Motores a postos para o primeiro sprint!

Depois de dois dias ao gosto dos puncheurs do pelotão, a 3ª etapa do Tour de France traz a primeira oportunidade para os sprinters. O percurso inclui 182.9 km, com partida em Lorient e chegada em Pontivy, num dia praticamente plano, com exceção de algumas pequenas subidas, duas delas de 4ª categoria, mas que não deverão ser suficientes para impedir uma chegada em pelotão compacto.

Perfil da 3ª etapa da Volta a França

Note-se que existem algumas curvas apertadas dentro dos 3 km finais, que irão exigir bom posicionamento por parte daqueles que queiram discutir a vitória, mas o derradeiro km será a direito, o que permitirá um sprint em potência, ao gosto dos grandes especialistas.

Favoritos

Na pole position para esta primeira chegada massiva está o Pocket Rocket australiano, Caleb Ewan, ele que tão boa conta deu de si no Giro e, mais recentemente, na Volta à Bélgica, vencendo duas etapas em cada uma das competições.

Neste momento, é difícil de apontar alguém ao mesmo nível do homem da Lotto Soudal, e uma das principais razões prende-se com o estado físico do único que parece ter velocidade de ponta para o bater: Tim Merlier. O belga da Alpecin-Fenix viu-se envolvido nas quedas do primeiro dia e sabe-se que corre com lesões no tornozelo e na coxa, o que pode minar decisivamente as suas hipóteses. De qualquer forma, se estiver em condições de sprintar, será um dos grandes candidatos, especialmente devido ao super comboio que terá ao seu serviço.

O alinhamento da formação belga é tão forte para as chegadas ao sprint, que nos faz apontar para outro velocista da equipa como candidato a poder fazer frente a Ewan. Falamos de mais um belga, Jasper Philipsen, um homem que já mostrou estar entre os melhores sprinters da atualidade, acumulando nesta temporada duas vitórias na Volta à Turquia e ainda o título na Scheldeprijs.

Refira-se depois um corredor que surge como uma fénix renascida das cinzas, alguém que terá nesta altura muitos milhões de fãs pelo mundo a torcer por si e pela hipótese de ver história ser feita diante dos seus olhos. Falamos, claro, do Manx Missile, Mark Cavendish, ele que foi chamado à última da hora para ser o sprinter da Deceuninck Quick-Step e que tentará trazer para o Tour a boa forma mostrada recentemente. O britânico voltou aos triunfos nesta temporada, colecionando quatro vitórias na Volta à Turquia e mais uma na Volta à Bélgica, apresentando-se no Tour com a mente focada num dos mais míticos recordes da história do ciclismo: as 34 vitórias em etapas no Tour, pertença do “GOAT”, Eddy Merckx. Cavendish tem 30 triunfos e estará certamente nas nuvens perante as oito hipóteses que terá ao seu dispor durante as três semanas de Tour, tendo uma chance real de ameaçar o recorde do “Canibal”, algo que durante muito tempo terá sido somente uma miragem. O britânico mostrou ontem as suas intenções também para a camisola verde, ao discutir o sprint intermédio com Ewan, o que garante que iremos ver muitas vezes em ação este veterano, que marcou uma era, e que tem de ser incluído em qualquer discussão sobre os melhores sprinters da história.

Entre os restantes candidatos a discutir as posições cimeiras da etapas, refiram-se nomes como Arnaud Demare, Wout Van Aert, Peter Sagan, Cees Bol, Nacer Bouhanni, Mads Pedersen, Sonny Colbrelli, Danny van Poppel, Michael Matthews, André Greipel, Bryan Coquard, Christophe Laporte, ou Max Walscheid.

Favoritos Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Caleb Ewan
⭐⭐⭐⭐ Tim Merlier e Jasper Philipsen
⭐⭐⭐ Mark Cavendish, Arnaud Demare, e Wout Van Aert
⭐⭐ Peter Sagan, Cees Bol, Nacer Bouhanni, e Mads Pedersen
⭐ Sonny Colbrelli, Danny van Poppel, Michael Matthews, André Greipel, Bryan Coquard, Christophe Laporte, Max Walscheid

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock