Godzilla vs King Kong, Parte II

Disputa-se hoje a 3ª etapa da Corrida dos Dois Mares, o Tirreno-Adriático, com 219 km entre Monticiano e Gualdo Tadino, em mais um dia de sobe e desce. A subida mais relevante da etapa está colocada sensivelmente a meio da jornada, tratando-se novamente do Passo della Croce (4.4 km a 7.5%), a subida que dinamitou a 2ª etapa e onde João Almeida esteve ao ataque. Serão, contudo, mais de 80 km maioritariamente planos até à meta, depois dessa ascensão, pelo que desta feita não deverão ocorrer movimentações relevantes nesse ponto. O final da jornada será bastante técnico e em subida ligeira, com um km final plano mas com várias curvas apertadas antes da meta. Em termos de inclinação, esta será uma jornada mais fácil que a 2ª etapa, mas mais difícil que a 1ª. De qualquer forma, o espetáculo está garantido mais uma vez!

Perfil da 3ª etapa do Tirreno-Adriático

Favoritos

Com Wout Van Aert ainda na liderança da prova italiana, espera-se que a Team Jumbo-Visma assuma as despesas de perseguição e controlo do pelotão ao longo da jornada, impossibilitando que uma fuga possa triunfar. O terreno rugoso e sinuoso seria perfeito para uma escapada vitoriosa, no entanto, além da Jumbo, outras equipas terão debaixo de olho uma chegada em bloco, em particular Alpecin-Fenix e Deceuninck-Quick Step.

No caso da Alpecin, que dispõe de dois sprinters de grande nível, Mathieu Van der Poel e Tim Merlier, é provável que a aposta da equipa seja no gigante holandês, em função das características técnicas deste final. Na 2ª etapa, o final em subida favoreceu claramente Alaphilippe, mas desta feita, os metros finais planos favorecem ciclistas de potência como MVDP e WVA. No frente-a-frente estre os dois titãs, damos o favoritismo a Van der Poel, que quererá certamente correr riscos em busca da vitória, enquanto Van Aert terá uma liderança da classificação geral para se preocupar, além de já ter vencido no 1º dia de prova, pelo que terá menos pressão na luta pela etapa.

De qualquer forma, estamos perante a forte possibilidade de assistirmos a mais um capítulo desta saga de confrontos entre dois dos maiores vultos do ciclismo internacional atual, com uma rivalidade que transpõe diferentes vertentes do ciclismo, mas que mantém sempre a mesma intensidade e o mesmo nível competitivo de topo.

Como referido, esta é uma chegada relativamente fácil em termos de inclinação, o que implica que temos que incluir no rol de favoritos muitos dos homens rápidos presentes neste pelotão. Obviamente não será um sprint convencional, onde os comboios possam controlar a chegada, pelo que o vencedor será um ciclista que se consiga colocar bem, que possua uma equipa forte que o possa proteger, e que tenha aquele kick final para garantir a vitória. A esse respeito, refira-se o nome de Davide Ballerini, que pode ser a aposta da Deceuninck, depois da vitória de Alaphilippe no dia de ontem.

Depois da derrota para WVA no 1º dia, Caleb Ewan quererá certamente redimir-se e, apesar de este não ser um sprint que o favoreça a si ou à equipa da Lotto, o pequeno australiano verá com bons olhos esta chegada, onde a sua capacidade de colocação e a sua capacidade para ultrapassar bem as pequenas inclinações lhe podem garantir uma chance de vencer.

A equipa da Alpecin apostou em Merlier no 1º dia e em Van der Poel no 2º, pelo que não é impossível de acreditar que o líder para esta etapa possa voltar a ser o belga, em função das inclinações menos acentuadas. Tim Merlier está entre os homens mais rápidos deste pelotão e se conseguir colaborar bem com MVDP na chegada deverá ter força para fechar com um sprint forte e vencer a etapa.

Refira-se que as características do final podem dar ideias a Julian Alaphilippe de tentar bisar neste Tirreno-Adriático. Seja através de um sprint nos sinuosos metros finais, seja através de um ataque preciso um pouco de trás, o campeão do mundo tem que ser incluído como um claro favorito, estando obviamente num bom momento de forma e de confiança.

Os restantes favoritos à etapa são um misto de homens rápidos mais pesados e de puncheurs mais leves, sendo que em função do trabalho de colocação podem ameaçar a vitória na etapa. Falamos de homens como: Ivan Garcia Cortina, Andrea Vendrame, Luka Mezgec, Alex Aranburu, Peter Sagan, Greg van Avermaet, Andrea Pasqualon, Davide Cimolai, Robert Stannard, Elia Viviani, Marco Canola, Julien Simon, ou Fernando Gaviria, embora no caso do colombiano seja possível que a abordagem à meta se torne demasiado dura para a sua forma atual.

No caso dos 3 portugueses em prova, será um dia de trabalho para as suas respetivas equipas. João Almeida, depois do dia inglório de ontem, onde por pouco lhe escapou a vitória na jornada, deverá hoje estar mais resguardado tendo em mente os próximos dias de competição. Ivo Oliveira estará na proteção a Pogacar e na preparação da chegada, embora seja difícil de prever quem será a aposta da UAE-Team Emirates para este dia. Nelson Oliveira estará mais uma vez a comandar as operações dentro da Movistar, sendo de prever mais um grande trabalho na frente do pelotão quando a equipa assim o precisar.

Favoritos Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Mathieu van der Poel
⭐⭐⭐⭐ Wout van Aert e Davide Ballerini
⭐⭐⭐ Caleb Ewan, Tim Merlier e Julian Alaphilippe
⭐⭐ Ivan Garcia Cortina, Andrea Vendrame, Luka Mezgec e Alex Aranburu
⭐ Peter Sagan, Greg van Avermaet, Andrea Pasqualon, Davide Cimolai, Robert Stannard, Elia Viviani, Marco Canola e Julien Simon

Presença Portuguesa

Portugal contará com 3 corredores no Tirreno Adriático! São eles João Almeida, com o dorsal 82, Nelson Oliveira com o dorsal 183 e Ivo Oliveira com o dorsal 245.

Transmissão em Direto

Podes acompanhar a corrida em direto na Eurosport 2 a partir das 12h30!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock