Hat-Trick de Cavendish na Turquia! Chegada marcada por uma horrorosa queda!

O britânico Mark Cavendish (Deceuninck – Quick Step) conquistou a sua terceira vitória consecutiva no Tour of Turkey ao quarto dia de prova, batendo mais uma vez o belga Jasper Philipsen (Alpecin – Fenix) e o polaco Stanislaw Aniolkowski (Bingoal Pauwels Sauces WB), aumentando a sua liderança da corrida após um final caótico em Kemer!

A jornada de 184.4km começou de forma rápida e a fuga do dia só se formou ao km 20, com Stanislau Bazkhou (Minsk Cycling Club), Kent Ross (Wildlife Generation) e Ivar Slik (À Bloc CT). Slik não quis muito mais do que passar na frente no sprint intermédio ao km 36, e rapidamente regressou ao pelotão após esse momento. O malásio Muhammad Nur Aiman Bin Rosli (Team Sapura Cycling) acabou por atacar no pelotão à chegada de Slik, e sem dificuldades chegou à frente de corrida, compondo assim a fuga do dia.

O trio escapado foi alcançado já com 23km para a chegada e as equipas dos sprinters lideraram o pelotão até ao final. A grande nota positiva do dia vai para a integração de Fabio Jakobsen no comboio da Deceuninck – Quick Step, com o jovem holandês a trabalhar muito bem para o seu líder Mark Cavendish e a mantê-lo muito bem posicionado té aos 3km finais onde abriu para o lado.

A Alpecin – Fenix liderou a aproximação à meta já dentro do último km, com a Quick Step muito bem infiltrada no seu comboio, com Alvaro Hodeg no meio dos lançadores, e Cavendish na roda de Philipsen. O experiente sprinter britânico aproveitou com toda a sua experiência e maturidade o lançamento e ganhou vantagem a Philipsen nos últimos metros para vencer, mas o momento do sprint aconteceu a cerca de 150m do final, com uma grande e horrível queda a acontecer bem na frente do pelotão, após um desequilíbrio de Sacha Modolo (Alpecin – Fenix) que acabou por abandonar.

Vários ciclistas ficaram marcados pela queda, felizmente nenhum deles feridos com gravidade! Uma das imagens do dia é a de Fabio Jakbosen, que circulava já atrás do pelotão, mas que quando chegou à meta parou para perceber como estariam os seus colegas de profissão, um gesto notável de quem já esteve no lado dos que caíram há muito pouco tempo.

Classificações

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock