A afirmação de um portento! Almeida apenas batido pelo campeão do mundo!

O campeão italiano e mundial de contrarrelógio, Filippo Ganna, da INEOS Grenadiers, venceu a primeira etapa da Volta a Itália e é assim o primeiro líder da competição. Na segunda posição terminou o português João Almeida, que realizou uma prova para a qual é difícil encontrar adjetivos, sendo batido apenas pelo favorito à etapa e ganhando tempo a todos os homens da geral deste Giro. No terceiro posto terminou o dinamarquês Mikkel Bjerg (UAE-Team Emirates), com o mesmo tempo de João Almeida.

A primeira etapa da prova por etapas italiana consistiu num contrarrelógio de 15.1 km, corrido na ilha da Sicília, mais em particular na zona metropolitana de Palermo. Os ciclistas saíram de Monreale e logo aí enfrentaram a primeira contagem de montanha do Giro, uma quarta categoria com 1.2 km e 4.8% de inclinação média, onde estava colocado o primeiro ponto de cronometragem. A partir do topo da subida, os ciclistas desciam até ao segundo ponto de cronometragem, colocado ao fim de 9 km de prova. Os últimos km eram planos, com curvas largas.

O contrarrelógio de abertura da Volta a Itália acabou por se revelar inglório para alguns dos especialistas que optaram por sair na fase inicial da etapa. Victor Campenaerts (NTT Pro Cycling) caiu e Alex Dowsett (Israel Start-Up Nation) esteve perto, ambos hipotecando qualquer hipótese de lutar pela etapa. O belga acabou por deixar críticas à organização da prova, referindo a sujidade presente num percurso onde os ciclistas podiam atingir velocidades muito elevadas, acima dos 100 km/h. Além disso, o muito vento que se fazia sentir aumentava o perigo para os ciclistas, principalmente na fase inicial da etapa.

Um dos primeiros tempos de referência foi mesmo efetuado por João Almeida. Realizando uma prova em crescendo, o português terminou com um registo de 15:46, o que colocou em sentido todo o pelotão, tanto a nível de ciclistas que apontavam à vitória na etapa como de corredores com interesses à geral. Mikkel Bjerg esteve muito perto de bater o ciclista das Caldas da Rainha mas acabou por ser mais lento algumas décimas de segundo. Geraint Thomas, da INEOS, também esteve perto, fazendo mais um segundo que João Almeida. O galês não venceu, mas ganhou tempo a toda a concorrência. Simon Yates foi o que melhor se defendeu de Thomas, terminando na 17ª posição, a 26 segundos de Thomas.

O maior azarado do dia acabou por ser o colombiano Miguel Angel Lopez, que caiu de forma aparatosa, sendo obrigado a abandonar a prova logo no primeiro dia.

O único que parecia capaz de bater João Almeida era o grande favorito, Filippo Ganna, e o ciclista da INEOS conseguiu mesmo fazê-lo, com uma vantagem de 22 segundos e uma média horária de 58.831, a segunda mais rápida da história dos contrarrelógios em grandes voltas. Ganna fica com três camisolas em seu poder: geral, pontos, e juventude, com João Almeida a ser segundo em todas elas. O ciclista de Deceuninck vai partir para a segunda etapa do Giro envergando a camisola ciclamino, representativa da classificação por pontos.

Ruben Guerreiro, da EF Pro Cycling terminou na 85ª posição, a 1:37 de Ganna.

Amanhã disputa-se a segunda tirada da Volta a Itália, com uma ligação de 149 km entre Alcamo e Agrigento, ainda na ilha da Sicilía. A etapa é predominantemente plana, embora o final apresente uma subida que certamente irá afastar os homens rápidos mais pesados do pelotão. A subida em Agrigento apresenta 3.7 km de extensão e 5.3% de inclinação média. A hipótese de podermos ver João Almeida a envergar a camisola rosa é bem real, considerando a capacidade escaladora do português face à de Filippo Ganna.

Sete participantes levaram a melhor neste contrarrelógio de abertura do Giro d’Itália, num Passatempo que promete ser muito disputado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock