Campenaerts, a estrada recompensa quem não se cansa de tentar!

O belga Victor Campenaerts (Qhubeka – Assos) venceu a décima quinta etapa do Giro d’Itália, uma ligação de 147km entre Grado e Gorizia, batendo ao sprint o compatriota Oscar Riesebeek (Alpecin – Fenix) no final de uma jornada bastante chuvosa e acidentada. O terceiro lugar foi para o alemão Nikias Arndt (Team DSM), a 7s do vencedor.

Numa tirada que se antevia ideal para que Peter Sagan (Bora – Hansgrohe) pudesse aumentar a vantagem na luta pela Maglia Ciclamino, o dia começou mais do que de forma agitada, e com a não partida de Giacomo Nizzolo (Qhubeka – Assos) foi a equipa sul-africana a primeira em busca de acelerar para a fazer a fuga do dia. Com o vento a fazer-se sentir à saída de Grado numa estrada algo estreita em que o pelotão se procurava posicionar da melhor forma, as quedas acabaram por acontecer sem que o público percebesse muito bem como.

Logo ao primeiro km, diversos ciclistas foram ao chão, o que levou a que os comissários neutralizassem a corrida, uma decisão que irritou alguns dos ciclistas que procuravam integrar a fuga. Emanuel Buchmann (Bora – Hansgrohe) foi um dos afetados pela queda, e com marcas bem visíveis na boca que certamente precisou de levar pontos. Jos van Emden (Jumbo – Visma) foi talvez o que mais maltratado ficou, com marcas ao longo de todo o corpo e bastante dificuldade em levantar-se. Natnael Berhane (Cofidis) era outro dos que se apresentava bastante combalido e com dificuldades, numa fase em que as ambulâncias e equipas médicas se procuravam movimentar para prestar auxílio a todos os corredores afetados. Pouco depois era Ruben Guerreiro (EF Education – Nippo) a queixar-se das costas, já na traseira do pelotão, também ele afetado pela queda, o que preocupava desde logo os companheiros portugueses presentes. Todos os quatro acabariam por abandonar, com principal destaque para Buchmann e Guerreiro, eles que faziam parte do top15 da geral à partida da etapa.

Com todos os corredores de volta ao pelotão, a etapa retomou e uma fuga de 15 ciclistas acabou por suceder, perante um pelotão controlado pela Ineos Grenadiers que seguiu sempre num ritmo bastante tranquilo até à meta. Oscar Riesebeek e Dries de Bondt (Alpecin – Fenix), Lars van den Berg (Groupama – FDJ), Quinten Hermans (Intermarche – Wanty – Gobert), Stefano Oldani e Harm Vanhoucke (Lotto Soudal), Dario Cataldo e Albert Torres (Movistar), Nikias Arndt (Team DSM), Victor Campenaerts, Max Walschied e Lukasz Wisniowski (Qhubeka Assos), Bauke Mollema (Trek – Segafredo) e Juan Sebastian Molano (UAE Team Emirates) eram os ciclistas adiantados que progressivamente foram ganhando vantagem ao pelotão e que procuravam mais uma vitória de etapa saída da fuga. Um quarteto de ciclistas ainda tentou juntar-se à frente, mas sem sucesso, acabando depois por serem reabsorvidos pelo pelotão.

A 32km do final, as movimentações começaram a surgir na frente, com o ataque de Campenaerts e Riesebeek. Esta, porém, não seria ainda a mexida de sucesso, já que a Qhubeka procurava jogar com as suas cartas e obter maioria na frente, mas tal não aconteceu já que as outras equipas os marcavam de perto. Foi só a 22km do final que se gerou o ataque decisivo, com Campenaerts de novo a sair, desta vez com o espanhol Albert Torres, e o belga Riesebeek a fazer a ponte logo de seguida.

O trio trabalhou bem para obter uma vantagem de cerca de 25s para a dúzia de adversários que os perseguia, mas a 15km do final, já na última subida categorizada, passou a ser um duo, com o descolar de Torres. Os ataques foram se sucedendo entre o duo nos últimos 10km, sem que nenhum conseguisse efetivamente fazer descolar o outro, numa fase complicada da etapa em que a chuva forte também apareceu. A decisão foi mesmo levada para o risco de meta, com Risebeek na roda de Campenaerts a abrir o sprint ainda cedo. Campenaerts soube agarrar-se à roda do compatriota e nos últimos 100m teve a habilidade e técnica suficiente no pavê para triunfar pela primeira vez numa grande volta. O primeiro grupo perseguidor chegou logo atrás, com 5 ciclistas, e Arndt a levar a melhor para fechar a tirada no pódio.

O pelotão chegou com todas as suas principais figuras já a 17:21, comandado pelo italiano Salvatore Puccio (Ineos Grenadiers), num dia que foi tranquilo entre Zoncolan e etapa de Cima Coppi. Egan Bernal (Ineos Grenadiers) permanece na liderança da geral e da juventude, assim como Peter Sagan (Bora – Hansgrohe) dos pontos e Geoffrey Bouchard (AG2R Citroen Team) da montanha.

Classificações Completas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock