Prólogo de Oron anima arranque da Volta à Romandia!

Arranca hoje a 75ª edição do Tour de Romandie, a corrida por etapas disputada na região francófona da Suíça.

O traçado da edição de 2021 segue o esquema habitual da prova, com um prólogo a abrir e um contrarrelógio a fechar e com etapas de média e alta montanha a comporem as restantes tiradas.

Percurso da 75ª edição da Volta à Romandia

O campeão em título da competição é o esloveno Primoz Roglic, que triunfou em 2018 e 2019, com a prova a ser cancelada em 2020 fruto das contingências associadas à pandemia de Covid-19. Na edição deste ano, o líder da Jumbo-Visma não irá estar presente, pelo que não estará em risco o recorde de três vitórias na Volta à Romandia, pertença do irlandês Stephen Roche, que triunfou em 1983, 1984, e 1987.

De qualquer forma, a startlist da prova está bem recheada de grandes nomes, que irão certamente dar um enorme espetáculo ao longo dos seis dias de competição.

Entre os principais favoritos estão Geraint Thomas e Richie Porte (vencedor em 2017), com a Ineos Grenadiers a apresentar um forte alinhamento no apoio aos seus líderes. Junto de Thomas e Porte estarão, entre outros, Rohan Dennis e Filippo Ganna, dois dos melhores contrarrelogistas do mundo, que têm nesta prova duas oportunidades de brilharem a título individual.

Entre os homens que poderão desafiar a Ineos, refiram-se Sepp Kuss e Steven Kruijswijk (Jumbo-Visma), Miguel Ángel López e Marc Soler (Movistar), Wilco Kelderman (BORA-hansgrohe), Jack Haig e Damiano Caruso (Bahrain-Victorious), Clément Champoussin e Ben O’Connor (AG2R Citröen), Fausto Masnada e Mattia Cattaneo (Deceuninck-Quick Step), Michael Woods (Israel Start-Up Nation), Ion Izagirre (Astana-Premier Tech), além claro de Rui Costa (UAE-Team Emirates).

O campeão português não estará, porventura, entre os principais favoritos à vitória na classificação geral, mas terá certamente uma palavra importante a dizer em termos de luta por etapas, assim como Marc Hirschi e Diego Ulissi, que integram também a formação dos emiratos.

Refira-se ainda a presença de nomes incontornáveis do desporto, como Peter Sagan, Stefan Küng, Philippe Gilbert, e claro Chris Froome, embora seja ainda uma incógnita se teremos uma melhoria na forma recente do tetracampeão do Tour de France.

Prólogo

A Volta à Romandia arranca com um prólogo de 4.05 km, corridos na localidade de Oron. Apesar da curta extensão do percurso, no último quarto de etapa a estrada começa a subir, o que pode estragar os planos dos roladores mais pesados. A subida final apresenta cerca de 800 m a 7.6 % de inclinação, o que certamente terá impacto no desfecho da etapa.

Perfil do prólogo do Tour de Romandie

Favoritos

Uma vez que se trata de uma prova onde os contrarrelógios, tradicionalmente, têm um forte peso, diversos especialistas marcam presença à partida em Oron. Note-se que os prólogos começam a ser cada vez mais raros nas grandes competições velocipédicas internacionais, pelo que começam também a escassear as referências entre os melhores ciclistas do mundo. Além disso, as características específicas deste prólogo tornam ainda mais difícil de apontar um grande favorito.

Pesando os diversos fatores e a forma atual dos ciclistas, apontamos para Stefan Bissegger (EF Education-Nippo) como grande favorito a vencer este prólogo. O homem da casa tem estado em grande nível, como mostrou no mês de março com a vitória no contrarrelógio do Paris-Nice, e terá certamente debaixo de olho a competição romanda, onde as duas provas de esforço individual o podem favorecer.

Outro forte contrarrelogista que pode tirar partido da subida para se superiorizar aos roladores mais pesados é Geraint Thomas (Ineos), ele que tentará arrancar já na pole position face à restante concorrência.

Claro que, mesmo com a subida, não se podem menosprezar os grandes especialistas do contrarrelógio numa distância tão curta. Assim, na lista de favoritos seguem-se mais dois Ineos: Rohan Dennis e, claro, o campeão mundial da especialidade, Filippo Ganna.

Na luta pela etapa estará uma mescla de corredores, desde contrarrelogistas que sobem bem até trepadores com boa capacidade para rolar, passando por sprinters com punch para a subida. Falamos de nomes como: Patrick Bevin, Jan Tratnik, Peter Sagan, Richie Porte, Stefan Küng, Ion Izagirre, Marc Hirschi, Magnus Cort, Remi Cavagna, Josef Cerny, Damiano Caruso, Wilco Kelderman, Tom Bohli, ou ainda Rui Costa. O campeão português não será o melhor contrarrelogista do pelotão, mas defende-se muito bem na especialidade, e tem versatilidade mais do que suficiente para poder brilhar neste percurso perante a difícil concorrência, tentando já colocar-se numa posição que o permita atacar a liderança da prova nos próximos dias.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Stefan Bissegger

⭐⭐⭐⭐ Geraint Thomas e Rohan Dennis

⭐⭐⭐ Filippo Ganna, Patrick Bevin, e Jan Tratnik

⭐⭐ Peter Sagan, Richie Porte, Stefan Küng, e Ion Izagirre

⭐ Marc Hirschi, Magnus Cort, Remi Cavagna, Josef Cerny, Damiano Caruso, Wilco Kelderman, Tom Bohli, e Rui Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Um sprint na roleta!

A 7ª etapa do Giro d’Italia apresenta um percurso de 181 km, com partida em Notaresco e chegada em Termoli, numa tirada corrida ao longo da costa do Mar Adriático. O perfil da jornada será algo sinuoso na primeira metade da etapa, com destaque para a subida de 4ª categoria em Chieti. A partir desse […]

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock