No fio da navalha!

Disputa-se hoje a 21ª e última etapa da 103ª edição do Giro d’Itália, com um contrarrelógio plano disputado num percurso urbano de 15.7 km entre Cernusco sul Naviglio e Milão.

Perfil do contrarrelógio da 21ª etapa da Volta a Itália

Na luta pela camisola rosa, as coisas não podiam estar mais equilibradas! Pela primeira vez na história das grandes voltas, os dois primeiros classificados da classificação geral estão empatados à partida para a última jornada! O australiano Jai Hindley (Sunweb) é 1º e o britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS) 2º, com o 3º classificado, Wilco Kelderman (Sunweb), a 1:32 da dupla de líderes.

O perfil dos corredores aponta no sentido de Hart ter vantagem sobre Hindley na disciplina de contrarrelógio. Na etapa 14, o contrarrelógio mais longo da prova e onde, ao contrário do contrarrelógio do primeiro dia, já havia interesses pela parte destes corredores em ir a fundo, Hart ganhou mais de um minuto a Hindley. Veremos o que acontece nesta etapa. Hart terá vantagem mas, como se diz, a rosa pode dar asas a Hindley.

De qualquer forma, a Sunweb corre o risco de fazer apenas 2º e 3º neste Giro! Recorde-se que a equipa optou por deixar o nº 2 da equipa seguir Hart nas duas últimas etapas de montanha, isolando o líder Kelderman. É legítimo especular que se Hindley tem ficado com Kelderman, o holandês teria neste momento uma desvantagem menor do que 1:32 para Hart e uma possibilidade de o ultrapassar no contrarrelógio. Se há uns dias, Kelderman era o grande favorito, neste momento esse estatuto está claramente do lado de Geoghegan Hart, ele que veio a este Giro para ser um dos capitães de Geraint Thomas, um dos azarados da prova, desistindo após queda.

No 4º posto da geral está Pello Bilbao (Bahrain-McLaren), a 2:51 da rosa e a 1:19 do pódio, onde terá muitas dificuldades de chegar.

Na 5ª posição está o português que liderou o Giro durante 15 dias, João Almeida (Deceuninck-Quick Step), a 3:14 do 1º posto mas a apenas 23 segundos do 4º lugar, algo que realisticamente o corredor das Caldas da Rainha pode aspirar a alcançar! A sua participação neste Giro já é histórica a muitos níveis e terminar em 5º ou 4º não será relevante para tamanha demonstração de qualidade, logo na sua primeira grande volta. No entanto, é claramente possível a Almeida ganhar os segundos necessários para ultrapassar Bilbao, juntando mais um feito à sua épica epopeia!

Em relação à luta pela etapa, é inegável que um nome surge acima de todos os outros: o campeão italiano e mundial de contrarrelógio, vencedor de 3 etapas neste Giro, Filippo Ganna (INEOS). O ciclista transalpino tem estado num nível à parte de toda a concorrência nas provas contra o relógio durante todo o ano. Em seis contrarrelógios disputados esta temporada, Ganna venceu cinco, perdendo apenas um para Remco Evenepoel, ainda em Janeiro. Desde então, vitórias nos nacionais, no Tirreno-Adriático, nos mundiais, e mais duas neste Giro. Junte-se ainda uma vitória numa etapa em linha nestas três semanas e um grande trabalho em prol da equipa nos últimos dias, e temos uma senhora época para o italiano de 24 anos.

Refira-se que a INEOS chega ao último dia com a possibilidade de vencer a 7ª etapa da prova (um terço das tiradas!) e de triunfar na geral com um corredor que, antes do Giro começar, estava bem longe de ser um dos principais favoritos.

Aliás, o principal rival de Ganna neste último dia será possivelmente o companheiro de equipa, que em tão boa forma tem estado e que tanto tem contribuído para a luta de Hart na geral, o australiano, duas vezes campeão mundial de contrarrelógio, Rohan Dennis.

A vitória deverá ser discutida pelos dois INEOS, podendo um ou outro ciclista, que esteja ainda fresco depois de três semanas de competição, intrometer-se na luta. Um deles pode muito bem ser o checo Josef Cerny (CCC), ele que é um excelente contrarrelogista e está num bom momento de forma, como mostrou com a vitória a partir da fuga na etapa 19. O segundo nessa etapa foi outro nome que pode estar hoje em destaque, o belga Victor Campenaerts (NTT), e nessa fuga seguia ainda mais um candidato, o britânico Alex Dowsett (Israel Start-Up Nation).

Depois de um Giro d’Itália absolutamente histórico para si e para Portugal, João Almeida chega ao contrarrelógio de Milão a 23 segundos do 4º lugar. Será uma nação inteira que estará a apoiar o lusitano rumo ao melhor resultado absoluto de sempre de um português no Giro, sendo que pelo menos a melhor prestação de sempre já será igualada (5º lugar de José Azevedo em 2001). Almeida foi 2º no primeiro contrarrelógio e 6º no segundo, pelo que o português irá certamente estar entre os melhores, fruto também da boa forma e frescura física que demonstrou ontem.

No último dia de competição de uma grande volta, as forças costumam estar mais equilibradas entre especialistas e não-especialistas, no entanto, a startlist deste Giro apresentava diversos nomes fortes do contrarrelógio e muitos deles estarão certamente em busca de poder explorar as fragilidades dos adversários neste dia. Além dos já referidos, podemos juntar Jonathan Castroviejo, Matthias Brändle, Jan Tratnik, Chad Haga, Miles Scotson, Mikkel Bjerg, e claro o Rei da Fuga, o Duracell-Man, Thomas de Gendt!

Em relação aos homens da geral, além de Almeida, as melhores performances deverão surgir da parte de Brandon McNulty, Wilco Kelderman, e do próprio Tao Geoghegan Hart que terá pela frente os 15 km da sua vida!

Favoritos Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Filippo Ganna
⭐⭐⭐⭐ Rohan Dennis e Josef Cerny
⭐⭐⭐ Victor Campenaerts, Alex Dowsett, e João Almeida
⭐⭐ Jonathan Castroviejo, Matthias Brändle, Jan Tratnik, e Chad Haga
⭐ Miles Scotson, Mikkel Bjerg, Thomas de Gendt, Brandon McNulty, Wilco Kelderman, e Tao Geoghegan Hart

Podes acompanhar a etapa em direto na Eurosport!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock