Preparados para mais um round na luta pela Volta a Espanha?

Depois da vitória de Michael Woods na etapa 7 da La Vuelta, a prova continua com uma jornada que promete ser importante na luta pela geral! A 8ª etapa apresenta uma ligação de 164 km entre Logroño e Alto de Moncalvillo que inclui duas contagens de montanha: uma 2ª categoria e depois a 1ª categoria final, coincidente com a meta, com uns exigentes 11.3 km a 7.6%!

Perfil da 8ª etapa da Volta a Espanha

Ao contrário da etapa de ontem, esta deverá ser uma jornada para ser discutida pelos homens da geral. Entre os favoritos, ficou a ideia na etapa 6 que um dos melhores trepadores da Vuelta neste ponto é Hugh Carthy (EF Pro Cycling), pelo que o britânico será um perigo na subida final. Além disso, apesar de na teoria estar atrás de Roglic e Carapaz em termos de favoritismo, Carthy pode aproveitar alguma marcação que exista entre os dois maiores galos do pelotão, atacando para a vitória.

Depois de ter perdido tempo na etapa 6, caindo de 1º a 4º da geral, Primoz Roglic deverá querer começar já a recuperar a sua posição na tabela, pelo que a Jumbo-Visma poderá ter ideias para esta etapa. Ao contrário do Tour de France, no entanto, a equipa não deverá tentar controlar o pelotão, pois já terá percebido que não está superior às outras formações, em especial a INEOS. Assim, tendo em vista um ataque de Roglic na subida final, a equipa holandesa poderá optar por lançar na frente homens como Sepp Kuss ou especialmente George Bennett. O neozelandês está a 2:39 de Carapaz, pelo que pode ser um bom trunfo para um ataque que obrigue a INEOS a desgastar-se.

Entre os melhores da jornada deverá estar também o líder, Richard Carapaz, sendo que a INEOS deverá tentar puxar pelo pelotão ao máximo, em especial na subida final, de modo a tentar enfraquecer as restantes equipas. Além do mais, Carapaz sabe que tem que colocar algum tempo em Roglic, especialmente antes do contrarrelógio. Estamos numa espécie de segunda mão deste duelo entre Jumbo-Visma e INEOS, depois da goleada que a equipa holandesa infligiu na Volta a França, mesmo que tal não se traduzisse na vitória final. Desta feita, a INEOS mostra-se bem mais forte nas estradas espanholas, embalada também por um tremendo Giro d’Itália onde dominaram em toda a linha, uma prova que a Jumbo abandonou bem prematuramente.

Existem diversos candidatos a poder atacar a vitória nesta etapa, em especial aqueles corredores que já perderam algum tempo, possuindo assim alguma margem de manobra, e que nalguns casos parecem estar em subida de forma. Falamos por exemplo de David Gaudu (Groupama-FDJ) e Wout Poels (Bahrain-McLaren), que poderão aproveitar estar a 3 minutos de Carapaz para ter alguma liberdade perto do final, ou mesmo de Aleksandr Vlasov (Astana), ainda a mais de 6 minutos.

Também na discussão deverão estar Dan Martin (Israel Start-Up Nation), Esteban Chaves (Mitchelton-Scott), e claro a tripla da Movistar: Enric Mas, Marc Soler, e Alejandro Valverde. O campeão espanhol mostrou ontem estar num bom nível, depois das fragilidades mostradas na etapa 6, pelo que será uma incógnita o que irá fazer. Se Valverde estiver no pelotão perto do final será um lógico candidato no assomo à meta.

No caso de uma fuga vir a triunfar, torna-se complicado de prever quem poderão ser os corredores em fuga. O principal candidato parece ser Guillaume Martin, que terá uma boa oportunidade de ganhar pontos importantes a Tim Wellens na classificação da montanha, num final ao seu jeito, ao contrário do que achará o belga.

Uma forte possibilidade será a de vermos corredores da Jumbo lançados na frente. Uma vez que o poderio da equipa holandesa não parece ser superior ao da INEOS, a estratégia deverá ser diferente do habitual controlo apertado do pelotão. Como vimos na etapa 6 o bloco da Jumbo está uns furos abaixo do que apresentou no Tour, pelo que a equipa não pode correr o risco de ficar sem ninguém junto a Roglic novamente. Assim, a possibilidade de um ciclista como Sepp Kuss ou George Bennett estar na frente é bem real e ambos teriam uma chance muito grande de vencer a etapa, e Kuss em especial, terá também ele interesse nos pontos da montanha. Os dois escudeiros de Roglic serão também candidatos a vencer caso o pelotão discuta a jornada.

Depois da vitória ontem, Michael Woods candidata-se a poder repetir a dose, seja através da fuga seja por um ataque perto do fim. Destaquem-se ainda nomes como Nans Peters, Davide Formolo, Ion Izagirre, Omar Fraile, ou ainda o jovem Clement Champoussin, um corredor com capacidade de poder alcançar um bom resultado tanto a partir da fuga como na eventualidade do pelotão discutir a etapa.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Hugh Carthy

⭐⭐⭐⭐ Primoz Roglic e Richard Carapaz

⭐⭐⭐ David Gaudu, Wout Poels, e Aleksandr Vlasov

⭐⭐ Dan Martin, Esteban Chaves, Enric Mas, Marc Soler, e Alejandro Valverde

⭐ Sepp Kuss, George Bennett, Guillaume Martin, Michael Woods, Nans Peters, Davide Formolo, Ion Izagirre, Omar Fraile, e Clement Champoussin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock