontos na segunda categoria do Col des Aravis e preparava-se para ameaçar seriamente a conquista da classificação dos trepadores.

A passagem pelo Col de la Colombiere, a única primeira categoria da jornada, fez também as suas diferenças e a vantagem da escapada caiu para abaixo dos 4min. Padun voltou a passar na frente na subida a la Colombiere e virtualmente subiu à liderança da classificação da montanha. O pelotão cruzou o topo já a menos de 3min, mas também cada vez mais curtinho.

A 50km da chegada foi o camisola amarela, o australiano Richie Porte (Ineos Grenadiers), a sofrer um problema mecânico, mas uma rápida troca de bicicleta e o auxílio de Andrey Amador e Carlos Rodriguez levaram-no rapidamente de volta até ao pelotão. Com Amador no controlo da corrida a voltar a dar 3min à fuga, a entrada na única contagem de categoria especial do dia, o Col de Joux Plane, onde rapidamente se começou a decidir a jornada.

Padun isolou-se com Martin e Konrad, mas rapidamente se desfez da companhia, e cavalgou subida acima, ganhando constantemente tempo aos colegas de fuga, sem perder vantagem para o pelotão e os favoritos da classificação geral. No pelotão, era a Movistar quem assumia o comando, anulando as iniciativas de Nairo Quintana (Arkea – Samsic), que rapidamente perdeu terreno após ser alcançando, e de Steven Kruijswijk (Jumbo – Visma), a quem aconteceu o mesmo.

A 17km da chegada, com a Movistar já perto dos seus limites, foi Miguel Angel Lopez (Movistar) que lançou o seu ataque, mas a Ineos não deu espaço com Tao Geoghegan Hart a assumir o controlo do grupo e a eliminar Alejandro Valverde (Movistar) e Aurelien Paret-Peintre (AG2R Citroen Team). Já perto do topo da contagem foi Jack Haig (Bahrain Victorious) a mexer, mas Geraint Thomas (Ineos Grenadiers) assumiu o grupo e rapidamente fechou o espaço, com Tao Hart e Enric Mas (Movistar) a descolarem e tirarem bilhete sem regresso. Padun cruzou a contagem na frente, com os mais diretos perseguidores da fuga, Vingegaard e Konrad, já a mais de 1:30.

Na descida, a Astana – Premier Tech voltou a atacar com Ion Izagirre a imprimir uma forte e técnica aceleração, que ainda provocou um susto para Richie Porte que ainda chegou a descolar e perder alguns metros. Geraint Thomas tentou seguir a equipa cazaque e ainda foi ao chão, sem gravidade, e só com o grande auxílio de Ben O’Connor (AG2R Citroen Team) é que Porte voltou a conseguir juntar, ainda na descida. Padun controlou e desceu com calma, preparando-se para conquistar nova vitória.

Na subida a Les Gets, Izagirre voltou a atacar, mas foi sempre controlado por Richie Porte, com o segundo à geral, Alexey Lutsenko (Astana – Premier Tech) sempre na sua roda. Jack Haig também tentou sair de novo, mas sem sucesso, e foi Ben O’Connor o único a conseguir atacar e ganhar algum espaço. Geraint Thomas veio de trás com o pé no acelerador e conseguiu reentrar no grupo a 2.6km da chegada, para proteger Richie Porte até ao risco de meta. Mais ninguém conseguiu sair do grupo comandado pelo britânico, que ainda cruzou a meta na quinta posição, e Porte salvou assim a jornada para conquistar a classificação geral deste Criterium du Dauphiné!

Com a vitória de etapa, Padun assegurou também a vitória na classificação da montanha, enquanto Porte segurou muito bem a camisola amarela. Sonny Colbrelli (Bahrain Victorious) venceu a classificação por pontos e David Gaudu (Groupama – FDJ) foi o melhor jovem desta edição da corrida.

O Pódio Final

Pódio Final do Dauphiné com Alexey Lutsenko – Richie Porte – Geraint Thomas (da esquerda para a direita)

Classificações Completas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

António Morgado vence Gipuzkoa Klasika!

O corredor português António Morgado (Bairrada) venceu no passado domingo a clássica de Gipuzkoa em bicicleta, prova UCI do escalão de juniores, em Urretxu, com outros dois companheiros de equipa também integrados no top 10. António, com 17 anos, vence a 26ª edição da prova, depois Carlos Rodriguez (agora Ineos) e Juan Ayuso (agora UAE), […]

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock