Um sprint na roleta!

A 7ª etapa do Giro d’Italia apresenta um percurso de 181 km, com partida em Notaresco e chegada em Termoli, numa tirada corrida ao longo da costa do Mar Adriático. O perfil da jornada será algo sinuoso na primeira metade da etapa, com destaque para a subida de 4ª categoria em Chieti. A partir desse ponto, a altimetria torna-se cada vez mais suave, com a segunda metade da tirada praticamente plana, num dia em que apenas o vento poderá ser um fator que venha a quebrar a lógica de um chegada em pelotão compacto.

Note-se, contudo, que a abordagem à meta não se irá tratar de um sprint puro e simples. De facto, os últimos 2 km da etapa, através das ruas de Termoli, incluem cinco curvas apertadas, estreitamentos de estrada, e um perfil em subida, em particular à entrada do último km, com uma zona a apresentar uma inclinação de 12%! O terreno será relativamente plano nos metros seguintes, com os derradeiros 500 m a apresentarem também uma subida, ligeira, mas constante.

Perfil da 7ª etapa da Volta a Itália

Esta será um final bem diferente dos anteriores sprints, no entanto, o lote de favoritos será, essencialmente, o mesmo, restando saber quem vai levar a melhor na luta pela melhor posição.

Como maior favorito vamos apontar para Tim Merlier. O belga da Alpecin-Fenix já venceu neste Giro e parecia bem lançado para um bom resultado na segunda chegada rápida, no entanto, por azar, acabou por não conseguir sprintar. Este é um final que acaba por assentar a Merlier, habituado às clássicas com finais técnicos, sendo que terá na colocação a principal pecha do seu jogo, em especial face a um lote numeroso de equipas que quererão entrar bem colocadas. A formação belga contará com Alexander Krieger para mais um grande trabalho de lançamento e colocação em favor de Merlier.

O final técnico e em subida também assenta a Caleb Ewan, da Lotto Soudal, que terá também na colocação o seu calcanhar de Aquiles para esta jornada. Se o pequeno australiano conseguir estar perto da frente no final, será uma dor de cabeça para todos, como tão bem mostrou com a vitória ziguezagueante face a Nizzolo no segundo sprint deste Giro.

Ao contrário dos dois ciclistas já referidos, Peter Sagan apresenta na colocação o seu principal argumento para discutir a vitória. Além disso, se num final plano o eslovaco não parece ter grandes chances contra Merlier e Ewan, o cenário muda de figura nesta chegada em ligeira ascensão. Se a BORA-hansgrohe jogar bem neste final, poderá conseguir usar o terreno a seu favor.

O final assenta também muito bem ao campeão europeu, Giacomo Nizzolo, da Qhubeka Assos, e a Davide Cimolai, da Israel Start-Up Nation, sendo que os dois sprinters italianos são peritos em assomos técnicos e caóticos, agradecendo também eles alguma inclinação que os nivele com Merlier e Ewan.

Refiram-se depois os nomes de Elia Viviani e Fernando Gaviria, que terão também uma palavra a dizer neste final, e ainda Dylan Groenewegen. O holandês já conseguiu vencer em jornadas técnicas e com alguma inclinação, pelo que não seria descabido de o incluir entre os maiores favoritos, no entanto, o corredor da Jumbo-Visma parece ainda estar um pouco longe da sua melhor forma.

Como referido, esta será uma jornada díspar dos sprints convencionais, pelo que alguns ciclistas podem surpreender, quebrando a hierarquia habitual destas chegadas. Nesse campo, refira-se o quinteto de italianos: Matteo Moschetti, Andrea Vendrame, Andre Pasqualon, Filippo Fiorelli, e Enrico Battaglin, além do alemão Max Kanter, que terá algumas dificuldades nesta chegada.

Note-se que o final pode suscitar eventuais trocas de papéis nos comboios das equipas, sendo de destacar os nomes de Simone Consonni e de Juan Sebastian Molano como lançadores com capacidade para discutir a etapa, se tal se proporcionar.

Numa última nota, refira-se que o final técnico pode suscitar ataques de corredores como Gianni Moscon, Ruben Guerreiro, ou ainda o super-homem da etapa de ontem: Matej Mohoric.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Tim Merlier

⭐⭐⭐⭐ Caleb Ewan e Peter Sagan

⭐⭐⭐ Giacomo Nizzolo, Davide Cimolai, e Elia Viviani

⭐⭐ Fernando Gaviria, Dylan Groenewegen, Matteo Moschetti, e Andrea Vendrame

⭐ Andre Pasqualon, Filippo Fiorelli, Enrico Battaglin, Max Kanter, Simone Consonni, Juan Sebastian Molano, Gianni Moscon, Ruben Guerreiro, e Matej Mohoric

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock