Não há duas sem três!

Depois de uma 5ª etapa, que fica marcada pela vitória de Caleb Ewan e o abandono de Mikel Landa, o Giro d’Italia prossegue com a disputa da 6ª jornada, um desafio de 160 km na região dos Apeninos, com partida em Grotte di Frasassi e chegada em Ascoli Piceno (San Giacomo).

A primeira metade da jornada não será muito exigente, embora seja pontuada com algumas curtas subidas, que prometem moer as pernas dos ciclistas antes das principais dificuldades do dia. Sensivelmente a meio do percurso, o pelotão enfrenta uma contagem de 2ª categoria, com 9.8 km a 7.7 % de inclinação média, seguindo-se uma 3ª categoria, antes da longa descida que leva os corredores até à subida para San Giacomo, uma ascensão de 2ª categoria, com uns bem respeitáveis 15.6 km, a 6 % de pendente média.

Perfil da 6ª etapa da Volta a Itália

Favoritos

Esta é uma etapa com um perfil bem apetecível para a fuga voltar a tentar a sua sorte. Estamos numa fase ainda precoce deste Giro, mas já por duas vezes os fugitivos conseguiram iludir o pelotão. Tendo em conta que existem já muitos ciclistas com bastante tempo perdido, tudo leva a crer que diversos corredores tenham esta etapa debaixo de olho. O cenário mais provável será a formação de uma fuga forte, que irá sendo eliminada durante a jornada, mas que poderá ter margem para triunfar.

A equipa do líder Alessando de Marchi, a Israel Start-Up Nation, verá com bons olhos o cenário de um fuga (que seja inofensiva para a geral) levar a etapa e os segundos de bonificação, tornando a subida final o mais tranquila possível para o pelotão, o que garantiria mais um dia de rosa para “Il Rosso di Buja”. Resta saber se equipas como a Ineos ou a Astana estarão interessadas em perseguir uma fuga forte e tentar a vitória na etapa, sendo que se estarão a desgastar em demasia, apenas para selecionar uma subida que, embora seja longa, não tem muita inclinação, o que poderá atrair um lote elevado de candidatos à vitória, que tirariam partido do trabalho de quem esteve a perseguir todo o dia.

Assim, iremos apontar para Bauke Mollema, da Trek-Segafredo, como principal candidato ao triunfo. O corredor holandês está em busca da vitória que lhe falta, em termos de etapas de grandes voltas, tendo perdido mais de 13 minutos na etapa de Sestola, colocando-se fora do contexto da geral. Além disso, as características do percurso e da subida final são apropriadas a Mollema, o que lhe poderá dar superioridade sobre os companheiros de fuga.

No mesmo sentido, refiram-se outros dois nomes com perfil para triunfar numa etapa deste género: o colega de equipa de Mollema, Gianluca Brambilla, e ainda o homem da BORA-hansgrhoe, Felix Grossschartner.

A lista de candidatos a poder concretizar a movimentação da jornada é extensa, sendo possível destacar os nomes de Rudy Molard, Harm Vanhoucke, Clement Champoussin, Geoffrey Bouchard, Gorka Izagirre, Sebastien Reichenbach, Jefferson Cepeda, Matteo Fabbro, Nicolas Roche, ou Matej Mohoric.

No caso de a etapa acabar por ser discutida pelos favoritos, em especial num sprint em subida, destaquem-se Dan Martin, Egan Bernal, Giulio Ciccone, Remco Evenepoel, Simon Yates, e claro João Almeida, que após uma jornada tranquila poderá já ter recuperado do dia menos bom que teve na 4ª etapa, na subida para Sestola, sendo um claro candidato à vitória nesta etapa se estiver perto da frente no final. Refira-se que o 31º lugar do ciclista da Deceuninck Quick-Step na geral, e os 5:38 de desvantagem para De Marchi, não são suficientes para o Canibal das Caldas ter carta branca para integrar a fuga da jornada.

Em relação aos outros dois portugueses em prova, note-se, no caso de Ruben Guerreiro, que o ciclista de EF Education-Nippo não está muito atrasado na geral (31º a 3:16), pelo que não será um corredor com liberdade para integrar uma fuga que ganhe alguns minutos de vantagem. Será, possivelmente, um dia para estar junto do líder da equipa, Hugh Carthy, sendo que não é impossível de ver o Iceman de Pegões bem colocado se o pelotão discutir a etapa, embora seja difícil de o imaginar a bater toda a concorrência num final tão inclinado.

Já Nelson Oliveira (Movistar), que ocupa nesta altura um estupendo 3º lugar da CG, será uma jornada em que tentará principalmente manter-se no grupo principal e não perder tempo nem o seu excelente posto. Será até do interesse da Movistar colocar um ou mais ciclistas na fuga, contribuindo para a vitória da mesma e para um dia tranquilo no pelotão.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Bauke Mollema

⭐⭐⭐⭐ Gianluca Brambilla e Felix Grossschartner

⭐⭐⭐ Rudy Molard, Harm Vanhoucke, Clement Champoussin, Geoffrey Bouchard, e Gorka Izagirre

⭐⭐ Sebastien Reichenbach, Jefferson Cepeda, Matteo Fabbro, Nicolas Roche, ou Matej Mohoric

⭐ Dan Martin, Egan Bernal, Giulio Ciccone, Remco Evenepoel, Simon Yates, e João Almeida

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock