Última chamada para os sprinters!

Depois das fortes emoções de ontem, com a luta de João Almeida na geral, com as estratégias controversas da Sunweb, com a conquista histórica de Ruben Guerreiro, o Giro d’Itália prossegue hoje com a realização da 19ª etapa da prova e bem que é preciso uma jornada mais calma para assimilar o que aconteceu.

Depois de 15 dias de rosa, João Almeida caiu ao 5º posto da geral, mas não sem dar uma luta tremenda, terminado uma etapa épica em 7º lugar, à frente de muitos ciclistas consagrados e veteranos de grandes voltas. O novo líder é Wilco Kelderman, embora o holandês tenha que ter dependido apenas de si para chegar à rosa, com o seu braço direito Jai Hindley a seguir Tao Geoghegan Hart na frente, não esperando pelo líder. Hindley ganhou a etapa e manteve-se à frente de Hart na geral, no entanto, Kelderman perdeu bastante tempo para a dupla, dispondo de apenas 12 segundos de vantagem sobre Hindley e 15 sobre Hart, antes das etapas do fim de semana, onde a INEOS irá certamente dar tudo por tentar levar o britânico à rosa.

Já Ruben Guerreiro torna-se no 1º português a conquistar uma camisola representativa de uma classificação individual de uma grande volta. Os 198 pontos do português já não poderão ser igualados por nenhum outro corredor. Recorde-se que Guerreiro venceu também uma etapa, completando uma das mais memoráveis participações de sempre dos lusos em grandes voltas, a par da de João Almeida.

No menu da etapa de hoje, os ciclistas encontram um percurso completamente plano, o último do Giro para os sprinters discutirem, numa jornada para os homens da geral descansarem um pouco antes das decisões do fim de semana.

Perfil inicial da 19ª etapa da Volta a Itália

Inicialmente, seria um dia brutal com 258 km para serem percorridos, que iriam deixar marcas em muitos corredores especialmente depois do esforço do Stelvio, no entanto, depois de um protesto dos ciclistas pouco antes do início da etapa, que se queixava da longa distância da etapa num dia tão chuvoso, a organização decidiu encurtar em 100 km a distância da etapa. Muitas equipas queixaram-se também que no dia de ontem, após o Stelvio, tiveram problemas com trânsito e com as longas distâncias a percorrer, que causaram uma chegada muito tardia aos hotéis das equipas. Assim, a organização decidiu, poucos minutos antes da etapa começar, que os ciclistas irão de autocarro durante 100 km e farão os restantes 150 km previstos para a jornada a partir de uma outra localidade. Isto causou um cenário caricato com o pelotão parado no meio da estrada enquanto aguardava pelos autocarros da equipa que foram recolher atletas e bicicletas debaixo da forte chuva, para claro agrado de muitos corredores.

Se a longa distância podia deixar algumas dúvidas, com o encurtar da tirada, não deverá certamente ser um dia para uma fuga, embora nesta fase de uma grande volta, nunca seja possível dizer com toda a certeza que o pelotão vá conseguir controlar a corrida. De qualquer forma, a Groupama-FDJ para Arnaud Démare, que irá procurar a sua 4ª vitória neste Giro, e a BORA-hansgrohe para Peter Sagan, que estará em busca da 2ª vitória e de ainda poder incomodar Démare na luta pela camisola ciclamino, representativa da classificação dos pontos, irão muito provavelmente controlar as operações e preparar o sprint massivo.

O favoritismo que, com a longa distância da etapa, estava de certa forma inclinado para o lado de Sagan, acaba por assim voltar para o lado do campeão francês que já mostrou ser o mais rápido deste pelotão.

Note-se que inicialmente, com 258 km de percurso, com muita chuva e vento, a ideia de tentar causar cortes no pelotão através de bordures poderia estar na cabeça de alguns diretores de corrida. Uma das equipas especialistas nesse tipo de situações é a Deceuninck-Quick Step, que poderia até tentar deixar algum candidato ao pódio deste Giro em apuros. As hipóteses de isto acontecer diminuem com o encurtar da etapa, mas não desaparecem!

De qualquer forma, o cenário mais provável será o de um sprint em pelotão compacto. O maior candidato a poder importunar os dois favoritos será Elia Viviani, podendo também a própria Deceuninck intrometer-se com um dos seus homens rápidos: Álvaro Hodeg ou Davide Ballerini.

Além destes que são os principais favoritos, podemos apontar alguns nomes de candidatos a poder discutir uma boa posição nesta jornada, particularmente Davide Cimolai, Rick Zabel, Andrea Vendrame, ou Ben Swift.

A luta pela geral deverá ter uma pausa neste dia, antes das decisões do fim de semana. Recorde-se que o líder é agora Wilco Kelderman (Team Sunweb), com 12 segundos de vantagem sobre o companheiro de equipa Jai Hindley e 15 sobre Tao Geoghegan Hart (INEOS). Na quarta posição está Pello Bilbao (Bahrain-McLaren) a 1:19 e no quinto posto está o português João Almeida (Deceuninck-Quick Step) a 2:16.

Já Ruben Guerreiro irá arrancar de camisola azul, essa que já é sua, bastando-lhe chegar a Milão para levar para casa a prestigiante classificação da montnha.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Arnaud Démare

⭐⭐⭐⭐ Peter Sagan e Elia Viviani

⭐⭐⭐ Álvaro Hodeg, Davide Ballerini, e Davide Cimolai

⭐⭐ Rick Zabel, Andrea Vendrame, Ben Swift, e Simone Consonni  

⭐ Stefano Oldani, Enrico Battaglin, Fabio Felline, Giovanni Lonardi, e Mikkel Bjerg

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock