O’Connor leva etapa! João Almeida segue de rosa!

O australiano Ben O’Connor, da NTT Pro Cycling, venceu a 17ª etapa do Giro d’Itália, sendo o mais forte da fuga do dia, com Hermann Pernsteiner (Bahrain-McLaren) a fechar na 2ª posição e Thomas de Gendt (Lotto Soudal) no 3º posto.

Na luta pela geral, não houve grandes ataques, com o grupo de favoritos a chegar todo junto, mantendo-se as diferenças no topo da classificação. João Almeida permanece na liderança, com 17 segundos de vantagem sobre Wilco Kelderman e 2:58 sobre Jai Hindley. Amanhã, o português irá partir para um inacreditável 15º dia com a rosa vestida!

A 17ª etapa da Volta a Itália apresentava 203 km entre Bassano del Grappa e Madonna di Campiglio e 4 contagens de montanha, 3 delas de 1ª categoria, incluindo a última, coincidente com a meta, com 11.9 km a 5.9%.

A fuga do dia demorou a formar-se, com muitos ataques no início da jornada, sem um grupo definido a conseguir isolar-se. Apenas ao fim de mais de 40 km, já na 1ª subida do dia, é que se formou a fuga, com a movimentação de: Mattia Bais (Androni Giocattoli-Sidermec), Óscar Rodríguez (Astana), Hermann Pernsteiner (Bahrain McLaren), Victor de la Parte, Ilnur Zakarin (CCC Team), Jesper Hansen (Cofidis), Kilian Frankiny (Groupama-FDJ), Thomas De Gendt, Harm Vanhoucke (Lotto Soudal), Héctor Carretero, Dario Cataldo, Eduardo Sepúlveda (Movistar), Louis Meintjes, Amanuel Ghebreigzabhier, Ben O’Connor (NTT Pro Cycling), Rohan Dennis (INEOS Grenadiers) and Diego Ulissi (UAE Team Emirates), e o português Ruben Guerreiro (EF Pro Cycling), que podia aproveitar o facto de Giovanni Visconti não estar na fuga para amealhar pontos importantes para a montanha. Destaque para a presença de três bons trepadores da NTT, numa possível demonstração de intenções de Domenico Pozzovivo para a parte final da etapa. Estratégias diferentes das equipas da geral, com Astana, INEOS, e Bahrain a imitarem a NTT e a colocarem gente na fuga, enquanto Sunweb, Deceuninck, e Trek a preferirem manter o bloco coeso. No pelotão, o ritmo não era brando, com o grupo principal reduzido a 30 corredores muito rapidamente. No entanto, pouco depois o ritmo abrandou, com o pelotão a crescer e o avanço da fuga a disparar para os 3:50, com 150 km de percurso pela frente. O frio era bastante intenso, como o mostrava a paisagem, com muita neve pela subida acima.

No cimo da contagem de 1ª categoria, Ruben Guerreiro passou em 1º, garantindo 40 pontos e o regresso à liderança da classificação da montanha. E o português voltaria a fazer o mesmo na contagem de montanha seguinte! Recorde-se que à partida para a etapa Guerreiro possuía 118 pontos, contra os 148 de Visconti.

Com 100 km para o final, a vantagem dos fugitivos rondava os 6 minutos. Essa diferença cresceu nos km seguintes, chegando perto dos 8 minutos, antes de voltar a decrescer, sempre com a Deceuninck no controlo do pelotão. Na frente, atacou Dario Cataldo, tentando jogar com os números da Movistar na fuga e fazendo uso dos seus dotes de contrarrelogista.

A 50 km da meta, Cataldo foi alcançado por um alguns dos companheiros de fuga, com o restante grupo em perseguição. A vantagem sobre o pelotão voltava a subir para os 7:30 e começava a ficar claro que ia ser novo dia para a fuga triunfar. O homem mais bem colocado na frente, em termos de classificação geral, era Pernsteiner, a 9:53 de Almeida, pelo que a Deceuninck dispunha de alguma margem para dar ainda à fuga.

Na abordagem à subida final, os ataques começaram a suceder-se no grupo de fugitivos, no entanto, a 20 km do final e com 6 minutos de avanço sobre o pelotão, um grupo de 14 ciclistas seguia ainda na frente da corrida. Na Madonna di Campiglio, duas equipas levavam mais que um homem na frente: NTT e Lotto. Thomas de Gendt ia trabalhando, aparentemente para Vanhoucke, no entanto, o experiente ciclista acabou por atacar, levando alguns corredores consigo. O avanço estava ainda acima dos 5:30 a 10 km do fim.

No pelotão, Sunweb, INEOS, e Bahrain juntavam-se à Deceuninck na frente do pelotão no início da subida. A equipa holandesa começou mesmo a forçar o ritmo, alongando o pelotão, cada vez mais reduzido.

A 5 km do final, seguia Ben O’Connor isolado na frente, com Herman Pernsteiner na perseguição, com De Gendt e Zakarin um pouco atrás. No pelotão seguiam apenas 11 ciclistas, com o ritmo a ser imposto já por Jai Hindley, com Kelderman na roda, e com João Almeida colado no holandês, ciente da importância de não largar aquela roda nem por um segundo.

Depois, Hindley atacou mesmo, com Masnada a tentar puxar o grupo ao encontro do australiano, e logo a seguir saiu Kelderman, com Almeida a responder de pronto. A Sunweb dava tudo na tentativa de destronar o português! Com o grupo reunido novamente, Almeida fez sinal a Masnada para impor o ritmo, com a consciência que era necessária alguma ordem na casa e um andamento que impedisse ataques dos Sunweb. Grande mostra de atitude e postura de Almeida, agindo com um verdadeiro veterano: forte, atento, calmo, ponderado, líder!

A 2 km do final, O’Connor seguia com 30 segundos de avanço sobre Pernsteiner, e parecia que desta feita o australiano não iria ser batido por um ciclista da Bahrain-McLaren! Grande vitória para o homem da NTT, depois de ontem ter estado em fuga durante mais de 220 km e de ter perdido apenas para Tratnik, consegue voltar a estar fugido e vencer mesmo numa subida de 1ª categoria!

Pernsteiner fechou na 2ª posição 30 segundos depois, com Thomas de Gendt a bater Zakarin no sprint para 3º, a 1:10 da frente.

No pelotão, Masnada ia mantendo o ritmo e as intenções de atacar pareciam já ter saído da cabeças dos adversários de João Almeida. O homem das Caldas da Rainha ia manter a rosa e sentia-se que podia atacar no final, na tentativa de ganhar mais alguns segundos à concorrência. No entanto, os metros finais não justificavam esse tipo de esforço. Majka lançou o sprint, Tao Geoghegan Hart passou para a frente e cruzou a meta na frente dos favoritos, com João Almeida sensivelmente a meio do grupo, na 15ª posição da etapa, a 5:11 de O’Connor.

Na geral, tudo na mesma, com João Almeida com 17 segundos de vantagem sobre Wilco Kelderman. Amanhã o português irá sair para o seu 15º dia de rosa, enfrentando uma etapa de 207 km entre Pinzolo e Laghi di Cancano. Serão 4 contagens de montanha: uma 2ª categoria que põe os ciclistas a subir desde o km 0, seguindo-se uma 1ª categoria e depois uma categoria especial, o mítico Stélvio (24.8 km a 7.4%), terminando numa 1ª categoria, o Torri di Fraele (9 km a 6.8%), cujo topo estará colocado antes de uma descida de 2 km até à meta.

Ruben Guerreiro conseguiu reconquistar a camisola azul, símbolo da liderança dos pontos da montanha, possuindo agora 198 pontos contra os 148 de Visconti. Amanhã será um dia importante para a classificação dos trepadores e os dois concorrentes poderão marcar presença na frente da corrida!

Henrique Silva volta a vencer a etapa e é o novo líder do Passatempo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Nizzolo vence ao sprint o Circuito Getxo!

Depois de em 2020 ter deixado fugir a vitória no Circuito para Damiano Caruso, este ano vingou-se e foi ele, campeão europeu, que venceu! Na curta subida, mas bastante rápida, Nizzolo impões o seu favoritismo para bater Giovanni Aleotti (Bora-hansgrohe) e a Santiago Buitrago (Bahrain Victorious), e conquistar a sua segunda vitória no ano, depois […]

A Volta a Portugal é portuguesa! Tiago Santos é o vencedor da Volta a Portugal de Cadetes!

Tiago Santos (Alcobaça CC/Crédito Agrícola) conquistou a 13.ª edição da Volta a Portugal de Cadetes, impondo-se também na terceira etapa, a mais dura da competição, que ligou Rio Maior a Santarém. A etapa de 85kms,a mais dura da competição, com 4 contagens de montanha, a última coincidente com a meta foi desde cedo movimentada. Ainda […]

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock