Quem desafiará os neerlandeses na Dwars door Vlaanderen?

A temporada de clássicas de pavê prossegue hoje, com a disputa da 77ª edição da Dwars door Vlaanderen. Trata-se de mais uma competição com peso na história do ciclismo e que serve de aperitivo para o monumento que irá fechar esta semana, a Volta à Flandres, no próximo domingo.

Em 2021, a vitória acabou por sorrir a Dylan Van Baarle (Ineos Grenadiers) do lado masculino, e a Annemiek Van Vleuten (Movistar Team) do lado feminino, e em 2022 a dupla estará presente na prova para tentar revalidar o título. Será que teremos um novo vencedor/a ou um ex-vencedor/a a repetir a façanha outra vez?

Percurso

A 77ª Dwars door Vlaanderen para o pelotão masculino apresenta um percurso de 183.5km com a animação a começar na segunda metade da prova. A prova sairá de Roeselare e não deverá demorar muito tempo a formar-se a fuga do dia, devido aos 50km iniciais que são maioritariamente planos, com as equipas dos principais candidatos a deverem controlar o ritmo para conseguirem disputar a prova com os seus principais homens.

A prova terá 8 setorês de pavê e 12 muros. O primeiro setor de pavê surge ao km 57 e o último no km 173, onde poderemos ter um pequeno grupo na frente e que poderá também ser um momento-chave para ataques. A corrida muito provavelmente estará partida devido ao forte ritmo do pelotão durante as passagens no Kanarieberg, no Knokteberg e no Nokereberg e equipas como a Alpecin – Fenix, a Trek – Segafredo e a UAE Team Emirates poderão estar no centro das atenções.

Perfil da prova masculina

Do lado feminino, a prova terá 119.5km, com partida e chegada em Waregem e contará com 8 setores de pavê e 10 muros. O primeiro setor de pavê surge ao km 20 e o último surge ao km 109, antes do muro final, o Holstraat. A corrida já deverá estar partida antes pelas equipas da Movistar Team, da Trek – Segafredo, da Canyon // SRAM Racing e da FDJ – Nouvelle Aquitaine – Futuroscope, que trazem blocos muito ofensivos, com o objetivo de eliminar as sprinters presentes na prova e de tentar vencer de forma isolada ou ao sprint num grupo reduzido.

Perfil da prova feminina

Favoritos

No lado masculino, a Alpecin – Fenix apresenta uma equipa fantástica à volta do seu líder, o Godzilla Mathieu Van der Poel (Alpecin – Fenix), que vai fazer a sua primeira prova de pavê esta temporada. Van der Poel venceu aqui em 2019 e tem uma excelente equipa consigo dos quais se destacam Michael Gogl, Dries de Bondt, Jasper Philipsen e o seu escudeiro habitual, Gianni Vermeersch.

Outros nomes que se destacam são o de Mads Pedersen (Trek – Segafredo) e Anthony Turgis (TotalEnergies). Pedersen está em excelente forma esta temporada, tem conseguido bons resultados e é um ciclista com capacidade de estar entre os melhores nas movimentações e ainda de ser um dos mais fortes ao sprint. Turgis é outro ciclista que temporada após temporada tem evoluído no pavê e já conta com um pódio na Milano – Sanremo esta temporada. O francês está super motivado para conseguir melhorar o seu segundo lugar de 2019.

Não se pode também descartar os nomes de Tadej Pogacar (UAE Team Emirates), Stefan Kung (Groupama – FDJ) e Dylan Van Baarle (Ineos Grenadiers). Pogacar já mostrou qualidades em vários setores e começou a temporada da melhor forma possível. O esloveno está super motivado para conseguir um bom resultado na sua primeira clássica de pavê no World Tour. Kung está cada vez melhor no pavê e é um ciclista que estará presente nas principais movimentações da prova e que tentará de tudo para ficar isolado na frente da corrida. Van Baarle também está em boa forma esta temporada e o neerlandês pretende voltar a ter o mesmo resultado de 2021, a vitória.

Outros nomes que não podemos esquecer são os de Tiesj Benoot (Jumbo – Visma), Soren Kragh Andersen (Team DSM), Victor Campenaerts (Lotto Soudal), Ivan Garcia Cortina (Movistar Team) e Yves Lampaert (Quick-Step Alpha Vinyl Team). Benoot mostrou se muito bem esta temporada ao serviço de van Aert e tem aqui uma oportunidade de ser líder e de fazer um bom resultado. Kragh Andersen mostrou esta temporada o seu alto nível, mas após um mau começo no pavê, o dinamarquês conseguiu um quinto lugar na Gent – Wevelgem e tem aqui mais uma oportunidade de conseguir um bom resultado. Campenaerts também está em boa forma, mas tem tido alguns azares no pavê. O belga assinalou esta prova como um dos seus objetivos da temporada e não deverá querer desperdiçar a oportunidade. Cortina está a subir de forma, e após um top10 na Gent – Wevelgem, o espanhol tem aqui uma oportunidade de se apresentar entre os melhores. Lampaert venceu aqui em 2017 e 2018, mas o belga não começou a temporada da melhor forma e tem aqui uma oportunidade de se conseguir uma bom resultado.

Greg Van Avermaet e Oliver Naesen (AG2R Citroen Team), Alexander Kristoff (Intermaché – Wanty – Gobert), Alberto Bettiol (EF Education – EasyPost), Valentin Madouas (Groupama – FDJ) e Amaury Capiot (Team Arkéa – Samsic) são ciclistas que podem surpreender. Avermaet e Naesen,após excelentes resultados na Omloop Het Nieuwsbald, não têm conseguido mostrar-se entre os melhores no pavê e têm aqui uma oportunidade para fazê-lo. Kristoff e Capiot são ciclistas que podem conseguir passar as dificuldades entre os melhores e conseguirem um bom resultado ao sprint. Bettiol vai correr pela primeira vez uma clássica de pavê esta temporada e tem aqui como objetivo perceber a sua forma para um dos seus objetivos da temporada, a Volta à Flandres. Madouas tem se mostrado muito bem no pavê ao serviço de Kung esta temporada e terá aqui outra prova para o fazer e ainda tentar acabar no top10.

Favoritos Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Mathieu Van der Poel
⭐⭐⭐⭐ Mads Pedersen e Anthony Turgis
⭐⭐⭐ Tadej Pogacar, Stefan Kung e Dylan Van Baarle
⭐⭐ Tiesj Benoot, Soren Kragh Andersen, Victor Campenaerts e Ivan Garcia Cortina
⭐ Yves Lampaert, Greg Van Avermaet, Oliver Naesen, Alexander Kristoff, Alberto Bettiol, Valentin Madouas e Amaury Capiot

Favoritas

No lado feminino, a Movistar Team traz uma armada muito completa, liderada pela neerlandesa Annemiek Van Vleuten (Movistar Team), que venceu em 2021 e que pretende repetir a façanha. Vleuten é uma ciclista muito ofensiva e que gosta de acabar em solitário, mas também é uma ciclista com uma boa ponta final para discutir provas num grupo reduzido. A neerlandesa está em excelente forma esta temporada e terá uma excelente equipa ao seu lado, na qual se destacam Arlenis Sierra e Sarah Gigante.

Outros nomes que se destacam são os de Ellen van Dijk (Trek – Segafredo) e o de Marta Bastianelli (UAE Team ADQ). Desde a temporada passada, van Dijk tem estado a um nível superior, e a campeã da Europa é quem tem maior capacidade para seguir Vleuten nas partes mais ofensivas da prova. Bastianelli é uma ciclista que tem capacidade de se apresentar entre as melhores e ainda de disputar provas ao sprint e a veterana está motivada após os bons resultados que teve neste início de temporada.

Não podemos também descartar os nomes de Cecilie Uttrup Ludwig (FDJ – Nouvelle Aquitaine – Futuroscope), Elise Chabbey (Canyon // SRAM Racing) e Elisa Longo Borghini (Trek – Segafredo). Ludwig também começou a temporada em excelente forma e após bons resultados no pavê em anos anteriores, a dinamarquesa está motivada para conseguir um excelente resultado. Chabbey é uma ciclista que temporada após temporada se tem mostrado melhor em todos os tipos de terreno e a suíça tem aqui mais uma oportunidade de liderar uma prova. Borghini terá um papel importante no decorrer da prova ou terá de ser mexer na corrida para obrigar as outras equipas a trabalhar, numa possível dupla liderança com van Dijk.

Outros nomes que não podemos esquecer são os de Floortje Mackaij (Team DSM), Chiara Consonni (Valcar – Travel & Service), Susanne Andersen (Uno-X Pro Cycling Team) e Soraya Paladin (Canyon // SRAM Racing). Mackaij é a líder da DSM e a neerlandesa já mostrou esta temporada as suas qualidades no pavê, tendo aqui mais uma prova para o fazer. Consonni e Andersen são ciclistas que, se conseguirem passar as dificuldades do dia entre as melhores, podem disputar a vitória da prova ao sprint. Paladin é uma ciclista com capacidade de estar entre as melhores e, se a prova for disputada ao sprint num grupo reduzido, a italiana pode passar a líder de equipa.

Lianne Lippert e Juliette Labous (Team DSM), Lucinda Brand (Trek – Segafredo), Tata Martins (Le Col Wahoo), Karlijn Swinkels (Jumbo – Visma), Sofia Bertizzolo (UAE Team ADQ), Sanne Cant (Plantur – Pura), Ruby Roseman – Ganon (Team BikeExchange – Jayco) e Arlenis Sierra (Movistar Team) são ciclistas que podem supreender. Lippert, Labous, Brand, Sierra e Bertizzolo são ciclistas com capacidade de estar entre as melhores e de mexer na corrida, mas devem apresentar-se ao serviço das suas líderes. Tata Martins, Sanne Cant e Ruby Roseman – Ganon são ciclistas que, se conseguirem estar entre as melhores, podem disputar a prova ao sprint. Swinkels já mostrou, esta temporada, alguns bons resultados no pavê, e sem as principais líderes da Jumbo – Visma, a neerlandesa tem aqui oportunidade de liderar a equipa e de conseguir um bom resultado.

Favoritas Ciclismo Mundial

⭐⭐⭐⭐⭐ Annemiek Van Vleuten
⭐⭐⭐⭐ Ellen Van Dijk e Marta Bastianelli
⭐⭐⭐ Cecilie Uttrup Ludwig, Elise Chabbey e Elisa Longo Borghini
⭐⭐ Floortje Mackaij, Chiara Consonni. Susanne Andersen e Soraya Paladin
⭐ Lianne Lippert, Juliette Labous, Tata Martins, Lucinda Brand, Karlijn Swinkels, Sofia Bertizzolo, Sanne Cant, Ruby Roseman – Gannon e Arlenis Sierra

Portugueses em prova

No lado masculino teremos Rui Oliveira (UAE Team Emirates) com o dorsal 16 e André Carvalho (Cofidis) com o dorsal 117. No lado feminino, teremos a portuguesa Tata Martins (Le Col Wahoo), com o dorsal 182.

Transmissão em direto

Podes acompanhar as corridas em direto na Eurosport 1 a partir das 13:30, sendo que mal que termine a prova feminina começará a transmissão da feminina.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock