BikeExchange junta-se à Trek Segafredo e aumenta base salarial feminina para valores iguais à masculina!

A Team BikeExchange aumentou o salário mínimo das corredoras da sua equipa de World Tour Feminina para igual aos valores que são obrigatórios no masculino. De facto a equipa australiana sempre foi das mais empenhadas na promoção do ciclismo feminino, e o facto de ter uma estrutura mista torna que seja mais fácil de fazer crescer o ciclismo feminino em todos os aspetos. Com esta iniciativa, a equipa australiana torna-se a segunda equipa a fazer a mudança, depois da Trek – Segafredo ter aumentado todas as suas corredoras para os valores equivalentes à equipa masculina.

A UCI introduziu um conjunto de regras no Women’s WorldTour que deram inicio em Janeiro de 2020, com o aumento dos requisitos financeiros para as equipas, onde se incluí um salário mínimo juntamente com seguros e benefícios sociais, tais como licença de maternidade! A UCI obriga a que seja praticado um valor mínimo de salário nos Escalões de World Tour, mas a realidade é bastante distinta entre feminino e masculino, sendo a diferença de aproximadamente o dobro. O objetivo passa por em 2023 exigir às equipas que a base salarial seja exatamente igual, mas será um passo muito grande para ser feito em dois anos.

A tabela salarial do Women’s WorldTour, publicada no website da UCI, mostra atualmente um salário base de 20.000€ ou 32.800€ (a recibos verdes) em 2021, sendo o objetivo aumentar para 27.500€ e 45.100€ em 2022. (Em 2020 foi de 15.000€)

De realçar que em 2020, o salário mínimo do WorldTour masculino era de 40.045€ ou 65.673€ (a recibos verdes), enquanto o salário mínimo para o 2º escalão, Pro Continental era de 32.102€ ou 52.647€ (a recebidos verdes) por ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock