Venha a montanha, venham os Pirenéus!

O australiano Rohan Dennis (INEOS Grenadiers) mostrou que afinal ainda está para as curvas no que toca a contrarrelógios. A INEOS meteu a lenha toda no assador, mas foi João Almeida (Deceuninck – QuickStep) quem ficou a comandar a classificação geral da Volta a Catalunya. Hoje teremos a primeira das duas etapas dos Pirenéus, onde a difícil subida a Vallter 2000 dará uma imagem clara de quem deverá ganhar a 100ª edição da corrida mais antiga da Espanha.

Perfil

Perfil da Terceira Etapa da Volta a Catalunya

Com exceção da edição de 2017, onde se correu um trajeto diferente, o percurso da corrida não sofre grandes variações de ano para ano e geralmente as etapas 3 e 4 são corridas nos Pirenéus. Este ano, a inclusão do contrarrelógio veio proporcionar um desafio maior e poderá colocar estas duas etapas mais abertas a ataques dos principais candidatos. Com 203.1km desde o Canal Olímpic de Catalunya, nos arredores de Barcelona, até à estância de ski de Wallter 2000, no coração dos Pirenéus, se faz o menu do dia. A cidade inicial está longe das montanhas e, portanto, a primeira parte consiste numa longa jornada plana, com muitas zonas em falso plano ascendente até entrarmos na zona onde se farão as grandes decisões.

A subida em si apresenta 11.3km, numa pendente média de 7.6%, mas com um inicio mais duro que o final. Os kms 2 e 3 têm as maiores percentagens da subida, com o terceiro km a apresentar 9.3% de média. A etapa tem um total de 3766 metros de desnível positivo acumulado.

Perfil da subida a Vallter 2000

Esta subida foi visitada em 2019, quando Adam Yates bateu Egan Bernal, Dan Martin, Nairo Quintana e Miguel Angel Lopez ao sprint no topo da subida. Em 2014, Tejay Van Garderen e Romain Bardet disputaram a vitória da etapa com o americano a levar a melhor. Já em 2013, Quintana foi o mais forte chegando isolado perante um grupo de 8 ciclistas que Alejandro Valverde bateu ao sprint. Em 2018 a chegada foi cancelada devido a ventos fortes.

Favoritos

João Almeida será ameaçado desde o inicio da corrida até ao fim, com a Ineos e a Jumbo e talvez a BikeExchange a quererem tomar conta do pelotão, o que até poderá ser bom para poupar Fausto Masnada e James Knox para a subida final. Espera-se que a Movistar tente atacar desde cedo, já que tem bons trepadores nas suas opções.

Tendo em conta as caraterísticas da chegada e olhando aquilo que já foi competido neste ano de 2021, é dificil não apontar como Adam Yates o principal favorito do dia. O britânico só perdeu para Pogacar no UAE Tour, numa subida algo semelhante e já venceu aqui em 2019, pelo que conhece muito bem a subida. Depois do que vimos no Tirreno Adriatico, o seu pior rival poderá ser mesmo o seu irmão, Simon Yates. Simon está longe de estar na forma que Adam já parece ter e ainda apresenta alguns altos e baixos no seu rendimento, mas será sempre um bom adversário nestes terrenos. Difícil prever é também a forma como a Ineos vai correr. Se vai fazer ataques com Geraint Thomas, Richard Carapaz e Richie Porte para partir o pelotão, ou se vai pôr o seu comboio em funcionamento. O mesmo com a Jumbo, que tem Steven Kruijswijk como líder, mas têm George Bennett e Sepp Kuss com liberdade para tentar vencer a etapa.

No caso da EF Education – Nippo, hoje é dia de ver Hugh Carthy ao seu mais alto nível. Se não houver grandes entendimentos entre corredores, o britânico poderá atacar e roubar tempo a todos. Por outro lado, há também dois nomes a ter em conta na equipa da Israel Start-Up Nation: Michael Woods e Dan Martin. À partida será Woods quem terá aspirações no dia de hoje, já que Martin ainda está a arrancar a época, mas em conjunto podem tentar jogar com as suas capacidades e com o resto das equipas para ascender à vitória.

João Almeida deverá estar hoje mais na defensiva, como ele gosta e nos demostrou estar bastante à vontade com a colocação de ritmos. Este tipo de subidas não lhe assenta lá muito bem, mas tem etapas como a de amanhã ou a última, para fazer diferenças e estar ao ataque. Muito possivelmente veremos um João ao nível a que nos habituou nas últimas corridas, a colocar o ritmo dele e a minimizar as perdas, ou até mesmo a acompanhar os ataques dos restantes. Masnada e Knox terão um papel fundamental na ajuda ao seu líder.

Nairo(man) Quintana é hoje que vais aparecer em força? No Tirreno Adriático o colombiano não desiludiu, e hoje os colombianos não pedem menos que uma vitória. Alguma curiosidade para ver como a Bora – Hansgrohe se irá safar hoje com Wilco Kelderman e Lennard Kämna. Noutros tempos, Kelderman seria grande favorito, mas é incerta a sua forma depois de um atropelamento em janeiro, e Kamna parece estar mais focado em se tornar um caça etapas do que a lutar por corridas por etapas. O mesmo para a Movistar, que trás os seus três principais líderes, e têm uma equipa pronta para a montanha, mas será que farão algo importante?

Há depois um conjunto de trepadores que poderão tentar a sua sorte, mas será algo difícil tendo em conta a luta apertada pela geral.

Favoritos Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Adam Yates
⭐⭐⭐⭐ Simon Yates e Hugh Carthy
⭐⭐⭐ Michael Woods, Steven Kruijswijk e João Almeida
⭐⭐ Richie Porte, Clement Champoussin, Lucas Hamilton, Sepp Kuss e Nairo Quintana
⭐  Geraint Thomas, Wilco Kelderman, Richard Carapaz Enric Mas, Fausto Masnada, Marc Soler, George Bennett, Dan Martin, Giulio Ciccone, Harm Vanhoucke e Brandon McNulty

Presença Portuguesa

Em prova estarão dois portugueses: (21) João Almeida, que é líder da prova, e (101) Ruben Guerreiro. Rui Costa viu-se obrigado a abandonar devido a um atropelamento de uma mota de corrida na etapa 1.

Transmissão e Horas de Partida

A Eurosport1 terá transmissão a partir das 14h15.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock