Dia de Consagração, mas há uma vitória para os spriters disputarem!

Última etapa da Vuelta, última etapa de provas por etapas do ano e última dia de competição do calendário mundial. É assim que chegamos à 18ª etapa da Vuelta, com uma chegada a Madrid para os sprinters poderem deixar tudo aquilo que não ficou nestas últimas montanhas da semana.

O Hipódromo de la Zarzuela, nos arredores da capital espanhola, vai ser o palco da partida de uma etapa que é praticamente constante algo curta. 140kms separam Madrid de….. Madrid. Os primeiros 100kms irão contornar os suburbios desde o sudoeste da cidade Madrilena (Alcorón, Móstoles, Fuenlabrada, Leganés, Getafe) em direção ao aeroporto de Barajas na ponta nordeste da cidade. Depois disso entram pelo norte da cidade, passando pelos mais emblemáticos locais da capital espanhola. Os ulitmos 5kms do percurso serão percorridos 6 vezes, constando 5 passagens pela meta e perfazendo os 40kms finais da prova.

Favoritos:

É preciso remontara 2014 para não termos uma chegada ao sprint na última etapa, e sempre desde 2015 que a chegada é em Madrid e sempre foi discutida ao sprint. Por isso, só num cenário muito improvável é que teríamos um outro grupo ou um fugitivo a discutir a vitória.

Nesse campo, Sam Bennett deverá querer vingar a vitória que foi tirada a ferros por Fabio Jakobsen na edição do ano passado e a desclassificação na etapa 9 e será sem sombra de dúvidas o corredor que mais apoio terá para alcançar a vitória.

Depois da vitória nos Campos Elísios tentará o triunfo agora na etapa de consagração da Vuelta.

Pascal Ackermann gosta de terminar as epocas da melhor maneira e apesar de uma vitória nesta edição, não está a iludir. Tem um bom comboio e será um dos dois ossos duros de roer de Bennett.

Jasper Philipsen passa assim a ser o segundo osso para Bennett. Venceu em Sanabria de uma forma impressionante e te um comboio de luxo para repetir a proeza – com Ivo e Rui Oliveira prontos para se despedirem do seu melhor amigo belga da melhor forma. Não será surpresa nenhuma a vitória do reforço da Alpecin.

Magnus Cort vem de uma vitória e apesar de preferir terrenos mais acidentados, é um bom km final para o corredor. Certamente não entrará nas contas da vitória, mas cuidado com ele. O mesmo com Max Kanter, que mesmo sendo sub-23, sabe posicionar-se como poucos e essa técnica poderá valher-lhe uma boa prestação. Foi 3º em Aguilar de Campoo e 7º em Ejea de los Caballeros.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Sam Bennett

⭐⭐⭐⭐ Jasper Philipsen e Pascal Ackermann

⭐⭐⭐ Magnus Cort e Max Kanter

⭐⭐Max Kanter, Robert Stannard e Jon Aberasturi 

Emils Liepins, Reinardt van Rensburg e Mihkel Raim

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock