Loulou contra os monstros nas terras do Astérix!

E chegou o dia! Começa hoje a 108ª edição do Tour de France, a mais importante prova velocipédica do ciclismo internacional! Iniciam-se três semanas que prometem grande espetáculo e muita emoção, onde os pontos de interesse são mais que muitos, a começar pelo confronto de eslovenos, entre Tadej Pogacar e Primoz Roglic.

A Grand Départ irá ocorrer no extremo noroeste de França, na região da Bretanha, mais concretamente em Brest. Os ciclistas irão depois percorrer 197.8 km, em direção a Landerneau, num dia de rompe-pernas, logo a abrir a competição. Os metros planos serão muito poucos, com muitas subidas, incluindo um total de seis ascensões categorizadas, quatro de 4ª categoria e duas de 3ª, a última das quais coincidente com a chegada. A subida final, para Côte de la Fosse aux Loups, representa um desafio de 3.2 km, a 5.4 % de inclinação média, sendo que a pendente tem tendência a suavizar em direção risco de meta.

O perfil da 1ª etapa do Tour de France 2021
A subida para a meta em Landerneau

Os favoritos

O pelotão deste Volta a França representa um verdadeiro quem-é-quem da história recente da modalidade, com velhos e novos valores, todos eles nomes incontornáveis, seja do sprint, da montanha, do contrarrelógio, ou das clássicas.

Para a abertura da edição de 2021, a organização do Tour optou por reservar a primeira camisola amarela para um ciclista puncheur, quem sabe tendo em vista um certo pequeno gaulês. Nas terras que ficaram conhecidas por albergar a aldeia do pequeno Astérix, este poderá ser um início de Tour feito à medida para um irredutível gaulês, o homem do arco-íris, Julian Alaphilippe. O líder da Deceuninck Quick-Step estará certamente a sonhar com esta etapa desde que foi anunciado que a Grand Départ não seria na Dinamarca, mas sim na Bretanha.

Alaphilippe terá, obrigatoriamente de fazer a diferença na parte mais dura da subida ou, pelo, menos, antes do km final. Se não conseguir descarregar a concorrência, arrisca-se depois a ser batido ao sprint, em particular por dois homens que, além de terem punch, têm velocidade para bater qualquer ciclista neste final. Falamos dos dois rivais de longa data, as duas bestas, o campeão belga, Wout Van Aert, e o seu némesis, Mathieu Van der Poel. Será este um dia para mais um capítulo da apaixonante saga de duelos entre os dois?

Entre os principais candidatos a bater um dos três portentos já referidos estão desde logo três homens rápidos que apreciam alguma dificuldade para poderem fazer a diferença: o campeão italiano, Sonny Colbrelli, o campeão eslovaco, Peter Sagan, e o australiano Michael ‘Bling’ Matthews. Resta saber se as partes mais íngremes da fase inicial da subida para a meta não serão demasiado duras para estes corredores, caso a corrida seja atacada por trepadores mais leves.

Nesse particular, refiram-se os dois patrões do Tour, Primoz Roglic e Tadej Pogacar, que serão óbvios candidatos, se a corrida for bastante seletiva. Nenhum deles se negaria a levar uma etapa logo no primeiro dia, o que traria um óbvio boost de moral para a o que aí vem.

Refira-se ainda um dos veteranos do pelotão, alguém que tantas vezes foi apontado como grande favorito, para este tipo de etapas, a grande “Bala”, Alejandro Valverde. Note-se que, na última ocasião que o Tour arrancou de Brest, em 2008, a vitória foi precisamente para o homem da Movistar, num dia que também terminava numa curta subida. O “Papá” Valverde quererá certamente fazer recuar o relógio do tempo, e voltar a envergar a amarela no palco maior do ciclismo.

A Movistar tem nas suas fileiras outro ciclista que se adapta muito bem a estes finais, e que pode ser um claro candidato se estiver em dia sim: Ivan Garcia Cortina.

A Astana terá duas cartas para jogar neste final, com Alex Aranburu e Omar Fraile, um pouco como a própria Emirates, com o referido Pogacar, mas também com o próprio Marc Hirschi, ele que poderá ser a aposta da equipa neste primeiro dia, deixando os ataques tanto do líder da equipa como de ciclistas como Rui Costa para fases mais adiantadas da competição.

A AG2R Citröen terá também duas boas opções, com Greg Van Avermaet e Benoît Cosnefroy, tal como a Israel Start-Up Nation, com Michael Woods e Dan Martin. A Ineos Grenadiers quererá também fazer a sua jogada neste primeiro dia, sendo que, de entre os quatro cavaleiros do apocalipse da equipa britânica, o ciclista protegido na subida final poderá muito bem ser Tao Geoghegan Hart.

Em jeito de palavra final, destaque-se um dos grandes classicómanos deste pelotão, Philippe Gilbert, cujo perfil assenta que nem uma luva nesta jornada, restando saber em que ponto se encontram as pernas da lenda viva belga.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Julian Alaphilippe

⭐⭐⭐⭐ Wout Van Aert e Mathieu van der Poel

⭐⭐⭐ Sonny Colbrelli, Peter Sagan, e Michael Matthews

⭐⭐ Primoz Roglic, Tadej Pogacar, Alejandro Valverde, Ivan Garcia Cortina

⭐ Alex Aranburu, Omar Fraile, Marc Hirschi, Greg Van Avermaet, Benoit Cosnefroy, Sergio Higuita, Michael Woods, Dan Martin, Tao Geoghegan Hart, Philippe Gilbert

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock