Monstro Bernal!

O colombiano Egan Bernal, da Ineos Grenadiers, venceu a 16ª etapa do Giro d’Italia, a sua segunda desta edição, consolidando a sua liderança na classificação geral! O camisola rosa atacou na subida do Passo Giau, a 21 km da meta, e ninguém conseguiu acompanhá-lo, sendo que aqueles que mais perto ficaram foram Romain Bardet (Team DSM) e Damiano Caruso (Bahrain-Victorious), a 28 segundos de Bernal!

João Almeida (Deceuninck Quick-Step) realizou uma jornada extraordinária, integrando a fuga do dia e andando na frente da corrida durante todo a tirada. Na subida ao Passo Giau, a fuga foi alcançada, mas o português manteve-se junto dos melhores do Giro, terminando num espetacular 6º posto da etapa, a 1:21 do vencedor. Na geral, o Canibal das Caldas ascende ao 10º lugar de geral, a 10:01 da rosa.

O outro luso em prova, Nelson Oliveira (Movistar), acabou por ter também uma prestação muito positiva, fechando no 38º posto, a 17:55 do vencedor, seguindo agora na geral no 25º lugar, a 46:57 de Bernal.

A 16ª etapa do Giro d’Italia representava a jornada rainha da prova italiana, no entanto, antes do tiro de partida, as más condições climatéricas obrigaram a organização a eliminar do percurso duas das quatro subidas inicialmente planeadas, o Passo Fedaia e o Passo Pordoi, este último que representava a Cima Coppi deste Giro! Ainda assim, permaneciam no livro de prova as ascensões a La Crosetta e ao Passo Giau, o novo ponto mais alto da edição 2021 da Volta a Itália. O novo percurso incluía agora 153 km entre Sacile e Cortina d’Ampezzo.

A etapa começou debaixo de um clima bastante agreste, com muita chuva e frio, e com escassas imagens televisivas disponíveis. Perante uma etapa mais curta do que o esperado, os ataques começaram desde os primeiros km.

No acesso à subida da La Crosetta, um grande grupo, onde seguia o português João Almeida (Deceuninck Quick-Step), conseguiu isolar-se do pelotão, uma movimentação bem interessante de um grupo de elevadíssima qualidade, senão vejam-se estes nomes que acompanhavam o Canibal das Caldas nesta jornada dantesca: Dan Martin (Israel Start-Up Nation), Davide Formolo e Diego Ulissi (UAE-Team Emirates), Geoffrey Bouchard (AG2R Citroen), Louis Vervaeke (Alpecin-Fenix), Natnael Tesfatsion (Androni-Sidermec), Gorka Izagirre (Astana-PremierTech), Jan Tratnik (Bahrain-Victorious), Matteo Fabbro, Felix Großschartner (Bora-hansgrohe), Marton Dina (EOLO-Kometa), Jan Hirt (Intermarché-Wanty-Gobert), Koen Bouwman (Jumbo-Visma), Harm Vanhoucke (Lotto Soudal), Antonio Pedrero, Einer Rubio, Davide Villella (Movistar), Tanel Kangert (Team BikeExchange), Nicolas Roche (Team DSM), Giovanni Visconti e Samuele Zoccarato (Bardiani) e ainda Vincenzo Nibali, Gianluca Brambilla, Amanuel Ghebreigzabhier (Trek-Segafredo). Eram 17 as equipas representadas na frente, com os dois mais bem posicionados na CG a serem Dan Martin (12º a 7:50) e João Almeida (13º a 8:32)!

João Almeida a liderar a fuga do dia na 16ª etapa do Giro d’Italia

No topo da 1ª categoria da La Crosetta passou em primeiro lugar Geoffey Bouchard, aumentando a sua vantagem na liderança da classificação da montanha.

O grupo de fugitivos conseguiu alcançar um avanço de 3 minutos, já após La Crosetta, quando faltavam 107 km para a meta. Logo depois, dá-se um ataque na frente da fuga, com Almeida, Nibali, Izagirre, Pedrero, Ghebreigzabhier, e Formolo a distanciarem-se da concorrência, conseguindo uma margem superior a 30 segundos.

A 90 km da meta, o grupo de Almeida possuía já 1:30 sobre o primeiro grupo perseguidor e 5:40 sobre o pelotão, com o português a subir cada vez mais lugares na geral virtual do Giro! A Ineos ia controlando o ritmo no pelotão, não querendo arriscar na perseguição, mas teria que o fazer a determinado ponto, perante a aproximação de Almeida no ranking da geral.

Com o grupo de Almeida a chegar aos 6 minutos de avanço sobre o pelotão, a formação britânica meteu mesmo as mãos ao trabalho, aumentando o andamento, o que se refletiu na redução da margem para a frente, embora de forma ligeira. A 75 km da meta, eram 5:50 que separavam o grupo principal da frente da corrida, com o grupo intermédio a 2:30 dos líderes.

Entrava ao serviço uma das principais locomotivas do comboio da Ineos, Filippo Ganna, revezando-se com Salvatore Puccio, numa perseguição mais efetiva, quando estávamos numa fase que os ciclistas se iam aproximando da principal subida do dia, o Passo Giau, promovido a categoria especial no início da tirada. Na frente da corrida, trabalhava bastante Ghebreigzabhier, em prol de Nibali.

À entrada dos 50 km finais, dá-se a junção entre o pelotão e o grupo de perseguidores, com o grupo de Almeida, em boa colaboração, a rodar com pouco mais de 4 minutos de avanço sobre o pelotão.

A 44 km da meta, vinha para a frente do pelotão a EF Education-Nippo, demonstrando as suas intenções para o Passo Giau. O grupo da frente rodava agora com cerca de 4:44 sobre o grupo principal, embora estes números não fossem muito fiáveis, perante as grandes oscilações no relógio deste Giro.

A 36 km da meta, já sem Ghebreigzabhier no grupo da frente, a vantagem dos fugitivos situava-se nos 3:30, com a EF a ainda a controlar o pelotão, através de Tejay Van Garderen e também Alberto Bettiol, o grupo principal seguia cada vez mais curto, com cerca de 30 elementos nesta fase. Quem já tinha descolado era Remco Evenepoel, o que podia significar um dia de quebra abrupta na geral para o homem mais bem colocado da Deceuninck Quick-Step na CG.

O cenário no topo do Passo Giau

À entrada do Passo Giau (9.9 km a 9.3%, máx. 14%), com 27 km para a meta, o grupo de Almeida dispunha apenas de 1:49 sobre o pelotão. Logo no início da ascensão, ataca Pedrero, seguindo isolado montanha acima. Formolo e Nibali tentavam não perder muito terreno, com João Almeida ligeiramente atrasado, a tentar encontrar o ritmo ideal para esta difícil subida.

Depois, era a vez de atacar Davide Formolo, sendo agora Nibali e Pedrero a tentarem gerir a diferença, com Almeida ainda a manter os homens da frente à vista.

No pelotão seguiam apenas Simon Carr, que liderava para Hugh Carthy, e ainda Bernal e Martinez (Ineos), Ciccone (Trek), Bardet (DSM), Caruso (Bahrain), e Yates (BikeExchange), num grupo de elite que rodava a 1:32 de Formolo, a 25 km da meta. Na perseguição a Formolo seguia Pedrero, prestes a alcançar o líder da etapa, com Almeida em 3º, a fazer a subida de trás para a frente, como tanto gosta.

Entretanto, perdia também o contacto Yates, perante o ritmo sufocante de Carr, com Vlasov a tentar chegar ao grupo dos melhores deste Giro.

A 22 km da meta, seguia na frente Pedrero, agora apenas com João Almeida na perseguição mais direta, numa demonstração de grande classe do Canibal das Caldas! No entanto, o grupo de favoritos estava já a menos de um minuto da frente. Nessa altura, ataca Bernal, com Carthy, Bardet, Ciccone, e Caruso a tentarem manter-se perto do colombiano.

A 21 km do final, Bernal arrancava sozinho, alcançando Pedrero, e passando direto rumo à vitória, colocando assim mais um ponto de exclamação no extraordinário Giro que está a realizar! A 19 km da meta, o colombiano possuía 26 segundos sobre Caruso e 33 sobre Bardet, os dois mais diretos perseguidores do colombiano. Atrás seguia um grupo com Almeida, Pedrero, e Carthy.

No topo do Passo Giau passou Egan Bernal, garantindo o prémio Cima Coppi, com Caruso a 45 segundos de distância do camisola rosa. Seguia-se Romain Bardet, a 1:13, e um trio com Almeida, Carthy, e Ciccone a 1:30.

Sem imagens televisivas da descida, restava aguardar pela chegada dos corredores à linha de meta. Bernal ia-se mantendo na frente da corrida, com 32 segundos de vantagem sobre a dupla Caruso/Bardet, à entrada dos 2 km finais. A cerca de 1:30 da frente, rodavam Almeida, Carthy, e Ciccone.

O primeiro a chegar à meta em Cortina d’Ampezzo foi Bernal, abrindo o casaco preto e mostrando orgulhosamente a sua camisola rosa, enquanto festejava efusivamente a sua segunda vitória em etapa neste Giro! Passados 28 segundos chegavam Bardet e Caruso, e depois o trio Ciccone/Carthy/Almeida, com o português a 1:21 de Bernal. Seguia-se Vlasov, já a 2:11 do colombiano.

Na geral, Egan Bernal aumenta a sua vantagem, que é agora de 2:24 sobre Damiano Caruso, com Hugh Carthy no 3º posto, já a 3:40! João Almeida ascende ao top 10, ocupando agora o 10º lugar, a 10:01 da camisola rosa!

Um dos grandes derrotados da jornada foi mesmo Remco Evenepoel, que acabou por perder 24 minutos para Bernal, o que o fez descer para o 19º lugar, a uns abismais 28:07 de Bernal!

Amanhã será dia de descanso, com a prova a retomar na quarta-feira, com uma jornada montanhosa de 193 km, que irá partir de Canazei e terminar no topo da 1ª categoria de Sega di Ala!

One thought on “Monstro Bernal!

  1. Grande etapa, mesmo encurtada devido ao estado péssimo do tempo, não deixou de ser ima etapa de emoções. Grande Bernal, grande português João Almeida que soube mostrar à equipa e seus diretores que está bem e recomenda-se. Tudo de bom para o ciclismo e para a grande imagem desportiva que dão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

António Morgado vence Gipuzkoa Klasika!

O corredor português António Morgado (Bairrada) venceu no passado domingo a clássica de Gipuzkoa em bicicleta, prova UCI do escalão de juniores, em Urretxu, com outros dois companheiros de equipa também integrados no top 10. António, com 17 anos, vence a 26ª edição da prova, depois Carlos Rodriguez (agora Ineos) e Juan Ayuso (agora UAE), […]

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock