Corrida dos Dois Mares abre com onda de sprinters!

Arranca hoje a 56ª edição do mítico Tirreno-Adriático! A 1ª etapa consiste numa ligação de 156 km, com partida e chegada em Lido di Camaiore, e que deverá ser discutida pelos sprinters presentes no pelotão.

A primeira metade da jornada ainda apresenta algum sobe e desce, com um circuito de 3 voltas e outras tantas subidas ao alto do Pitoro (2.7 km a 7.4 %), mas a metade complementar será totalmente plana. A reta da meta é longa e larga, o que permitirá um sprint puro de velocidade, mas que por sua vez poderá tornar o sprint mais desorganizado e mais difícil para os comboios se formarem e controlarem a chegada.

Perfil da 1ª etapa do Tirreno-Adriático

Favoritos

As equipas dos homens mais rápidos do pelotão deverão controlar as operações durante toda a tirada, preparando o sprint massivo no final. O facto de se tratar de um sprint puro de velocidade, onde a velocidade de ponta será primordial, mas também onde os comboios poderão não se conseguir organizar a 100% faz-nos apontar para Caleb Ewan como o principal favorito para a vitória nesta 1ª jornada. Apesar do início algo enferrujado no UAE-Tour, o ciclista da Lotto Soudal mostrou estar a subir de forma, fechando a prova com uma vitória sobre aquele que ia sendo o grande dominador dos sprints até ao momento, o irlandês Sam Bennett. Ewan quererá certamente aproveitar o embalo desse sprint e confirmar o seu favoritismo neste primeiro dia, apoiando-se numa equipa e num comboio (Tosh van der Sande, Roger Kluge, Jasper de Buyst) dedicados exclusivamente a si. Além do mais, num final caótico de exposição ao vento, onde o comboio da Lotto possa não ter capacidade para se bater com todos os adversários, o Pocket Rocket tem as características perfeitas para saltar de roda em roda e ziguezaguear em busca da vitória.

Na discussão com o australiano deverão estar diversos nomes importantes, encabeçados pela dupla da Deceuninck-Quick Step: Davide Ballerini e Álvaro Hodeg. Os dois homens têm velocidade para vencer e deverão trabalhar um para o outro ao longo da prova italiana. Ballerini será na teoria o líder e aquele em melhor forma para os sprints, mas não espantaria ver a equipa a inverter as posições no final, tentando atacar um sprint de estrada larga e de peito ao vento com Hodeg, que se adapta bem a estes finais, deixando Ballerini tentar a vitória nos sprints mais exigentes que virão nos próximos dias.

A equipa belga apresenta um bloco (Asgreen, Stybar, Van Lerberghe, Almeida, Alaphilippe) mais bem preparado para fazer a diferença em números em terrenos planos e chegadas rápidas do que na alta montanha, com todos os elementos a poderem dar ajudas preciosas para preparar um final demolidor, com dois sprinters fortes para fechar o trabalho.  

Além dos homens da Deceuninck, apenas um nome parece neste momento poder ameaçar Ewan numa chegada para sprinters puros: Tim Merlier. O belga da Alpecin-Fenix mostrou-se intratável nas corridas do GP Monseré e de Le Samyn e tem velocidade de ponta para poder surpreender nesta jornada, pese a concorrência mais pesada que terá perante este pelotão. Com um comboio onde irá pontificar o fenómeno Mathieu Van der Poel (que pode também ele ser um candidato à vitória, mas que deverá ser a aposta da equipa para sprints menos puros), veremos se a equipa do escalão ProTeams conseguirá, mais uma vez, bater o pé aos colossos do World Tour.

Dois nomes fortes que quererão certamente estar na luta pela vitória são Elia Viviani (Cofidis) e Fernando Gaviria (UAE-Team Emirates), embora seja difícil de imaginá-los a bater Ewan neste final. O mesmo se pode dizer de ciclistas de grande monta como são Wout Van Aert (Jumbo-Visma) e Peter Sagan (BORA-hansgrohe). No caso do eslovaco, é uma incógnita o nível que trará para a primeira corrida no seu calendário, ainda para mais num final que não é o que mais o favorece.

Refiram-se ainda diversos velocistas presentes na prova, que deverão contestar um sprint com estas características, embora dificilmente possam lutar por mais que um top 5, com destaque para a armada de italianos: Matteo Moschetti, Niccolo Bonifazio, Manuel Belletti, Davide Cimolai, e Matteo Malucelli, e também para o alemão Max Kanter, o francês Hugo Hofstetter, ou o esloveno Luka Mezgec. Existem ainda outros homens rápidos no pelotão (Cortina, Vendrame, Boudat, Aranburu, Felline, Pasqualon, Fred Wright, Benjamin Thomas, Canola, Wisniowski), mas dificilmente terão hipóteses num final tão plano.

Além de João Almeida, que certamente participará no trabalho de preparação do sprint final da Deceuninck-Quick Step, também Ivo Oliveira estará em foco neste final, como uma das carruagens do comboio da UAE-Team Emirates para Gaviria.

Favoritos Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Caleb Ewan
⭐⭐⭐⭐ Davide Ballerini e Álvaro Hodeg
⭐⭐⭐ Tim Merlier, Elia Viviani e Fernando Gaviria
⭐⭐ Wout van Aert, Peter Sagan, Matteo Moschetti e Niccolo Bonifazio
⭐ Max Kanter, Manuel Belletti, Davide Cimolai, Hugo Hofstetter, Luka Mezgec, Matteo Malucelli e Mathieu Van der Poel

Presença Portuguesa

Portugal contará com 3 corredores no Tirreno Adriático! São eles João Almeida, com o dorsal 82, Nelson Oliveira com o dorsal 183 e Ivo Oliveira com o dorsal 245.

Transmissão em Direto

Podes acompanhar a corrida em direto na Eurosport 2 a partir das 12h30!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock