Evenepoel, um recital com dedicatória!

Num grande dia para o ciclismo belga, com vitórias de Wout Van Aert na clássica Milão-San Remo e de Jordi Meeus na Volta à República Checa, o jovem prodígio Remco Evenepoel (Deceuninck Quick-Step) não quis ficar atrás dos seus compatriotas e venceu a quarta etapa da Volta à Polónia, assumindo a liderança da classificação geral com uma vantagem confortável sobre Jakob Fuglsang (Astana Pro Team), e Simon Yates (Mitchelton-Scott), segundo e terceiro na etapa, respetivamente.

A quarta jornada da prova polaca correu-se entre as termas de Bukowina Resort e Bukowina Tatrzanska, numa distância de 152.9 km. Perante os ciclistas perfilava-se a etapa rainha da competição, onde muito da classificação geral final da prova seria certamente jogada. A temperatura acima dos 30 graus à partida da etapa garantia que ia ser um dia complicado para o pelotão.

A fuga do dia foi composta por cinco ciclistas: Chris Harper (Team Jumbo-Visma), Nathan Haas (Cofidis), Patryk Stosz (Seleção Nacional Polaca), Kamil Malecki (CCC Team), e James Whelan (EF Pro Cycling). O pelotão ia sendo controlado a espaços por diversas equipas, entre elas INEOS, do líder Richard Carapaz, Lotto-Soudal, Mitchelton-Scott, ou Jumbo-Visma.

A 60 km do fim, a primeira movimentação entre os favoritos surgiu por parte de Simon Yates, embora sem o sucesso pretendido, isto logo após uma queda no pelotão que envolveu o líder Richard Carapaz, com o equatoriano a prosseguir a corrida com marcas visíveis no corpo e no equipamento. Passado 10 km foi, a vez de Remco Evenepoel, numa mexida auspiciosa por parte do jovem canibal, a uma distância de respeito da linha de meta. No grupo principal, os restantes favoritos nunca encontraram entendimento entre si, o que permitiu que Evenepoel ganhasse rapidamente alguma vantagem.

Na abordagem aos km finais, a vantagem de Evenepoel foi sempre aumentando gradualmente, perante as algumas tentativas frustradas de alcançar o belga e uma geral apatia tática por parte grupo perseguidor, onde Carapaz era obrigado a perseguir sozinho, tendo apenas tido um único gregário para o ajudar, que os adversários trataram de queimar. O mais inconformado foi sempre Jakob Fuglsang, único que parecia ter capacidade para acompanhar o andamento do líder, mas mesmo ele não teve pernas para negar mais uma impressionante vitória de Evenepoel.

Sobre a linha de meta, com Fuglsang já a 1:48, Evenepoel festejou a vitória completamente isolado, aproveitando para homenagear Fabio Jakobsen, principal envolvido na violenta queda do primeiro dia da prova, levantando o dorsal do seu companheiro, numa emotiva homenagem ao colega de equipa.

Rui Costa, da UAE-Team Emirates, terminou na 12ª posição, a 3:09 da frente, o que significa que o ciclista português irá partir para a última etapa no décimo lugar da classificação, a 3:19 do líder.

Ivo Oliveira foi 94ª na etapa, a 22:05, e é 91º na geral, a 28:50. Rui Oliveira foi 113º, a 25:17, e é agora 121º, a 44:43.

Amanhã corre-se a quinta etapa da prova, entre Zakopane e Cracóvia, numa distância de 188 km. Embora existam algumas dificuldades montanhosas, estas situam-se na primeira metade da etapa, sendo a segunda parte da etapa praticamente plana. Perspetiva-se um dia de consagração para Evenepoel, fruto da sua liderança na classificação geral, com 1:52 para Fuglsang e 2:28 para Simon Yates.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Nem um empurrão de Serrano tirou a primeira vitória profissional de Edward Planckaert!

Edward Planckaert (Alpecin-Fenix) ganhou a primeira etapa da Vuelta a Burgos, batendo Gonzalo Serrano (Movistar) sobre a linha de meta, mesmo depois de ter levado um empurrão do espanhol. Numa chegada coincidente com uma rampa em Burgos, uma aceleração de Romain Bardet (Team DSM) com quatro corredores foi sucificente para abrir uma brecha, e quintento […]

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock