Hoje sonhamos todos em cor-de-rosa! João Almeida novo líder do Giro!

No dia da implantação da República em Portugal, foi mesmo um lusitano quem brilhou numa das maiores provas desportivas do planeta. João Almeida é o novo líder da Volta a Itália e, após envergar a camisola dos pontos no segundo dia e a da juventude no terceiro, irá partir para o quarto dia com a malha cor-de-rosa, uma das mais míticas da história do ciclismo! Trinta e um anos depois de Acácio da Silva ter vestido de rosa no primeiro dia do Giro, João Almeida alcança mais um grande feito para o ciclismo nacional!

A vitória na etapa foi para o equatoriano Jonathan Klever Caicedo, da EF Pro Cycling, que realizou um esforço extraordinário, concretizando a fuga da etapa. Num final verdadeiramente dramático, contaram-se os segundos, as décimas, e as centésimas, do tempo que João Almeida demorou a chegar após Caicedo. Ficariam os dois com o mesmo tempo mas a vantagem seria mesmo para o ciclista de 22 anos da Deceuninck-Quick Step.  

A terceira etapa do Giro representava a primeira jornada de alta montanha da prova italiana. Corrida ainda na ilha da Sicília, numa ligação de 150 km entre a localidade de Enna e o famoso vulcão Etna, o ponto alto da tirada seria a subida final, uma ascensão de primeira categoria com 19 km e 6.7 % de inclinação média e a primeira oportunidade para se aferir a forma dos homens da geral na montanha.

A fuga da jornada foi composta por oito corredores: Josip Rumac (Androni Giocattoli-Sidermec), Francesco Romano (Bardiani-CSF), Matt Holmes (Lotto Soudal), Giovanni Visconti (Vini Zabu-KTM), Victor Campenaerts (NTT Pro Cycling), Mikkel Bjerg (UAE-Team Emirates), Jonathan Caicedo e Lawson Craddock (EF Pro Cycling). A vantagem dos escapados chegou aos cinco minutos sobre o pelotão que ia sendo controlado pela Mitchelton-Scott.

A 35 km do final, a Trek pegou na corrida, numa declaração de intenções de Vincenzo Nibali. A vantagem dos fugitivos era ainda de quatro minutos, mas não seria fácil de gerir esse avanço numa subida tão longa. Na frente, Craddock efetuava a maior parte do trabalho, na tentativa de preparar a subida para o seu companheiro de equipa, Caicedo.

O azarado dia ia sendo Geraint Thomas, após cair no início da etapa, o que o deixou com marcas e em claro sofrimento. Na aproximação ao Etna, o corredor da INEOS ficou mesmo para trás, acompanhado pelo camisola rosa, Filippo Ganna, e mais dois companheiros de equipa. Embora o líder virtual fosse Caicedo devido à vantagem da fuga, com primeiro e terceiro atrasados, João Almeida estava em muito boa posição para poder ascender à liderança.

O ritmo da Trek ia reduzindo drasticamente o pelotão. Com 15 km para a meta e já em subida, apenas cerca de 50 corredores se mantinham no grupo principal, com os fugitivos, que se iam atacando entre si, a disporem de menos de três minutos de avanço. Geraint Thomas ia perdendo já mais de um minuto.

De seguida entrou ao serviço a BORA, com um trabalho brutal de Matteo Fabbro que alongou muito o pelotão. A 10 km do final, sobreviviam na fuga apenas Caicedo e Visconti, com uma vantagem de 2:15 sobre o grupo principal. Não estava nada fácil a tarefa de eliminar a movimentação italo-equatoriana.

A 9 km do final, mais uma machadada nas esperanças de um grande favorito, com Simon Yates, da Mitchelton-Scott, a ficar para trás. O grupo dos favoritos pouco mais de vinte ciclistas, já sem Yates e Thomas, mas ainda com nomes como Fuglsang, Nibali, Kruijswijk, Majka, Konrad, Kelderman, Oomen, Bilbao, Pozzovivo, McNulty, e… João Almeida.

A 6 km do final, com a fuga ainda a mais de 1:30, atacou do pelotão Jonathan Castroviejo (INEOS), seguido de Harm Vanhoucke (Lotto Soudal). Já sem homens de trabalho, teve de ser Jakob Fuglsang a empreender o trabalho de perseguição.

A 4.5 km do final, com um minuto de vantagem na frente da corrida, Caicedo estava já isolado, correndo para a vitória na etapa e para a camisola rosa. A liderança virtual baloiçava entre Caicedo e Almeida.

A 3.5 km do final atacou Kelderman, e 1 km depois foi a vez do “Tubarão”, Vincenzo Nibali, sendo seguido por Fuglsang, Pozzovio, Majka, e Kruijswijk. João Almeida perdeu o contacto ligeiramente mas parecia ser capaz de gerir a desvantagem, correndo de trás para a frente. Com 2 km para o final, contudo, a ameaça à liderança de Almeida era Caicedo e não tanto os homens da geral.

A 1 km do final, Caicedo levava um minuto de avanço sobre o quinteto de favoritos, com Almeida poucos segundos atrás, num final verdadeiramente emocionante. Num esforço tremendo, Jonathan Caicedo conseguiu aguentar a sua vantagem, levantando os braços no topo do Etna, exibindo orgulhosamente a sua camisola de campeão equatoriano. Na segunda posição ficou o italiano Giovanni Visconti (Vini Zabù-KTM), a 21 segundos, e em terceiro o belga Harm Vanhoucke (Lotto Soudal), a 30 segundos. Kelderman chegou depois, a 39 segundos, seguindo-se Fuglsang, Majka, Nibali, Castroviejo, e Pozzovivo a 51 segundos. Kruijswijk chegou na décima posição a 56 segundos.

A tensão era alta para perceber qual a desvantagem de Almeida para Caicedo na etapa, uma vez que o equatoriano tinha 1:13 de atraso sobre o português e tinha bonificado dez segundos à chegada. Depois de chegar o top 10 da etapa, quem apareceu ao virar da última curva foi mesmo João Almeida e parecia ser possível terminar a menos de 1:03 de Caicedo.

E num final verdadeiramente Hitchcockiano, com os corações lusos a baterem forte, Almeida cruza a linha precisamente com 1:03 de atraso para o equatoriano. Após alguns minutos de expetativa, confirmava-se mesmo a ascensão de Almeida à liderança, com o mesmo tempo de Caicedo, agora segundo na geral. O terceiro é agora Pello Bilbao, a 37 segundos de Almeida.

Ruben Guerreio terminou a etapa no 45º posto, a7:39 de Caicedo, e na geral é agora 41º a 7:51 do seu compatriota.

Amanhã disputa-se a quarta etapa do Giro, com uma ligação de 140 km entre Catania e Villafranco Tirrena. No menu consta apenas uma contagem de montanha de terceira categoria, colocada exatamente a meio da etapa, o que deixa antever a possibilidade de um sprint em pelotão compacto no final do dia e um dia tranquilo para João Almeida na liderança da competição.

Rui Pires venceu a etapa no Passatempo, com Miguel Simões a manter a liderança da geral!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Jakobsen volta a vencer na consagração de Simmons na conquista da Wallonie!

Fabio Jakobsen (Deceuninck-QuickStep) garantiu a sua segunda vitória da semana no último dia do Tour de Wallonie, que terminou num sprint em Quaregnon. O holandês sprintou para a vitória à frente de Matteo Fabbro (Bora-Hansgrohe) e Milan Menten (Bingoal Pauwels Sauces WB). Quinn Simmons (Trek-Segafredo) terminou no pelotão e venceu a classificação geral na corrida […]

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock