Hoje em Itália é Dia de Portugal!

O português Ruben Guerreiro, da EF Pro Cycling, venceu a nona etapa da 103ª edição do Giro d’Itália, após ser o mais forte da fuga do dia, que conseguiu superiorizar-se ao pelotão na chegada a Roccaraso. Na segunda posição ficou o espanhol Jonathan Castroviejo (INEOS Grenadiers) e no terceiro posto terminou o dinamarquês Mikkel Bjerg (UAE-Team Emirates).

Além do extraordinário feito de Ruben Guerreiro, o destaque da etapa vai também para João Almeida (Deceuninck-Quick Step) que, apesar de ter cedido alguns segundos para os restantes favoritos, consegue manter a camisola rosa no seu corpo, agora com 30 segundos de avanço sobre o segundo, o holandês Wilco Kelderman (Team Sunweb).

A nona etapa da Volta a Itália representava a última jornada antes do primeiro dia de descanso. Perante os ciclistas perfilavam-se 208 km, entre San Salvo e Roccaraso, com quatro contagens de montanha ao longo do percurso. A mais dura seria logo a primeira, o Passo Lanciano (1ª categoria com 12.4 km a 7%), seguindo-se o Passo San Leonardo (2ª categoria com 14.4 km a 4.3%), o Bosco di Sant’Antonio (9.4 km a 5.1%), e finalmente a subida a Roccaraso (Aremogna), com 9.6 km a 4.4%, com a contagem colocada a cinco km do final, embora os km finais fossem sempre em subida até à meta.

O início de corrida foi frenético, com muitos corredores a tentarem integrar a fuga do dia, cientes que este era mais um dia com boas probabilidades de uma movimentação de longe resultar. Um dos primeiros a conseguir isolar-se foi um homem que já venceu duas etapas neste Giro, uma delas a partir de uma fuga, o italiano da INEOS, Filippo Ganna. Outros corredores tentariam também sair mas sem resultados práticos ao fim de 50 km de corrida.

Pouco depois, quem atacou foi mesmo Vincenzo Nibali (Trek-Segafredo), na companhia de corredores como Jack Haig (Mitchelton-Scott), mas o pelotão rapidamente acabou com as ideias do Tubarão e suas rémoras.

Depois foi a vez de Ruben Guerreiro (EF Pro Cycling) atacar, fazendo-o na companhia de Eduardo Sepulveda (Movistar), Ben O’Connor (NTT Pro Cycling), e Jonathan Castroviejo (Ineos Grenadiers), aos quais se juntaram pouco depois Larry Warbasse (AG2R La Mondiale), Giovanni Visconti (Vini Zabù-Brado-KTM), e Kilian Frankiny (Groupama-FDJ). O português foi mesmo o primeiro a passar no primeiro sprint intermédio, com Arnaud Démare a bater Peter Sagan na cabeça do pelotão.

Com a vantagem dos fugitivos a rondar os sete minutos com 100 km para o final, começava a parecer ser possível que este fosse mais um dia para a fuga ganhar um avanço alargado.

Na subida ao Passo Lanciano, Ruben Guerreiro foi segundo atrás de Giovanni Visconti, com o italiano a ascender naquele momento à liderança virtual da classificação da montanha. O português havia, no entanto, de ter uma palavra a dizer nessa competição em particular.

A fuga ganhou depois mais um elemento, com Mikkel Bjerg (UAE-Team Emirates) a conseguir fazer a ponte e alcançar a frente de corrida.

Com a Deceuninck-Quick Step e a Trek-Segafredo a controlarem o ritmo do pelotão, a vantagem da fuga rondava os seis minutos, com 65 km para o final, e continuava no limbo a decisão desta jornada. Na fuga seguia Castroviejo, que tinha uma desvantagem de 6:49 para João Almeida, pelo que a Deceuninck-Quick Step iria sempre garantir que a liderança não estava ameaçada.

Com 40 km para o final e quatro minutos de diferença, era ainda difícil de prever o desfecho da etapa, no entanto, com a diferença a manter-se passados 10 km, começava finalmente a vislumbrar-se, num dia tão cinzento e chuvoso, o lugar ao sol para os homens escapados.

Na subida ao Bosco di Sant’Antonio, a Trek acelerou, reduzindo a vantagem dos escapados para 3:30, com 22 km para o final. Essa margem manteve-se e até cresceu nos km seguintes, o que garantia o sucesso da fuga.

Na subida final, atacou Castroviejo, com Guerreiro a seguir o espanhol. A dupla conseguiu uma margem de 30 segundos sobre os restantes elementos da fuga e, assim, a vitória ia ser discutida entre os dois.

Lá atrás, a Deceuninck-Quick Step colocava um ritmo bastante forte, na proteção ao líder, João Almeida. A chuva e o frio iam sendo cada vez mais intensos, assim como a tensão, principalmente na discussão da etapa!

Castroviejo voltou a atacar à entrada do km final, mas não havia forma de se livrar do ciclista de Pegões! Frio como o clima da etapa, Guerreiro manteve-se na roda do espanhol, até lançar o seu sprint a 200 m da meta, conseguindo ainda distanciar o seu rival por alguns metros, antes de celebrar ao cruzar a meta, apontando para si e esmurrando o ar com grande entusiasmo! Numa enorme demonstração de classe, talento, e sabedoria, o ciclista luso garantiu a maior vitória da sua carreira!

O terceiro classificado foi Mikkel Bjerg, que chegou já com 58 segundos de atraso para Guerreiro, com Frankiny e Warbasse a fecharem a 1:16.

No pelotão, os ataques ficaram mesmo para os metros finais, com Lucas Hamilton (Mitchelton-Scott) e Tao Geoghegan Hart (INEOS Grenadiers) a conseguirem distanciar-se, antes de Wilco Kelderman lançar o seu ataque. O holandês acaba por fechar na oitava posição, com Jakob Fuglsang e Jai Hindley logo atrás, os três a 1:38 do vencedor. Os homens da geral iam chegando a conta-gotas: Rafal Majka fechou a 1:41, Pozzovivo a 1:44, e Nibali a 1:52. João Almeida chegou logo depois, fechando a 1:56 de Guerreiro, cedendo quatro segundos para Pello Bilbao (Bahrain-McLaren), o anterior segundo classificado, e 18 segundos para Wilco Kelderman, agora o seu rival mais próximo na geral.

Na classificação geral, João Almeida mantém então a liderança, com 30 segundos de vantagem sobre Wilco Kelderman e 39 sobre Pello Bilbao. Refira-se que na classificação da juventude, a vantagem do ciclista da Deceuninck-Quick Step é ainda maior: 1:02 sobre o belga Harm Vanhoucke (Lotto Soudal) e 1:15 sobre o australiano Jai Hindley (Mitchelton-Scott).

Ruben Guerreiro é agora 31º, a 16:26 de Almeida, mas com os pontos amealhados nesta etapa, o ciclista da EF Pro Cycling é agora o novo líder da classificação da montanha e irá envergar a camisola azul na próxima terça-feira para a décima etapa.

A edição deste ano da Volta a Itália a cada dia ganha uma nova dimensão histórica para Portugal. Com nove etapas disputadas, um português lidera a prova há seis dias consecutivos e outro já venceu uma etapa e lidera a classificação da montanha. São três das quatro camisolas em disputa! O que estará para vir nas duas últimas semanas? Que feitos têm guardados para nós os dois super-lusitanos que tanta magia têm espalhado por terras transalpinas?

Henrique Silva venceu a etapa no Passatempo! Luís Silva segue na liderança da geral!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Nem um empurrão de Serrano tirou a primeira vitória profissional de Edward Planckaert!

Edward Planckaert (Alpecin-Fenix) ganhou a primeira etapa da Vuelta a Burgos, batendo Gonzalo Serrano (Movistar) sobre a linha de meta, mesmo depois de ter levado um empurrão do espanhol. Numa chegada coincidente com uma rampa em Burgos, uma aceleração de Romain Bardet (Team DSM) com quatro corredores foi sucificente para abrir uma brecha, e quintento […]

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock