Como se reforçaram os “donos” do pelotão nacional? Glassdrive / Q8 / Anicolor tem bons corredores à sua disposição e 2023 é promissor!

A Glassdrive / Q8 / Anicolor é a última equipa a ser apresentada. A equipa sediada em Águeda fez uma temporada extraordinária, onde venceu por 30 ocasiões. Na Volta a Portugal então nem se fala. Para além de vencerem a classificação geral com Mauricio Moreira, venceram também a geral da montanha com Frederico Figueiredo, ocuparam o pódio da geral individual com 3 dos seus atletas (1º- Mauricio Moreira; 2º- Frederico Figueiredo; 3º- António Carvalho), venceram a geral por equipas e conquistaram 5 das 11 etapas. Venceram também provas como a Clássica Ribeiro da Silva e o GP Jornal de Notícias.

Os mais autoritários do pelotão trazem bons reforços, tanto experientes como jovens promessas, mas também deixam sair bons corredores. Da equipa saem António Carvalho e Afonso Eulálio para a ABTF Betão – Feirense, e os espanhóis Javier Moreno e Hector Saez. Na equipa de Rúben Pereira, que continuará a ser o Diretor Desportivo em 2023, ficam Fábio Costa, Frederico Figueiredo, Luís Mendonça, Mauricio Moreira, Rafael Reis e Pedro Silva. Com as 4 saídas, entram assim 4 corredores para os seus lugares, chegando Duarte Domingues (Escola de Ciclismo Bruno Neves), Sergio Garcia (EOLO – Kometa Cycling Team), Julian Madrigal (Previley – Conforma) e Artem Nych (Gazprom – Rusvelo). Vamos analisar os corredores da Glassdrive para 2023.

Comecemos por Fábio Costa. Tem 23 anos e vai para a sua 2ª temporada na equipa. Tem características de um bom puncheur e sabe finalizar em grupos pequenos, fazendo também bons contrarrelógios e trepando bem. Não venceu, mas realizou uma boa temporada, onde na Volta a Portugal esteve ao serviço dos seus líderes. Mesmo assim, terminou 12 vezes no top10 ao longo do ano, das quais destacamos o 5º posto na Prova de Abertura, o 4º lugar na Clássica de Primavera e o 10º lugar na geral da Volta ao Alentejo. Fez 3º nos Campeonatos Nacionais e 6º no GP Mortágua – Pedro Silva.

Frederico Figueiredo vai para a sua 3ª época na equipa. Tem 31 anos e é um trepador. Fez uma boa temporada, onde venceu por 5 vezes e ainda fez 14 top10. Chegou ao recorde de mais vitórias na geral do GP Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho, vencendo a prova pela 3ª vez consecutiva em 2022. Na Volta a Portugal deu show na montanha, vencendo a respetiva classificação, liderou por 5 etapas e acabou em 2º na geral. De resto, destacamos a sua vitória na Clássica Aldeias do Xisto, na Volta a Albergaria, o 8º lugar na chegada ao Malhão na 5ª etapa da Volta ao Algarve, o 6º posto na geral do GP “O Jogo” e a 5ª posição na geral do GP Jornal de Notícias.

Luís Mendonça é um corredor que, mesmo não fazendo a Grandíssima, completou uma temporada fenomenal. Com 36 anos, o sprinter português vai correr pela 4ª temporada consecutiva na formação de Águeda. Venceu por 7 ocasiões, terminando outras 16 vezes nos 10 primeiros. Depois de um início complicado, conseguiu vencer 2 classificações gerais, na Clássica Ribeiro da Silva e no GP Abimota. Destacamos ainda o 3º lugar na Clássica da Arrábida e na Volta a Albergaria, o 2º posto na geral do GP “O Jogo” e realçamos o facto de estar praticamente sempre na discussão das etapas com final ao sprint.

O próximo foi o que em 2021, de um mero desconhecido, passou a ser um dos melhores (se não o melhor) corredores do pelotão nacional. É ele Mauricio Moreira. Depois de um 2021 onde deu boas impressões na Volta a Portugal, o uruguaio de 27 anos voltou à Grandíssima para vencer e não desiludiu, alcançando a maior vitória da carreira. Começou bem a época, com o 5º lugar no GP “O Jogo”, mas depois as desistências na Clássica Ribeiro da Silva e no GP Joaquim Agostinho marcaram um período mais complicado. Na preparação venceu o GP Anicolor completamente isolado e impressionou quando chegou ao grande objetivo, vencendo na Torre e no contrarrelógio final em Gaia, para conquistar a classificação geral, terminando à frente dos seus 2 colegas de equipa. A forma ainda se manteve, e com isso não se ficou só pela Grandíssima, vencendo também o GP Jornal de Notícias, onde triunfou no prólogo de abertura e nunca mais largou a liderança.

Rafael Reis também fez uma boa época. O contrarrelogista de 30 anos vai assim para a sua 3ª época na equipa. Também teve uma das melhores épocas da carreira, onde conseguiu vencer por 6 ocasiões, destacando-se, claro, o Campeonato Nacional de Contrarrelógio, os Jogos do Mediterrâneo e a geral do GP “O Jogo”. Da sua época, podemos destacar também os 3 dias na liderança da Volta a Portugal (até à etapa da Torre) e o 5º lugar na Volta ao Alentejo.

Pedro Silva é mais uma renovação para a Glassdrive. Irá assim para o seu 2º ano na equipa. Tem 21 anos e bastante explosão em subidas curtas, tendo também uma boa ponta final. Durante a temporada dedicou-se a trabalhar para a equipa, mas mesmo assim, terminou 9 vezes no top10. Destacamos o 6º lugar na Prova de Abertura, o 9º lugar na Clássica de Primavera, o 4º posto na geral da Volta a Portugal do Futuro, onde venceu a 1ª etapa, o 12º lugar na geral da Course de la Paix e o 11º lugar nos Campeonatos da Europa de Sub-23. Também venceu uma camisola distintiva, sendo o melhor jovem no GP Douro Internacional.

Duarte Domingues, de apenas 18 anos, irá para o seu 1º ano de Sub-23 na equipa da Glassdrive / Q8 / Anicolor!

Vamos agora falar dos reforços. Começamos por Duarte Domingues. Tem 18 anos, veio da Escola de Ciclismo Bruno Neves, indo para o seu 1º ano de Sub-23. Assume as características de um trepador. Da sua temporada, podemos destacar o 6º lugar na Prova de Abertura Júnior, o 10º posto na geral do GP do Minho, o 3º lugar na Ruta do Albariño, o 7º lugar no contrarrelógio e o 8º lugar na prova de fundo dos Campeonatos Nacionais, o 10º lugar no Circuito da Curia e o 4º lugar na Volta às Terras de Sta. Maria, provas onde os juniores competiram com os Sub-23.

Sergio Garcia deixa a ProTeam EOLO – Kometa para ingressar na Glassdrive!

O segundo reforço é Sergio Garcia. Tem 23 anos e vem da EOLO – Kometa Cycling Team. O espanhol consegue ganhar destaque em terrenos mais acidentados. Das provas realizadas pelo atleta, não conseguimos obter resultados de grande destaque, visto que trabalhou para os seus companheiros de equipa, mas apresenta um grande potencial, com resultados de grande valia em Sub23 entre 2019 e 2020!

Julian Madrigal, de 21 anos, marca o seu “regresso” a Portugal na equipa da Glassdrive / Q8 / Anicolor!

O terceiro reforço é Julian Madrigal. Este será o seu retorno a Portugal, onde correu em juniores pela equipa da Bairrada. O português de 21 anos veio da equipa espanhola da Previley – Conforma. Visto que não realizou muitas provas em 2022, não conseguimos destacar muitos resultados. Enquanto júnior venceu a Ruta do Albariño, em Espanha, em 2019, e foi Campeão Mundial de biatlo de verão (natação e corrida) por dois anos consecutivos.

O russo Artem Nych deixa a equipa ProTeam Gazprom – Rusvelo para correr em Portugal na formação de Águeda!

O último a ser apresentado é o russo Artem Nych. Vem da extinta Gazprom – Rusvelo, terminou a sua atividade na época passada, devido à Guerra na Ucrânia. Mesmo assim, o ciclista de 27 anos, que era um dos líderes da sua equipa, conseguiu vencer por 5 ocasiões. Venceu a 2ª, 6ª e a 9ª etapa e a geral do People North-Caucasus, uma das provas organizadas para os russos competirem (visto que não podiam competir fora do seu país e se fossem de equipa russa), venceu ainda o contrarrelógio do Nart of Adygea. Foi 2º nos campeonatos russos de fundo e 4º no contrarrelógio, conseguindo também um 5º posto na prova de fundo do Spartakiad.

Depois de termos analisado as equipas continentais portuguesas, o que é que vocês esperam da temporada 2023? Mais equilibrada ou irá outra equipa impôr-se de novo do início ou fim? Estamos todos ansiosos por ver o que vai acontecer!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Releated

Please turn AdBlock off  | Por favor desative o AdBlock