Frederico Figueiredo triunfa na Guarda e relança classificação geral!

O português Frederico Figueiredo (Efapel) venceu a 4ª etapa da 82ª Volta a Portugal, uma ligação de 181.6km entre Belmonte e Guarda, batendo ao sprint o compatriota Amaro Antunes (W52 – FC Porto) sobre o risco de meta, numa íngreme, mas já tradicional chegada. O terceiro lugar foi para o uruguaio Maurício Moreira (Efapel), a 59s do vencedor.

A etapa 4 da Volta a Portugal começou ainda antes de ser dada a partida real, com o segundo classificado à geral, o espanhol Gustavo Veloso (Atum General – Tavira – Maria Nova Hotel) a ir ao chão e a ficar bastante amassado do seu lado esquerdo. Com o arranque dado, a corrida ganhou grande velocidade, e nos primeiros kms nenhuma fuga conseguiu sair do pelotão.

Só ao km 21, após o primeiro prémio de montanha do dia, a quarta categoria de Sortelha, ao km 19.3, é que a corrida ganhou outro andamento. Um ataque de 11 homens sucedeu, e foi o suficiente para partir o pelotão! Um grupo de 50 ciclistas ficou na dianteira, enquanto um pelotão maior, de cerca de 60 ciclistas perdeu terreno e não mais viria a conseguir chegar à frente. Entre os integrantes desse grupo estavam Hugo Nunes e João Benta (Rádio Popular – Boavista), que assim perdiam as hipóteses de ainda discutir a classificação geral, e também André Cardoso e Luís Mendonça (Efapel) e o espanhol Sergio Samitier (Movistar).

Depois, acabaria por ficar na frente da corrida um grupo de seis, com três elementos da W52-Porto, Ricardo Mestre, Daniel Mestre, e Ricardo Vilela, dois da Efapel, Rafael Reis e Javi Moreno, e um da Louletano, Roniel Campos. A formação azul e branca tentava jogar com a boa posição de Ricardo Vilela na geral, obrigando a Atum General/Tavira a trabalhar, e mantendo os principais líderes da equipa junto do camisola amarela, Alejandro Marque. A 63 km do final, o grupo do camisola amarela, com a Atum General/Tavira no comando, rodava a 42 segundos da dianteira da corrida.

W52-Porto e Efapel em peso na fuga do dia.

A 50 km do final, a fuga de seis rodava com 33 segundos de vantagem sobre o grupo do camisola amarela, enquanto o grosso do pelotão perdia já mais de 13 minutos! Os ciclistas preparavam-se agora para os duros 40 km finais, onde estavam colocadas três contagens de montanha que iriam decidir a corrida.

A 38 km da meta, começam os ataques no grupo do camisola amarela, primeiro por Bruno Silva (Antarte-Feirense) e depois pelo inevitável Amaro Antunes (W52-Porto), novamente com Frederico Figueiredo (Efapel) na roda, tal como tinha acontecido na Torre. Entretanto Roniel Campos e Daniel Mestre descolavam da frente, com o homem da W52 a dar ainda uma boa ajuda a Amaro Antunes. Pouco depois haveria mesmo junção na frente da corrida, ficando novamente um grupo de seis na dianteira, agora com 3 W52 e 3 Efapel. Continuava o jogo de damas (e não tanto de xadrez) na discussão da Volta a Portugal!

O grupo do camisola amarela ia rodando com 28 segundos de desvantagem para os da frente, ainda com a Atum General/Tavira a fazer a perseguição. A W52-Porto continuava a dar alguns tiros nos pés, trabalhando muito na dianteira e permitindo aos homens da Efapel rodar mais na expetativa. Com Ricardo Mestre a perder o contacto com a frente da corrida, ficavam agora 2 W52 (Antunes e Vilela) contra 3 Efapel (Figueiredo, Reis, e Moreno).

Lá atrás, o trabalho da formação de Tavira ia resultando e, à entrada da subida de 2ª categoria para Videmonte, estavam já prestes a apanhar os homens da frente. Nesse momento, volta à carga Amaro Antunes, levando ainda e sempre Frederico Figueiredo na sua roda.

O grupo do camisola amarela foi ficando depenado nos primeiros quilómetros de subida, com Gustavo Veloso a impor o ritmo, com Alejandro Marque na sua roda. A margem entre a dupla da dianteira e o grupo de favoritos crescia novamente para a casa dos 30 segundos, mas na frente apenas Antunes trabalhava, com Figueiredo confortável na cola do líder da W52. No topo da subida, Figueiredo passou em primeiro, com Antunes logo de seguida, enquanto o grupo do camisola amarela vinha perdendo já mais de 1 minuto!

Pouco depois, azar para Marque que teve de parar para trocar de bicicleta, com Veloso a aguardar para rebocar o líder de volta ao grupo dos favoritos. E em pouco tempo não só conseguiram recolar como se puseram de imediato ao trabalho na frente do grupo. Grande dia de Veloso, com o 2º à geral a realizar um trabalho fantástico em prol do camisola amarela!

Em função do azar de Marque, mas também do ritmo imposto por Amaro Antunes, a diferença continuava a crescer e, com 20 km para a meta, o fosso era já de 1:52!

Com a margem a manter-se constante nos quilómetros seguintes, ficava claro que a vitória iria ser discutida entre os dois da frente. Na primeira de duas subidas para a cidade da Guarda, com 10 km para o final, voltou a ser Figueiredo o primeiro, com Antunes algo frustrado a ver o rival a limpar tudo nesta etapa graças ao seu trabalho. O importante era o tempo ganho mas certamente que o homem da W52-Porto não terá ficado totalmente satisfeito com esta etapa. O grupo perseguidor seguia já a 2:18 de distância, com Veloso finalmente a terminar o seu trabalho, embora tentando manter-se em contacto. Assumia a dianteira do grupo principal Lluís Mas da Movistar.

Na descida, Figueiredo finalmente passou pela frente, tentando contribuir para aumentar um pouco a vantagem. No entanto, o trabalho de Lluís Mas ia retirando alguns segundos aos dois da frente, com Veloso a conseguir ainda ter forças para chegar novamente à frente do grupo e dar uma pequena ajuda antes de rebentar definitivamente. Notável!

A subida final iniciou-se com 3 km para o final, com 1:34 a separar os homens da frente do grupo do camisola amarela, onde a Efapel tentava lançar o ataque de Mauricio Moreira.

Na discussão a dois pela etapa, no empedrado final em subida, o mais forte foi mesmo Frederico Figueiredo, com Amaro Antunes claramente esgotado a limitar-se a fechar atrás do homem da Efapel.

Na luta pelo terceiro posto, o melhor foi Mauricio Moreira, fechando a 59 segundos do vencedor, com Joni Brandão e Abner Gonzalez a terminarem pouco depois. Alejandro Marque cedeu um pouco na subida final, acabando por perder 1:21 para Figueiredo e Antunes, o que ainda assim lhe permite ficar na dianteira, agora com 5 segundos de avanço sobre Amaro Antunes e 25 sobre Frederico Figueiredo, com Joni Brandão agora em 4º, a 1:08.

Amanhã será dia de descanso, com a Volta a regressar na terça-feira para a disputa da etapa 5, com 171.3 km entre Águeda e Santo Tirso.

Classificações Completas

Classificações do Passatempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock