“All-in” na fuga!

Chegamos ao 18º dia de prova no Giro d’Italia, com Milão cada vez mais perto! Hoje, os ciclistas preparam-se para enfrentar a jornada mais longa da prova, numa ligação de 231 km, que irá partir de Rovereto para terminar em Stradella.

Uma grande parte da jornada será totalmente plana, o que poderia indicar um dia para os sprinters, no entanto, a organização decidiu trocar as voltas às equipas dos homens mais rápidos, colocando quatro subidas dentro dos 40 km finais! Não serão ascensões muito difíceis, no entanto prejudicam claramente aqueles que sobem menos bem, além de certamente colocarem dúvidas na cabeça de quem queira perseguir. A primeira subida apresenta 3.4 km a 4.1%, a segunda (que será uma contagem de 4ª categoria) terá 5.3 km a 3.9%, a terceira 1.4 km a 7.5%, e a última 2.6 km a 6.7%, sendo que depois serão 6 km em descida até à meta.

Perfil da 18ª etapa do Giro d’Italia

Se não existissem estas pequenas colinas no final, seria certamente o último dia para os sprinters poderem lutar por uma etapa, contudo, perante este cenário e com uma larga quilometragem para controlar, a balança do favoritismo pende para o lado da fuga.

A equipa-chave para o desfecho da jornada será, como é regra, a BORA-hansgrohe, que certamente gostaria de levar Peter Sagan a mais um triunfo. No entanto, a equipa alemã não estará certamente disposta a perseguir todo o dia, controlando ainda as subidas finais e preparando o sprint para Sagan, sendo que outros velocistas iriam aproveitar este trabalho e ameaçar a vitória do eslovaco. Além disso, com Sagan no comando da classificação dos pontos, com 135 pontos contra os 113 de Davide Cimolai e os 110 de Fernando Gaviria, e a faltarem duas jornadas de montanha e um contrarrelógio, a BORA não se importaria de ver a fuga a levar os pontos, praticamente garantindo a maglia ciclamino para o Hulk de Zilina!

Aliás, as duas equipas rivais da BORA, Israel Start-Up Nation e UAE-Team Emirates, irão enfrentar um dilema semelhante. Se, por um lado, precisam de um sprint para ter uma chance de vencer a classificação dos pontos, sabem também que correm o risco de ver o seu sprinter a ficar para trás, além de que todos sabem que se houver um sprint no final, Sagan será um grande candidato ao triunfo. Há ainda a Cofidis, no entanto, as chances de Elia Viviani aguentar as subidas e bater a concorrência no final serão ainda mais reduzidas, ele que é 4º na maglia ciclamino, com 86 pontos.

Assim, os planos destas equipas será o mesmo da grande maioria das formações em prova: colocar pelo menos um elemento na fuga do dia. As equipas da geral quererão um dia tranquilo, antes das últimas etapas, e muitas delas poderão dar liberdade a alguns ciclistas para tentarem a sorte na fuga, pelo que a única coisa que poderá negar a fuga será um cenário onde BORA, Israel, Emirates, e eventualmente Cofidis se unem para controlar a etapa.

Desta forma, iremos apontar para um homem da fuga como favorito à vitória, sendo que o leque de possibilidades é muito alargado. Note-se que o vencedor deverá ser um homem com uma boa velocidade de ponta, que lhe permita triunfar num grupo mais ou menos alargado de fugitivos. Assim, escolhemos Andrea Vendrame como candidato nº1 ao triunfo, ele que já venceu neste Giro e que olhará com bons olhos para esta jornada, sendo que tem velocidade para bater praticamente todos os que não sejam puros sprinters.

Na mesma linha de pensamento, refira-se Patrick Bevin, da Israel Start-Up Nation, ele que pode ser a grande aposta da equipa para o dia, em vez de tentar o sprint com Cimolai. Refiram-se ainda outros homens com bom perfil para rolar, aguentar as subidas, e sprintar com velocidade: Nikias Arndt, Fabio Felline, Simone Consonni, Gianni Vermeersch, Diego Ulissi, Andrea Pasqualon, Alessandro Covi, ou mesmo o próprio Peter Sagan, que pode muito bem intrometer-se na escapada do dia e colocar um ponto final na luta pela camisola dos pontos. Inclua-se também o nome de Nelson Oliveira no lote de candidatos, ele que é um excelente contrarrelogista, e que terá nesta etapa uma etapa ao jeito dos grandes roladores, sendo que será obrigado a despachar a concorrência antes do km final para ter uma chance de triunfar!

No caso de termos um sprint, os candidatos serão Peter Sagan, Fernando Gaviria, Davide Cimolai, Elia Viviani, Max Kanter, Stefano Oldani, e ainda corredores como Andrea Vendrame e alguns dos homens rápidos já referidos.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ Andrea Vendrame

⭐⭐⭐⭐ Patrick Bevin e Nikias Arndt

⭐⭐⭐ Fabio Felline, Simone Consonni, e Gianni Vermeersch

⭐⭐ Diego Ulissi, Andrea Pasqualon, Alessandro Covi, e Nelson Oliveira

⭐ Peter Sagan, Fernando Gaviria, Davide Cimolai, Elia Viviani, Max Kanter, e Stefano Oldani

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock