A fúria do King Kong!

Wout Van Aert, da Jumbo-Visma, venceu a etapa 4 do Tour de France, graças a um espetacular ataque na subida final, a mais de 10 km da meta! A concorrência ainda tentou alcançar o camisola amarela, mas tal não foi possível, com WVA a fechar isolado, com 8 segundos de vantagem sobre o pelotão, onde Jasper Philipsen venceu o sprint pelo segundo posto!

A etapa 4 da Volta a França marcava a entrada da caravana em solo francês, após três dias de corrida por terras dinamarquesas. Perante os ciclistas, colocava-se um desafio de 171.5 km, entre Dunquerque e Calais, bem junto ao Mar do Norte e ao Canal da Mancha, num dia com seis contagens de montanha, todas elas de 4ª categoria.

No início da tirada, formou-se a fuga do dia, graças a uma movimentação composta por apenas dois corredores: o francês Anthony Perez, da Cofidis, e o inevitável Magnus Cort, ciclista norueguês da EF Education-EasyPost, líder da montanha, e grande animador das duas etapas anteriores.

Anthony Perez e Magnus Cort na fuga do dia da etapa 4 (Getty Images)

O pelotão estava satisfeito com a composição da fuga, permitindo que os dois corajosos ganhassem uma margem algo expressiva, que se aproximava dos 7 minutos com cerca de 20 km de corrida cumpridos. A partir desse ponto, o grupo principal começou a reduzir a distância para a frente.

Na primeira contagem de montanha do dia, uma 4ª categoria para o Côte de Cassel com algum empedrado (em jeito de aquecimento para amanhã), Cort foi o mais forte, arrebatando mais um ponto para o seu pecúlio na montanha.

Depois, veio para a frente a Quick-Step, decidida a controlar desde cedo as operações. O ritmo imposto pelos belgas apanhou alguns corredores de surpresa, acontecendo mesmo um corte no pelotão. Estávamos a 130 km do final e a margem dos fugitivos caía para os 4 minutos.

Apesar de algum pânico momentâneo, os ciclistas atrasados acabariam por conseguir recolar após uma mão cheia de quilómetros. Após este momento de tensão, causado pela Quick-Step, o ritmo do pelotão baixou e a margem dos fugitivos disparou novamente para os 7 minutos.

No sprint intermédio de Lumbres, houve luta no pelotão pelos pontos em disputa, mas sem grande intensidade, com Jakobsen a passar na frente de Van Aert e Ewan.

Na segunda contagem de montanha do dia, não houve luta pelos pontos da montanha, com Perez a permitir que Cort passasse tranquilamente em primeiro. Era já garantido que o dinamarquês ia manter a camisola das bolinhas no final do dia, pelo que não fazia sentido estarem a desgastar-se nesse confronto particular. Logo depois da contagem, os dois ciclistas cumprimentaram-se, selando o seu acordo. Estávamos já a menos de 100 km da meta, com a margem ligeiramente abaixo dos 7 minutos.

O pelotão começou depois a recuperar tempo novamente face à fuga e, com 70 km para o final, a diferença baixava para menos de 4 minutos, com a Trek-Segafredo a trabalhar na frente do grupo principal. Vinham para a frente também a Alpecin e a Lotto Soudal, tentando colocar em dificuldade os sprinters mais pesados.

Lá na frente, a dupla de fugitivos passava na frente na terceira contagem do dia, com Cort novamente a arrecadar o único ponto em disputa. Pouco depois, nova contagem, com o mesmo cenário.

A 55 km do final, a diferença entre fuga e pelotão caía para baixo dos 2 minutos, com as formações da Trek, Alpecin, e Lotto ainda na frente. Chegava depois a quinta contagem de montanha da tirada, com Cort mais uma vez a ser primeiro. Pouco depois, acabava a colaboração na frente, com o ataque de Perez. Os pontos da montanha tinham ficado para o dinamarquês e era agora altura do francês usar alguma força de reserva e atacar a vitória na etapa.

Note-se que Cort esteve em fuga nas 3 etapas em linha disputadas até ao momento, acumulando 400 km ao ataque! Além disso, o dinamarquês passou na frente nas primeiras 8 contagens de montanha do Tour, batendo o recorde de Federico Bahamontes, estabelecido em 1958.

Na frente do grupo principal, rodavam agora a Jumbo-Visma e a BikeExchange. A 25 km da meta, Perez pedalava com um avanço de 1 minuto, e sentia-se a tensão no pelotão, uma vez que as estradas eram estreitas, impedindo uma perseguição em força.

No entanto, nos quilómetros seguintes, o pelotão conseguiu mesmo reduzir a margem para a dianteira. À entrada da decisiva subida para Cap Blanc-Nez, a pouco mais de 10 km do final, apenas 10 segundos mantinham Perez na frente.

Depois, veio a subida e a movimentação decisiva do dia. No momento em que o pelotão alcançou Perez, a Jumbo-Visma lançou um ataque demolidor, com Tiesj Benoot a impor um ritmo diabólico, levando o camisola amarela Wout Van Aert na sua roda! Atrás dos dois Jumbo, seguiam apenas Adam Yates, da INEOS, e também mais alguns elementos da formação neerlandesa, entre eles Roglic. Abria-se um espaço para o restante pelotão, incluindo Tadej Pogacar!

Quando Benoot finalizou o seu trabalho, o King Kong amarelo arrancou de forma decidida, sem qualquer tipo de companhia, passando em primeira na contagem de montanha e preparando-se para um contrarrelógio de 10 km, rumo ao tão desejado triunfo!

Nos quilómetros seguintes, WVA foi ganhando segundos à concorrência, que bem tentava organizar-se na perseguição, mas sem sucesso! A 3 km da meta, eram já 26 os segundos que separavam o belga do restante pelotão, que rodava já em grande número novamente, depois de ter explodido na subida. O grande prejudicado do dia ia sendo Dylan Groenewegen, com a BikeExchange a tentar levar o seu sprinter até junto do grupo principal.

Na perseguição ao belga solitário, seguiam três conjuntos do país da cerveja e das batatas fritas: Lotto Soudal, Quick-Step, e Alpecin, mas não havia nada a fazer. O triunfo ia mesmo ficar para o homem que fez segundo nos 3 primeiros dias!

WVA entrou no quilómetro final com 16 segundos de margem sobre a concorrência, mais do que suficiente para festejar um triunfo bem saboroso, agitando os braços como que simulando um par de asas! Foi, de facto, um monstro voador no dia de hoje!

Volvidos 8 segundos, chegou o pelotão, com Jasper Philipsen a ser o mais forte no sprint pelo segundo posto. O corredor da Alpecin-Deceuninck não se apercebeu que Van Aert já tinha vencido a etapa, e acabou por festejar de forma efusiva. No terceiro posto, terminou Christophe Laporte, o habitual lançador de Van Aert, acabando por conseguir roubar pontos importantes aos rivais de WVA na luta pela camisola verde.

Na geral, o King Kong de Herentals lidera agora com 25 segundos de vantagem sobre Yves Lampaert, da Quick-Step, e 32 sobre Tadej Pogacar.

Quanto aos portugueses, Nelson Oliveira foi 59º e Ruben Guerreiro 79º, ambos integrados no pelotão, a 8 segundos do vencedor. Na geral, o homem da Movistar é 64º, a 1:55, enquanto o “cowboy” da EF Education-EasyPost segue no lugar 172, a 16:34 do líder.

Amanhã disputa-se a etapa 5, num dos dias mais aguardados deste Tour, com a jornada entre Lille e Wallers-Arenberg e um percurso ao estilo Paris-Roubaix!

Classificações

Results powered by FirstCycling.com

Classificações do Passatempo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock