Jakobsen iguala a contenda e volta a vestir de verde!

O holandês Fabio Jakobsen (Deceuninck – Quick Step) venceu a oitava etapa da La Vuelta a España, uma ligação de 173.7km entre Santa Pola e La Manga del Mar Menor, batendo ao sprint o italiano Alberto Dainese (Team DSM) e o belga Jasper Philipsen (Alpecin – Fenix), para voltar assim à liderança da classificação da regularidade!

A oitava jornada da La Vuelta trouxe-nos uma etapa praticamente sempre plana, entre duas difíceis jornadas de alta montanha, que serviria, no papel, para que o pelotão pudesse recuperar algumas forças entre dois dias bastante complicados. Porém, o dia foi tudo menos tranquilo, principalmente na fase final, em que o vento surgiu e obrigou a preocupações extra nas principais equipas do pelotão.

Com a partida real dada, três ciclistas rapidamente atacaram para compor aquela que seria a fuga do dia. Os espanhois Ander Okamika (Burgos – BH), Aritz Bagues (Caja Rural – Seguros RGA) e Mikel Iturria (Euskaltel – Euskadi) foram então os aventureiros do dia e não preocupavam o pelotão, que facilmente lhes deu quase quatro minutos de vantagem.

As equipas dos sprinters surgiram na cabeça do pelotão, com a Alpecin – Fenix e a Deceuninck – Quick Step a serem as mais representadas, controlando os ciclistas escapados, que mesmo sendo um perigo, nunca tiveram uma vantagem superior a quatro minutos. A diferença estabeleceu-se nos três minutos a partir do km 40, e assim se manteve durante bastante tempo, com a etapa a seguir tranquila.

O sprint intermédio, a 69.2km do fim, acabou por ver Jasper Philipsen voltar a levar a melhor no pelotão, e assim aumentar a vantagem sobre Fabio Jakobsen em mais 13 pontos, com Arnaud Demare a ser quinto e a conquistar também ele 10 pontos para a classificação da regularidade.

A fuga do dia com as três equipas continentais espanholas

A vantagem para os escapados foi caindo progressivamente ao longo do dia, e foi já a 40km do final que a corrida ganhou um novo panorama. O vento começou a surgir lateralmente e a Astana – Premier Tech aproveitou para acelerar na cabeça do pelotão com Omar Fraile e Luis Leon Sanchez. O pelotão alongou-se e de que maneira, prometeu-se cortar, mas tal não aconteceu. Ainda assim, o movimento geral o alcançar da fuga do dia, a 36km da chegada.

A Ineos Grenadiers ainda tentou forçar o ritmo em diversos momentos, mas o pelotão não partiu e os comboios começaram a acelerar em busca de posicionar os líderes da melhor forma, para evitar azares e cortes na fase final que prometia ser ainda mais exposta ao vento. Os blocos estavam bastante organizados, mas os 10km finais seriam fulcrais, ao serem percorridos numa estrada em pleno Mar Mediterrâneo, onde os cortes poderiam acontecer e definir a jornada.

A estrada encurtou à entrada dos últimos 8km, com o público também a aparecer na estrada, e as equipas procuravam cada vez mais posicionar-se na frente do pelotão. A 6.5km da meta, a estrada voltou a alargar e os posicionamentos da Alpecin – Fenix e da Groupama – FDJ foram corrigidos, apara procurarem a vitória final ao sprint.

A 5km do fim, Josef Cerny (Deceuninck – Quick Step) abriu para o lado, após um grande trabalho de colocação da formação belga, e foi o luxemburguês Kevin Geniets (Groupama – FDJ) a assumir a liderança do pelotão. Geniets também abriu a 3.4km do fim, com os comboios a ficarem cada vez mais curtos, e a não parecer mais haver uma grande organização, mas sim blocos curtos na roda uns dos outros.

A 2km do fim, Jeste Bol (Burgos – BH) ainda tentou surpreender e escapar do pelotão, mas não teve sucesso e a UAE Team Emirates assumiu a entrada no km final, com Rui Oliveira em destaque, a transportar Molano e o seu lançador, Trentin, até aos últimos metros. Philipsen estava bastante descoordenado com a Alpecin e teve de fazer o esforço de subir no pelotão nos últimos 600m e quem aproveitou foi a Deceuninck. Florian Senechal levou o pelotão para os últimos 175m de forma irrepreensível e Jakobsen lançou um fortíssimo sprint para levar de vencida mais uma etapa nesta Vuelta a España, com Dainese a ser segundo e Philipsen a pagar a recolocação final e a não ser capaz de fazer melhor que terceiro.

Entre os portugueses, ambos chegaram integrados no pelotão, com Rui Oliveira (UAE Team Emirates) a ser 50º e Nelson Oliveira (Movistar) 63º.

Primoz Roglic (Jumbo – Visma) chegou integrado no pelotão e permanece na liderança da geral, com Egan Bernal (Ineos Grenadiers) a manter a liderança da juventude. Fabio Jakobsen (Deceuninck – Quick Step) regressa à liderança da classificação por pontos e Pavel Sivakov (Ineos Grenadiers) segue na frente da classificação dos trepadores.

O último km

Classificações Completas

Classificações do Passatempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock