Chegada a Sestola traz primeiro teste aos favoritos!

Disputa-se hoje a 4ª etapa da Volta à Itália, num percurso de 187 km, entre Piacenza e Sestola, e que traz um novo conjunto de dificuldades ao pelotão. Este será o primeiro testes ao nível de forma dos favoritos à vitória final.

Esta será uma etapaO início da jornada será praticamente plano, mas sensivelmente a meio do percurso o terreno começa a enrugar e de que maneira! Serão duas contagens de 3ª categoria, além de diversas ascensões não categorizadas, que irão anteceder a subida final, uma 2ª categoria para Colle Passerino, bem dura, com 4.3 km a 9.5 % de inclinação média e zonas a 16%! Depois do topo da subida serão apenas 2 km até à meta em Sestola.

Perfil da 4ª etapa da Volta a Itália

Esta será sem dúvida uma tirada bem diferente das anteriores, esperando-se uma grande seleção no decorrer da mesma, em especial na última subida. Numa fase tão precoce duma competição de três semanas é normal as principais equipas correrem de forma algo conservadora, pelo que a previsão será de uma corrida de eliminação, que irá significar que um pelotão bastante reduzido chega ao topo da subida para depois discutir a vitória na etapa e os segundos de bonificação, que muitos corredores terão debaixo de olho.

Favoritos

Desta forma, o vencedor da etapa será muito possivelmente um homem da geral, alguém que suba bem e que tenha um bom kick final, que possibilite bater a concorrência num sprint plano. Assim, temos de apontar para o Canibal das Caldas, João Almeida, da Deceuninck Quick-Step, como principal favorito à vitória! O português já mostrou que está (pelo menos) ao mesmo nível do extraordinário Giro que realizou em 2020, e todos lhe reconhecem a ambição e a capacidade de triunfar numa jornada deste género. Se não houver qualquer constrangimento dentro da equipa, o português terá todas as condições para lutar pela vitória na etapa.

Uma das grandes questões que tem pairado sobre a prova prende-se com a liderança dentro da Deceuninck. João Almeida ainda será por esta altura o plano A da equipa, mas ainda não é claro que a equipa esteja disposta a colocar a posição de Remco Evenepoel em causa. Depois da bonificação do belga, que o fez ascender alguns lugares na CG, é legítimo de acreditar que o jovem corredor tenha a ambição de vestir a camisola rosa nas primeiras etapas da sua primeira grande volta. Na própria cabeça do ciclista estará certamente esse objetivo por esta altura, sendo que a liderança a longo prazo nesta prova é um assunto para quando as altas montanhas se acumularem nas pernas dos corredores. Assim, neste momento, não surpreenderia ver a Deceuninck a apostar em Evenepoel para esta jornada e vermos o belga na tentativa de bater toda a concorrência.

Será curioso de verificar, já nesta etapa, o comportamento da equipa belga. Se houver uma chegada em grupo, contando que Filippo Ganna e Tobias Foss perdem tempo, há a forte possibilidade de a camisola rosa ir parar ao corpo de Evenepoel ou de Almeida, sendo que neste momento têm o mesmo tempo, com vantagem comparativa para o belga. Irão os dois prodígios trabalhar em conjunto? Ou irão sprintar cada um por si? Aceitam-se apostas para este caso bicudo!

Na luta com os dois Deceuninck estará um rol de corredores de imensa qualidade, sendo de destacar logo à cabeça um dos grandes favoritos à vitória final, Simon Yates, da Team BikeExchange.

O perfil da última subida e a possibilidade de haver sprint depois da mesma, faz-nos apontar também para Dan Martin (Israel Start-Up Nation) como um grande candidato a levar a etapa, um corredor cujas características assentam que nem uma luva a este final.

Refiram-se depois os nomes de Egan Bernal, Aleksandr Vlasov, Hugh Carthy, e George Bennett como homens que podem bater a concorrência de diferentes formas neste final, e que certamente estarão entre os melhores da jornada. Refiram-se também os companheiros de Bernal na Ineos Grenadiers, Pavel Sivakov e Daniel Martinez, dois ciclistas com capacidade para vencer a etapa, em especial se houver uma marcação forte entre os principais galos do pelotão.

O perfil da jornada faz-nos apontar para um extenso número de corredores que podem brilhar neste dia, começando pelo Iceman de Pegões, Ruben Guerreiro (EF Education-Nippo), ele que pode nesta etapa começar já a amealhar pontos para um dos seus objetivos na prova, a revalidação do título de melhor trepador. Refiram-se também: Giulio Ciccone, Davide Formolo, Jai Hindley, Pello Bilbao, Mikel Landa, Emanuel Buchmann, Clement Champoussin, Marc Soler, Romain Bardet, Domenico Pozzovivo, Fausto Masnada, Nick Schultz, e Diego Ulissi como nomes a ter em conta para surpreender no final.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ João Almeida

⭐⭐⭐⭐ Remco Evenepoel e Simon Yates

⭐⭐⭐ Dan Martin, Egan Bernal, e Aleksandr Vlasov

⭐⭐ Hugh Carthy, George Bennett, Pavel Sivakov, e Daniel Martinez

⭐ Ruben Guerreiro, Giulio Ciccone, Davide Formolo, Jai Hindley, Pello Bilbao, Mikel Landa, Emanuel Buchmann, Clement Champoussin, Marc Soler, Romain Bardet, Domenico Pozzovivo, Fausto Masnada, Nick Schultz, Diego Ulissi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock