Madrid dá também o mote para o final da temporada feminina de estrada!

O calendário Women World Tour irá ter a sua última corrida a coincidir com o final da La Vuelta a España. A 6ª edição do Madrid Challenge by La Vuelta será a prova que irá encerrar a temporada do pelotão World Tour feminino com 3 dias de corrida a levarem à capital espanhola, numa corrida que é sempre muito atacada e animada pelas senhoras mais rápidas do pelotão.

Depois de 3 anos sendo apenas uma prova de 1 dia, e de no ano de 2018 ter sido introduzido um curto contrarrelógio individual, o ano de 2020 marca a adição de mais uma etapa a esta prova, que passa assim a ter 3 tiradas que irão colocar o pelotão à prova e certamente serão muito animadas, com as principais equipas a quererem fechar a temporada em grande.

Perfil da Primeira Etapa

O primeiro dia de prova é já hoje, e conta com uma ligação de 82km entre Toledo e Escalona. Apesar de não contarmos com subidas categorizadas, será um dia muito armadilhado e em que poderão existir diferenças que impossibilitarão algumas ciclistas de discutir a classificação geral. A meio da etapa uma subida de cerca de 4km poderá ser a rampa para a existência de ataques, e cortes no pelotão, mas desengane-se quem pensa que o final é plano, já que os últimos 600m terão pela frente uma pendente a 5.5-6%, que verá as ciclistas mais explosivas tentarem atacar em buscar da vitória na etapa e da primeira camisola de líder.

Entre as principais candidatas destaca-se Annemiek van Vleuten, ela que faz aqui a sua última corrida, para se despedir da formação da Mitchelton – Scott ao fim de cinco temporadas em que ganhou tudo o que havia para ganhar. A Ceratizit aposta em Lisa Brennauer para lutar pela geral, ela que venceu a edição de 2019 da prova, e que será certamente uma das principais concorrentes para Vleuten. Da Sunweb as ameaças chegam de 3 ciclistas distintas. Lorena Wiebes é rápida e explosiva, e já provou que consegue passar finais deste estilo, mas também Liane Lippert gosta destas rampas explosivas, e dispõe de uma capacidade de mudança de ritmo que poderá deixar as adversárias a pé. Já Leah Kirchmann é, das três, a que teve a pior temporada, mas poderá aqui também tentar salvar a época e aproveitar a existência do contrarrelógio para lutar por um lugar no top10 final.

A Trek apresenta apenas 4 ciclistas, e terão também uma boa dor de cabeça para decidir a liderança da equipa. Se por um lado Letizia Paternoster é uma das melhores sprinters do pelotão, não sabemos qual a sua capacidade atualmente para ultrapassar rampas como a que nos presenteia o final de hoje, já que a temporada da italiana foi marcada por várias lesões das quais já parece estar plenamente recuperada. Elisa Longo Borghini é mais uma ciclista que tem capacidade de vencer em rampas destas, mas é em Ellen van Dijk que recaem mais atenções, já que a holandesa tem no contrarrelógio a sua principal arma, e se não perder tempo hoje, pode também no domingo jogar com as bonificações dos diversos sprints para sair de Madrid com a vitória final. Na Valcar destacam-se as presenças de Elisa Balsamo e de Chiara Consonni, duas das melhores sprinters do pelotão internacional e que trabalhando em conjunto poderão ser uma grande dor de cabeça para as rivais no lançamento e discussão dos sprints. Já na Ale BTC Ljubljana, a presença de Marta Bastianelli permite fazer a equipa sonhar com vitórias de etapa e uma boa classificação final, mas a ex-campeã do Mundo está também a ter uma temporada que ficou marcada pelas lesões e tem no contrarrelógio um dos seus principais pontos fracos que lhe podem retirar essa ambição de estar no top10 da classificação geral final. Por fim, a Canyon SRAM parece que irá apostar em Alice Barnes, ela que tem capacidade de bons resultados nas três etapas da prova, mas atenção também à americana Alexis Ryan que poderá discutir etapas se a sorte não estiver do lado da britânica.

Perfil da Segunda Etapa

No segundo dia as ciclistas enfrentarão um contrarrelógio individual de 9.3km, que como habitual decorrerá nas estradas de Boadilla del Monte, e será praticamente todo ele plano. Annemiek van Vleuten é claramente a maior favorita para vencer, e se juntar também a vitória do dia anterior poderá desde logo sentenciar a luta pela classificação geral. Lisa Brennauer e Ellen van Dijk serão as suas principais adversárias na luta contra o cronómetro, e ambas já venceram a prova espanhola, precisamente nos dois anos em que o contrarrelógio apareceu desde 2018, após terem vencido também o contrarrelógio de Boadilla del Monte. Na Canyon a ameaça chega da jovem Hannah Ludwig, ela que é campeã europeia da especialidade em sub-23 e que será um nome a ter em conta para lutar pelas primeiras 5 posições da etapa. Na Sunweb, Leah Kirchmann deverá ser a ciclista mais capaz para o dia, mas não se descarte os nomes da sua colega de equipa Lorena Wiebes, assim como da italiana Paternoster, que se defendem bem em esforços curtos e rápidos como este, e que poderão até intrometer-se no top10 do dia.

Perfil da Terceira Etapa

O último dia de competição levará as ciclistas ao tradicional circuito de Madrid, ainda antes da etapa final da Vuelta masculina começar, e terá uma extensão de 100km, após 17 voltas ao circuito com 5.88km da capital espanhola. Pelo meio o pelotão terá oito sprints intermédios, a cada passagem par pela linha de chegada, ou seja, no final das voltas 2-4-6-8-10-12-14-16, e que para além de animar a corrida prometem ser decisivos para a luta pela classificação geral final.

De entre as principais candidatas para a etapa final, Lorena Wiebes é o nome que sobressai, ainda para mais com a capacidade que a holandesa tem demonstrado para bater sucessivamente todas as adversárias que ao sprint contra ela se intrometem. Elisa Balsamo e Letizia Paternoster trazem de Itália a maior concorrência à holandesa, e dão força também à nova geração de ciclistas que agora surge, e que aos poucos estão a destronar os grandes nomes do topo da cadeia do pelotão internacional. Marta Bastianelli quererá também ter uma palavra a dizer na discussão da etapa final, e Lisa Brennauer não deverá deixar de lado uma forte hipótese de bonificar, ela que apresenta também uma excelente ponta final, e traz uma equipa que estará completamente ao seu auxílio. Alice Barnes irá ser mais um nome na discussão, colocando a bandeira britânica como uma das candidatas a vencer o dia, apoiada pela americana Alexis Ryan, assim como Sarah Roy da Mitchelton que é a ciclista mais rápida da equipa e poderá ter a oportunidade de discutir a etapa final dada por Vleuten caso a geral esteja já no bolso. Não descartar nunca a holandesa Elle van Dijk que, quer a etapa feche ao sprint, quer lance um ataque nos kms finais, será também um nome a ter em conta para o dia e para a classificação geral final.

Descobre a startlist completa!

A prova não terá, infelizmente, cobertura televisiva em Portugal, pelo que poderás aproveitar os artigos do Ciclismo Mundial para não perderes pitada sobre a corrida espanhola!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock