Final de etapa do Tour de Pologne, onde aconteceu o terrível acidente com Jakobsen, não voltará a ser usado de novo!

O pelotão profissional podem opor-se à proibição da UCI das posições de ‘super-tuck’ e apoio dos braços do guiador, mas, será sem dúvida, com bons olhos e de bom grado que receberão as diretrizes que elimina a chegada ao sprint de Katowice, em descida, das provas da UCI. Esta mudança vem juntar-se às normas rigorosas que entrarão em vigor a 1 de Abril de 2021.

Esta chegada vitimou Fabio Jakobsen (Deceuninck-QuickStep) violentamente em 2020. Jakobsen teve um choquec om o colega holandês Dylan Groenewegen (Jumbo-Visma) e caiu nas barreiras, que depois se separaram e entraram no caminho dos outros cavaleiros, resultando em vários corredores feridos. Jakobsen foi o pior, com lesões faciais graves, entre outras feridas, no choque com as barreiras e o chão.

Após o acidente, que se tornou muito chocante devido à violência do impacto, os corredores apontaram a descida onde se excede os 80km/h como um dos fatores que tornam o final extremamente perigoso.

A UCI, através de Matthew Knight, concordou que a velocidade da final de Katowice era demasiado rápida e que não pode ser mais incluída numa chegada ao sprint.

A UCI anunciou mais medidas para tornar as corridas mais seguras, que incluirão um gestor de segurança para cada evento, cujo papel será avaliar o percurso, entre outras tarefas. e promete também [ a UCI] estabelcer uma parceria com uma agência externa para examinar os acidentes dos últimos cinco anos e montar uma base de dados para melhor determinar que medidas de segurança devem ser postas em prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock