A etapa rainha que deixou de o ser!

Inicialmente, a 16ª etapa do Giro d’Italia iria consistir num duro desafio montanhoso, naquela que seria a etapa rainha da competição, disputada ao longo de um percurso de 212 km, entre Sacile e Cortina d’Ampezzo, incluindo três contagens de 1ª categoria e uma de categoria especial.

Perfil inicial da 16ª etapa do Giro d’Italia

No entanto, já no dia de hoje, surgiu a informação que a etapa tinha sido encurtada, com as subidas do Passo Fedaia e do Passo Pordoi cortadas do livro de prova, devido às más condições climatéricas. A última delas representava a Cima Coppi deste Giro, que passa agora a ser o Passo Giau.

Assim, a etapa passa a apresentar uma extensão de 155 km, mantendo-se as ascensões a La Crosetta e ao Passo Giau, esta a última subida do dia, com 9.8 km a 9.3% de inclinação média, que irá anteceder uma longa descida para a meta em Cortina d’Ampezzo.

Novo perfil da 16ª etapa

Esta alteração acaba por necessariamente modificar aquilo que seria a previsão desta etapa. Perante a difícil etapa, que estava planeada inicialmente, as hipóteses da fuga voltar a triunfar neste Giro eram bastante elevadas, não sendo expectável que o pelotão fosse perseguir uma fuga composta por elementos inofensivos para a CG. No entanto, com o encurtar da quilometragem e do número de subidas, o cenário muda de figura.

Uma fuga poderá conseguir distanciar-se logo na primeira subida, mas se isso não acontecer, é possível que vejamos uma situação de corrida algo indefinida no acesso ao Passo Giau. Nesse caso, mesmo que uma fuga se tenha conseguido formar, é provável que haja perseguição no pelotão e luta pela etapa entre os melhores deste Giro.

Os favoritos

Assim, iremos apontar para João Almeida como favorito à vitória, a par do seu companheiro de equipa na Deceuninck Quick-Step, Remco Evenepoel, eles que poderão jogar os dois na tentativa de alcançar uma vitória de etapa que melhore a prestação da formação belga neste Giro. Refira-se que Almeida pode hoje ter a sua oportunidade de integrar a fuga, ainda para mais numa etapa que será relativamente curta, pelo que também nesse cenário é um grande candidato à vitória!

Apesar de acreditarmos que os ataques no Passo Giau não serão suficiente para fraturar a totalidade do grupo de favoritos, refira-se também que podemos voltar a ter o homem mais forte na montanha, Egan Bernal, a colocar toda a concorrência em sentido, pelo que o camisola rosa tem de ser encarado como um dos grandes favoritos à vitória neste jornada. Este será, no entanto, um dia onde o colombiano deverá querer controlar e não tanto arriscar.

Outro candidato, apesar deixar dúvidas quanto à sua capacidade de se manter perto da frente na descida, será Dan Martin. Apesar da possibilidade de existirem ataques fortes entre os favoritos na subida ao Passo Giau, e de alguém forçar o ritmo na descida, o cenário mais provável será o de existir um sprint entre um grupo reduzido de favoritos. Perante a boa forma que o irlandês da Start-Up Nation mostrou no Monte Zoncolan, acreditamos que ele poderá ser um dos integrantes do grupo reduzido que irá disputar a vitória, sendo que será um homem perigoso para o sprint. Além disso, Martin poderá, à imagem de Almeida, ter liberdade para integrar a fuga do dia.

Entre os melhores deverão estar também: Simon Yates, Giulio Ciccone, Damiano Caruso, Aleksandr Vlasov, Hugh Carthy, Pello Bilbao, e Romain Bardet.

Na eventualidade de uma fuga conseguir prevalecer nesta tirada, algo bastante possível, até pelas condições climatéricas adversas que irão fazer a Ineos e outras equipas ser bastante cautelosas, refiram-se, além de João Almeida e Dan Martin, Jan Hirt, Bauke Mollema, Davide Formolo, Koen Bowman, Sebastian Reichenbach, George Bennett, e também Nelson Oliveira, ou até mesmo Lorenzo Fortunato, o rei do Zoncolan, como candidatos a levantar os braços no final do dia.

Uma nota final para o Tubarão do Estreito, Vincenzo Nibali, ele que tem na descida final um perfil bem à sua medida, restando saber se consegue ultrapassar o Passo Giau com os melhores.

Favoritos Ciclismo Mundial:

⭐⭐⭐⭐⭐ João Almeida

⭐⭐⭐⭐ Remco Evenepoel e Dan Martin

⭐⭐⭐ Egan Bernal, Simon Yates, e Giulio Ciccone

⭐⭐ Damiano Caruso, Aleksandr Vlasov, Hugh Carthy, Pello Bilbao, e Romain Bardet

⭐ Jan Hirt, Bauke Mollema, Davide Formolo, Koen Bowman, Sebastian Reichenbach, George Bennett, Nelson Oliveira, Lorenzo Fortunato, e Vincenzo Nibali

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock