Paris Nice Etapa 2 – Fará o vento francês mossa aos sprinters?

Sam Bennett (Deceuninck – QuickStep) mostrou que não está enferrujado e continuou o seu início de temporada sublime, conquistando sua terceira vitória em sua quatro chegadas ao sprint no primeiro dia do Paris – Nice. O irlandês ainda terá a oportunidade de fazê-lo novamente na 2ª etapa de segunda-feira, onde a jornada em direção ao “sol” começa com uma etapa de caraterísticas de clássica, num belo dia de sol com algum vento que poderá criar algumas dificuldades e cortes.

A segunda etapa, com 188km, desde Oinville-sur-Montcient até Amilly, apresenta um percurso quase sempre plano, em que o vento deverá aparecer e, quem sabe, fazer a diferença. A cidade inicial é um subúrbio a oeste de Paris e, como vimos na 1ª etapa, o terreno a oeste da cidade não é totalmente plano. Portanto, existem algumas pequenas colinas, mas após os primeiros 30km, o percurso torna-se quase totalmente plano. A única exceção acontece na cidade de Rambouillet, depois de 44.9km percorridos, até se atingir o início de uma pequena escalada de terceira categoria, o Cote des Granges-le-Roi, com 1.3 km a 4% de pendente média, tendo como máximo 6.4% nos últimos 500m.

O primeiro sprint do dia acontece após 91.3km percorridos, mas a planície não muda, e apesar de um pouco mais acidentada ao redor da cidade de Bellegarde, logo volta a ficar totalmente plana no último trecho da corrida em direção a Amilly. Nesta zona final existe uma pequena colina antes da entrada do último km, e o final terá um conjunto de curvas fechadas, a 3km, a 1.6km e a 400m da meta, que deverão ser fundamentais para os sprinters garantirem uma boa colocação para o sprint final.

Amilly foi visitada por quatro vezes nos últimos anos e o mais recente foi em 2017, quando Sonny Colbrelli (Bahrain – Merida), após um dia de vento forte, bateu John Degenkolb (Lotto Soudal) e Arnaud Demare (FDJ) num sprint reduzido. Em 2011 tivemos um sprint massivo, com Greg Henderson (Sky Procycling) vencendo à frente de Matthew Goss (Team HTC – Highroad) e Denis Galimzyanov (Katusha Team). Já em 2009, a corrida começou com um prólogo na cidade, com Alberto Contador (Astana) a bater Bradley Wiggins (Garmin – Slipstream) por 7s, e Luis Leon Sanchez (Caisse d’Epargne) por 9s. Também em 2008, um prólogo com Thor Hushovd (Credit Agricole) a bater Markel Irizar (Euskaltel – Euskadi) por 5s e Stefan Schumacher (Gerolsteiner) por 6s.

Perfil

Perfil da Etapa 2

Favoritos

As equipas com interesses na etapa assumirão a corrida juntamente com a Deceuninck e controlarão o pelotão. Se há equipa que sabe controlar bem este tipo de etapas é a equipa belga e se houver cortes o seu líder estará lá. No UAE Tour, na etapa 1, Bennett ficou cortado, mas o resto da equipa estava presente, enquanto que na última etapa foi praticamente o contrário, mas o desfecho foi a junção. Michael Matthews foi ontem buscar 5s de bonificação nos sprints intermédios, e hoje procurará fazer o mesmo. Ao sprint ele não é capaz de vencer contra estes homens, mas pode começar a subir lugares na classificação geral. Depois do primeiro sprint intermédio os corredores estarão muito atentos, já que é uma zona propicia a cortes. O final é bastante técnico e o posicionamento será crucial, Morkov se estiver num bom dia dará 50% da vitória ao seu companheiro irlandês.

É por isso Sam Bennett novamente o principal favorito à vitória de hoje. A equipa procurará deixá-lo melhor que ontem, já que as condições no final são bem diferentes, e, na ausência de problemas, Bennett deverá conseguir bater a concorrência.

O seu maior adversário hoje será Mads Pedersen. Não que Arnaud Demare também não o seja, mas o dinamarquês pode dar-se melhor sozinho numa chegada técnica, e se a equipa o ajudar, mais possibilidades terá. Por outro lado, não sabemos a condição que Miles Scotson apresentará hoje, depois da queda de ontem, e poderá ser um homem a menos no comboio francês. Para além disso, Demare não está ainda tão a topo como parecem Pedersen e Bennett.

O comboio da Bora voltou a impressionar ontem, mas sem sucesso para Pascal Ackermann. O alemão ainda não está no ponto e andar às cotoveladas não é a solução. Ainda assim, o seu poder de aceleração hoje pode fazer a diferença nos 400m finais. Jasper Philipsen é também um homem a ter em atenção. Ontem foi brilhante sem grande ajuda e hoje poderá fazer o mesmo, agora com a camisola branca da juventude. O jovem belga ainda não tem as velocidades que os restantes têm, mas tecnicamente para o posicionamento não há ninguém como ele. Por último, mas não menos importante, Giacomo Nizzolo, ele que sempre gostou dos finais técnicos e pode ter aqui a grande chance de vencer. A Clasica de Almeria até pode trazer boas recordações ao campeão europeu e motivá-lo para a vitória. Menção final para Michael Matthews que hoje poderá aparecer ao sprint e quem sabe saltar para a liderança.

Depois do que se viu ontem com a UAE Emirates, não podemos nomear ninguém a favorito. Com tão bons corredores a equipa não sabe como aproveitar a qualidade que tem para estes dias, e se Alexander Kristoff não é capaz de disputar o sprint, talvez seja a hora de deixar que outros ciclistas tenham a sua oportunidade.

Favoritos Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Sam Bennett
⭐⭐⭐⭐ Arnaud Demare e Mads Pedersen
⭐⭐⭐ Pascal Ackermann, Jasper Philipsen e Giacomo Nizzolo
⭐⭐ Michael Matthews, Ben Swift, Phil Bauhaus e Cees Bol
⭐ Nacer Bouhanni, Danny van Poppel, Rudy Barbier, Christophe Laporte e Bryan Coquard

Presença Portuguesa

Em prova estarão dois portugueses: Rui Costa (153) e Rui Oliveira (156), pela UAE Team Emirates.

Transmissão e Horas de Partida

A Eurosport1 terá transmissão a partir das 13h15.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock